Momento Economia

Expectativa de inflação para 2021 explode e chega a 5,82%; Selic sobe para 6,25%

Publicados

em


source
Inflação
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Inflação

O Banco Central (BC) divulgou nesta segunda-feira (14) o Boletim Focus, produzido por economistas de mais de 100 instituições financeiras. Na projeção, eles elevaram a expectativa de inflação para  5,82%  em 2021, além de projetar uma alta maior para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2021, de 4,36% para 4,85%.

IPCA

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, sofreu um aumento de 5,51% para 5,82%. A meta para este ano é 3,75%, podendo variar entre 2,25% e 5,25%. 

As metas são fixadas pelo Comitê de Politica Comentária (Copom), e para controlar o índice, o braço do BC eleva ou reduz a taxa de juros (Selic). 

Para 2022, o mercado financeiro alterou de 3,70% para 3,78%, o centro da meta é 3,50% no ano que vem. 

Leia Também:  CGU tem aval para abrir concurso com 375 vagas; salários chegam a R$ 19 mil

Você viu?

PIB

O Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no ano, teve alta de 4,36% para 4,85%, na comparação com a semana passada. Já para 2022, o mercado baixou a previsão de alta do PIB de 2,31% para 2,20%.

Taxa Selic

Para controlar a inflação, o mercado elevou a previsão para a taxa básica de juros (Selic) de 5,75% para 6,25% em 2021.

O Comitê de  Política Monetária (Copom) deve se reunir novamente esta semana para alterar a taxa de juros. A alta dos preços preocupa o presidente do BC, Roberto Campos Neto, segundo ele, “muita coisa mudou”, desde a última reunião. 

Já para 2022, a expectativa para a taxa Selic manteve-se estável em 6,50%.

Propaganda

Momento Economia

Oito em cada 10 brasileiros buscaram crédito na pandemia, diz pesquisa

Publicados

em


source
Brasileiro buscam crédito para pagamento de dívidas e compra de alimentos
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Brasileiro buscam crédito para pagamento de dívidas e compra de alimentos

Uma pesquisa feita pelo Serasa em parceria com Opinion Box aponta que 79% dos brasileiros buscaram créditos durante a pandemia. Segundo o levantamento, as tentativas de obter ajuda financeira se devem à crise econômica provocada pela pandemia de Covid-19, que geraram aumento do desemprego e reajustes nas contas diárias.

O estudo ressalta que a maioria dos brasileiros procurou o cartão de crédito como opção para gastos durante à crise. 62% da população usou o crédito para compras em supermercados, com preferência para alimentação e higiene pessoal. O uso do cheque especial também foi direcionado para gastos domiciliares. 

Outra forma encontrada pelos brasileiros para encarar à crise foi a contratação de empréstimos pessoais ou consignados. Os valores foram destinados para pagamentos de dívidas. Já financiamentos foram usados na compra de carros ou casas. 

Recusa de crédito 

Segundo Serasa, cerca de 37% da população que solicitou crédito especial tiveram seus pedidos recusados por bancos e financeiras durante a pandemia. Cerca de 40% tiveram a recusa por falta de renda mensal ou baixa possibilidade de pagamento do empréstimo. Já 35% dos créditos recusados foram por inadimplência de clientes. 

A maioria dos recusados buscaram alternativas digitais, como empréstimos em corretoras ou bancos digitais. Enquanto outros tentaram buscar valores com amigos ou parentes e 28% desistiram das tentativas de crédito. 

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA