Momento Economia

Golpe da Black Friday: um a cada 6 brasileiros já teve cartão de crédito clonado

Publicados

em


source
e-commerce
Deisy de Assis

Comércio virtual cresceu na quarentena, mas ainda apresenta riscos

Na semana da Black Friday , muitos consumidores são atraídos para ofertas tentadoras, mas é preciso atenção para diferenciar as verdadeiras promoções de golpes realizados por criminosos para roubar dados. Uma pesquisa realizada pelo dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe, analisou os hábitos de compra dos brasileiros às vésperas da Black Friday, e descobriu que um entre seis entrevistados já teve o cartão de crédito clonado .

De acordo com Emilio Simoni, diretor do dfndr lab, uma das principais formas de clonagem de cartões de crédito é o golpe de phishing . Para atrair as vítimas, na maioria das vezes, os cibercriminosos utilizam falsos sites com visual e linguagem bem similar aos sites originais, com ofertas bastante atraentes para convencer o comprador a fornecer informações pessoais e dados bancários no cadastro.

Leia Também:  Vale vai pagar R$ 40,2 bilhões em dividendos

“Os phishings relacionados à falsas ofertas da Black Friday atingiram mais de 45 mil pessoas no último ano. E o estudo mostra que 16% dos respondentes já tiveram seu cartão de crédito clonado. No entanto, não é possível precisar de que forma esta clonagem ocorreu, se por compra online ou presencial. Por isso é preciso sempre ficar atento e se precaver em todas as situações. Ao comprar pela internet, nunca informe dados pessoais ou bancários sem que tenha absoluta certeza da confiabilidade dos sites , e em caso de dúvida, evite passar qualquer informação sigilosa”, recomenda.

O especialista também aponta a importância de monitorar de perto as faturas de cartão de crédito e, caso identifique cobranças indevidas, entrar em contato com o banco imediatamente, solicitando o bloqueio do cartão e esclarecimentos sobre a cobrança.

Brasileiros ainda têm medo de comprar on-line

A pesquisa entrevistou 11.274 brasileiros, usuários do aplicativo  dfndr security , entre 12 e 16 de novembro de 2020, e as projeções utilizam como base o número de usuários do sistema Android no país, que seriam 131,1 milhões de pessoas.

Leia Também:  Arábia Saudita retoma importações de carne bovina do Brasil

De acordo com o estudo, 63% dos entrevistados já receberam links de falsas lojas ou de falsas promoções , e 73% admitem ter medo de comprar on-line.

Para Emilio Simoni, diretor do dfndr lab, os resultados da pesquisa mostram que a desconfiança em relação às compras on-line já criou um novo hábito em brasileiros: 87% dos entrevistados dizem que antes de fazer uma compra online sempre buscam mais informações, para garantir que aquele site é confiável.

“E eles estão corretos em se precaver. Os cibercriminosos sempre se aproveitam de datas comerciais e grandes eventos para criar novos golpes temáticos. Infelizmente, mesmo com todos os nossos alertas, ainda há quem caia neste tipo de armadilha virtual”.

Propaganda

Momento Economia

McDonald’s deixa peça de metal no hambúrguer e mulher quebra o dente; veja

Publicados

em


source
Mola encontrada no hambúrguer
Reprodução Kyodo news

Mola encontrada no hambúrguer

Uma japonesa quebrou o dente ao morder um hambúrguer do McDonald’s em Fukuoka, no Japão. A rede de fast food deixou passar uma peça de metal para o preparo da carne que surpreendeu a mulher de 26 anos, informa a agência Kyodo. 

Ela pediu um Rich Cheese Melt Tsukimi para viagem e notou o objeto estranho em forma de mola que considerou fazer parte de algum utensílio de cozinha.

“Eu estava ansiosa para almoçar. Não sei o que faria se a mesma coisa acontecesse novamente”, disse ela ao Kyodo News.

A mulher afirma ter sentido dores na boca e precisou ir ao hospital no mesmo dia do ocorrido, na sexta-feira (17). Ela foi diagnosticada com pulpite aguda.

A filial japonesa da rede devolveu o dinheiro à cliente e pediu desculpas, além de afirmar que inspecionam regularmente os utensílios do preparo alimentício. 

Leia Também:  'Solução ruim, ineficiente e dificulta crescimento', diz Ilan Goldfajn sobre IOF

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA