Momento Economia

Empreendedor digital lista 6 maneiras de gerar renda extra pela internet

Publicados

em


source
Empreendedor digital lista 6 maneiras de gerar renda extra pela internet
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Empreendedor digital lista 6 maneiras de gerar renda extra pela internet

De acordo com uma pesquisa do E-commerce Brasil , o varejo online cresceu 72% somente no primeiro trimestre de 2021. Por isso, essa é a grande tendência para o ano que pode possibilitar um aumento na receita de muitos empreendedores.

Rodrigo Volponi, empreendedor digital há mais de 11 anos – CEO da Web Mentoring, listou seis dicas de como criar um negócio digital simples e vender pelas redes sociais. Confira:

OFF para o ON

Você já tinha uma loja física e está buscando escalar seu negócio? A dica do Rodrigo Volponi é: “Você tem dois caminhos: abra uma loja virtual gratuita ou cadastre-se em Marketplaces como Magazine Luiza, Americanas e Mercado Livre. É necessário avaliar as diferenças entre cada um e, se você tiver um bom estoque, é possível operar nos dois formatos. Ter sua própria loja e também revender por meio de parceiros”.

Leia Também:  Em agosto, reajuste salarial fica 1,4% abaixo da inflação

Você viu?

Venda cursos online

Se você possui conhecimentos técnicos em alguma área, um bom caminho é entrar no mercado de cursos online. “Digamos que você é um professor de francês, é possível que você passe a oferecer conteúdos gratuitos pelo Instagram ou Youtube, até o ponto em que as pessoas vão enxergar você como referência no assunto e terão interesse em comprar um curso completo seu. Aliás, hoje existem ótimas plataformas como Hero Spark ou Hotmart que auxiliam neste processo”.

Para ver todas as dicas, leia a  matéria completa em 1Bilhão Educação Financeira .

Propaganda

Momento Economia

Petrobras para usina com risco de “falha catastrófica” e ignora pressão do ONS

Publicados

em


source
Petrobras desliga usina mesmo após pressão
Divulgação/Petrobras

Petrobras desliga usina mesmo após pressão

O Operador Nacional do Sistema (ONS) pressionou a Petrobras a manter um usina termoelétrica ligada mesmo sabendo que a mesma precisava de manutenção. A estatal, porém, alegou a possibilidade de uma “falha catastrófica” na estrutura da unidade e desligou a usina. As informações aparecem em comunicados trocados entre Petrobras, ONS e Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), obtidos pelo Estadão.

O ONS determina o que será gerado em cada usina do Brasil e, por conta dos baixos níveis nos reservatórios das hidrelétricas, o órgão tem exigido que usinas de geração términa funcionem em capacidade máxima.

Entenda o caso

Entre os dias 3 e 5 de setembro, a Petrobras havia comunicado o ONS que teria que paralisar as operações na usina de Três Lagos (MS) para fazer uma manutenção importante na estrutura. O serviço foi agendado para o final de semana, quando o consumo elétrico é menor, e o aviso foi feito com duas semanas de antecedência. 

Embora essa seja uma operação de rotina, o ONS rejeitou o pedido três dias antes da paralisação agendada, de acordo com os documentos obtidos pelo Estadão. Sem espaços para justificativas da estatal, o Operador disse que “em função do cenário energético, com cargas elevadas e alto despacho térmico”, era preciso manter a “máxima disponibilidade de unidades geradoras”. O ONS disse que a manutenção deveria ocorrer no feriado, entre 5 e 7 de setembro.

Leia Também:  Reforma do Imposto de Renda não deve ser prioridade no Senado, indica Pacheco

A Petrobras, então, insistiu que a programação fosse mantida, porque “já não havia tempo hábil para reprogramar a atividade e que essa postergação de data ia contra as recomendações dos especialistas e do fabricante”. O ONS rejeitou as alegações mais uma vez e, por e-mail, ordenou que a parada fosse adiada, reiterando o cenário nacional de crise energética.

A Petrobras, então, ignorou o pedido do ONS e avisou o órgão. “Diante das recomendações do fabricante (dos equipamentos da usina) e da equipe de engenharia e, ainda, frente ao risco de falha catastrófica desta turbina, a Petrobras necessitou prosseguir com a parada emergencial”, diz comunicado enviado pela empresa. O laudo da manutenção foi encaminhado tanto para ONS quanto para Aneel.

“A Petrobras tenta, sempre que possível, coordenar as intervenções de maneira programada, inclusive enviando notas técnicas explicando a criticidade dos serviços a serem executados, quando necessário, mas existem situações emergenciais com risco para o equipamento ou instalações”, declarou a empresa ao ONS e à Aneel.

Em entrevista ao Estadão, o coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (Gesel) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Nivalde de Castro, diz que a estrutura das usinas térmicas correm risco, já que não foram desenvolvidas para operar o tempo todo.

“É uma situação delicada e de risco. O governo está forçando as estruturas, adiando datas ou encurtando paradas, justamente por causa da crise hídrica. Essa situação com a Petrobras é um reflexo dessa crise. A ordem é empurrar com a barriga até onde for possível para preservar água nos reservatórios”, diz Castro.

Depois da recusa da Petrobras em obedecer o ONS, a estatal foi questionada pela Aneel. “Infelizmente, na presente situação, houve necessidade técnica e urgente de parar a unidade”, diz parte da resposta da empresa.

Ao Estadão, o ONS disse que “como uma das ações para o enfrentamento da escassez hídrica solicitou, em julho deste ano, a todas as usinas geradoras que adiassem suas manutenções a fim de aumentar a disponibilidade de geração”. De acordo com o órgão, “cabe ao agente avaliar a viabilidade técnica e operacional de acatar a solicitação ou não”.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA