Momento Economia

Inflação: Famílias de renda mais baixa sofrem maior impacto em maio

Publicados

em


source
Inflação: Famílias de renda mais baixa sofrem maior impacto em maio
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Inflação: Famílias de renda mais baixa sofrem maior impacto em maio

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda voltou a ter, em maio, elevação em todas as classes de renda pesquisadas, mesmo com a desaceleração registrada em abril. As mais atingidas foram as famílias de renda muito baixa, com renda domiciliar abaixo de R$ 1.650,50.

Para esta faixa, a inflação ficou em 0,92% em maio. Para as famílias de renda mais alta – entre R$ 8.254,83 e R$ 16.509,66 – o percentual não passou de 0,49% no mesmo período. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (14), no Rio de Janeiro, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Você viu?

A habitação e os transportes foram os grupos que mais contribuíram para o avanço da inflação. Os principais focos de pressão inflacionária da habitação foram os reajustes de energia elétrica (5,4%), da tarifa de água e esgoto (1,6%), do gás de botijão (1,2%) e do gás encanado (4,6%). Nos transportes, os aumentos da gasolina (2,9%), do etanol (12,9%) e do gás veicular (23,8%) influenciaram o resultado.

Leia Também:  Moedas das Olimpíadas de 2016 valorizam mais de 300%; é hora de comprar?

A queda de 28,3% no preço das passagens aéreas reduziu o impacto dos reajustes dos combustíveis para as famílias de renda mais elevada da população. O grupo saúde e cuidados pessoais, com alta de 0,11% em maio, e de 0,10% nas de renda mais baixa, também contribuiu para a alta da inflação. Dentro do grupo de saúde e cuidados pessoais, enquanto as famílias com renda mais baixa enfrentaram alta de 1,3% nos medicamentos, os mais ricos tiveram reajuste de 0,67% nos planos de saúde.

Para saber mais, confira a  matéria completa em 1Bilhão Educação Financeira .

Propaganda

Momento Economia

INSS: solicitou o auxílio-doença e não obteve a resposta? Veja como resolver

Publicados

em


source
INSS: solicitou o auxílio-doença e não obteve a resposta? Veja como resolver
Redação 1Bilhão Educação Financeira

INSS: solicitou o auxílio-doença e não obteve a resposta? Veja como resolver

O segurado do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) que pediu o auxílio por incapacidade temporária, ou auxílio-doença , e não teve a resposta na hora precisa ficar atento. O correto é a informação ser dada prontamente, caso contrário, podem haver erros no seu cadastro. 

De acordo com o INSS, de janeiro a junho deste ano, 650.477 trabalhadores estiveram nesta situação. Para resolver, é necessário fazer o acerto pós-perícia

O acerto pode ser realizado virtualmente. Para solicitar o serviço, o trabalhador que estiver sem resposta sobre o seu benefício deve ligar, no dia seguinte à perícia, para o 135. Após esse passo, deve enviar os documentos pendentes pelo aplicativo Meu INSS

O prazo de resposta do INSS é de 45 dias para conceder ou negar o auxílio-doença.

Principais documentos

  • RG, CPF e comprovante de residência
  • Carteira de trabalho
  • DUT (Declaração de Último Dia Trabalhado)
  • Guias e carnês do INSS para os contribuintes individuais
  • Provas da atividade rural

Veja aqui o passo a passo para enviar a documentação. 


Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA