Momento Economia

Litro da gasolina sobe 10% no primeiro semestre e chega a R$ 7,56

Publicados

em

Gasolina e etanol registraram altas no último semestre
Felipe Moreno

Gasolina e etanol registraram altas no último semestre

O litro da gasolina encerrou o mês de junho com média de preço de R$ 7,56, cerca de 0,23% mais alto do que o fechamento do mês passado. O etanol, por outro lado, registrou recuo de quase 2% em comparação à maio. Os dados coletados são do IPTL, índice de preços de combustíveis que utiliza os valores de 21 mil postos credenciados pela Ticket Log.

Por região, o Norte e o Nordeste registraram aumento no preço da gasolina: a maior alta registrada no país foi nordestina, alcançando R$ 7,71 e fechando o período com 0,88% de aumento. Já o menor valor é econtrado no Sul, com baixa e preço médio de R$ 7,19 

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

O etanol registrou quedo por todo o país, porém a região que registrou a menor média foi o Sudeste, com baixa de 6,12% no último mês. Porém, o menor preço foi encontrado no Centro-Oeste, onde o litro encontra-se por R$ 5,43. Já o valor mais caro é do Norte, comercializado a R$ 6,26.

Leia Também:  Campos Neto ignora 'ansiedade' do mercado e não comenta fiscal de 2023

Embora tenham a maior redução de preço a gasolina mais cara do Brasil é a do Piauí, que está sendo vendida a R$ 8,07. Já a maior porcentagem de aumento foi a da Bahia, com 3,20% e um preço que saltou de R$ 7,78 para R$ 8,03. São Paulo é o lugar onde o litro está mais barato, por R$ 6,99.

No caso do etanol, o maior valor também foi encontrado no Pará por R$ 6,81 embora também tenha registrado queda. O Alagoas teve a maior alta porcentual e passou de R$ 6,01 para R$ 6,15. Já a menor redução também foi de são paulo, de 8,41%.

Fonte: IG ECONOMIA

Propaganda

Momento Economia

África do Sul suspende antidumping contra frango congelado brasileiro

Publicados

em

O frango congelado brasileiro voltará a entrar na África do Sul sem pagar imposto extra. O país suspendeu, por 12 meses, as tarifas antidumping que vigoravam desde dezembro do ano passado.

Até agora, o frango congelado do Brasil entrava no país africano pagando tarifas extras de 6% a 265,1%, além do Imposto de Importação. O governo sul-africano alegava que o produto brasileiro prejudicava os produtores locais.

Autorizada pela Organização Mundial do Comércio (OMC), a imposição de tarifas antidumping é justificada quando um país exporta um item abaixo do preço de custo. Pela legislação internacional, a prática é entendida como concorrência desleal.

Os ministérios da Economia e das Relações Exteriores negaram a acusação. Em nota conjunta, as duas pastas informaram que mantiveram diálogo constante com as empresas brasileiras investigadas e com as autoridades sul-africanas, inclusive mediante manifestações técnicas relativas à investigação de dumping. “O governo brasileiro seguirá atento ao caso na expectativa de que a suspensão temporária das tarifas antidumping se torne definitiva”, destacou o comunicado.

Leia Também:  DPU e INSS firmam acordo para acelerar atendimento do BPC

No ano passado, as exportações brasileiras para a África do Sul superaram US$ 1 bilhão, dos quais cerca de 17% corresponderam a exportações de cortes de frango congelados. “O Brasil é fornecedor confiável e competitivo de carne de frango. A produção brasileira é importante para a garantia da segurança alimentar em diferentes mercados, sobretudo no atual momento de desequilíbrio das cadeias internacionais de distribuição e de elevação geral de preços”, concluiu a nota conjunta.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Economia

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI