Momento Economia

Orçamento: Guedes é comparado com navio que encalhou em Suez por travar acordo

Publicados

em


source
O ministro da Economia, Paulo Guedes, sofre pressão da base aliada do governo
O Dia

O ministro da Economia, Paulo Guedes, sofre pressão da base aliada do governo


Nos corredores da Praça dos Três Poderes uma nova brincadeira surgiu entre deputados e senadores. O chefe da pasta da Economia, Paulo Guedes, foi apelidado de “Evergreen”, a empresa cujo  navio bloqueou o fluxo do canal de Suez durante seis dias.

A embarcação, de 400 m de comprimento, encalhou no canal no dia 23 de março e interrompeu uma das rotas comerciais mais importantes do mundo.

O centrão não perdeu a deixa e, devido ao entrave, atribuiu o mesmo nome ao ministro que tem tido resistência em aceitar a demanda de congressistas por emendas no Orçamento e, assim, destravar um acordo para a sanção da peça.

Você viu?

Leia também

Guedes considera a atual proposta de Orçamento inexequível por propor cortes bilionários em gastos obrigatórios, como aposentadorias, para ampliar o valor de emendas parlamentares. O ministro argumenta que a sanção da peça, tal como está, poderia fazer o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) incorrer em crime de responsabilidade, o que abriria caminho para a abertura de um processo de impeachment.

Leia Também:  Acordos de cortes de salários podem voltar com PEC fora do teto; entenda

Em março, o governo prometeu mais R$ 16,5 bilhões em emendas parlamentares em troca da aprovação da PEC (proposta de emenda à Constituição) Emergencial. O projeto prevê medidas de controle de despesas e permitiu a nova rodada do auxílio emergencial.

Para a equipe econômica, o relator do Orçamento, senador Márcio Bittar (MDB-AC), extrapolou o acordo quando sugeriu o acréscimo de R$ 29 bilhões que acabaram distribuídos em negociações políticas.

A demora em uma definição retomou a pressão no centrão por uma troca de Guedes.

Propaganda

Momento Economia

Confiança do empresário cai pelo quarto mês seguido, diz CNI

Publicados

em


Pelo quarto mês consecutivo, a confiança do empresariado industrial brasileiro apresenta queda, segundo o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei). De acordo com o levantamento divulgado hoje (14) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), foi registrada uma queda de 0,7 ponto no índice relativo a abril de 2021, na comparação com março.

Segundo a CNI, o Icei de abril ficou em 53,7 pontos. Em março, o índice estava em 54,4 pontos. Em abril de 2020, quando o índice refletia de forma mais intensa os efeitos da pandemia na indústria, o ICEI estava em 34,5 pontos.

Apesar de ser o quarto mês seguido de queda na confiança empresarial, o índice se mantém acima dos 50 pontos – em uma escala de 100 pontos –, patamar que separa confiança e falta de confiança das empresas na economia brasileira.

No acumulado do ano, a queda chega a 9,4 pontos, acrescenta a CNI. “Há uma visão mais negativa em relação ao momento atual. As expectativas dos empresários para os próximos seis meses até melhoraram moderadamente, mas recuperaram apenas parcialmente a piora do mês anterior”, informou, em nota, o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

Leia Também:  Brasil tem quase 5 mil vagas de concurso público; salários vão até R$ 32 mil

Condição atual e expectativas

Ainda de acordo com a CNI, o Índice de Condições Atuais caiu 4 pontos, passando de 48,9 pontos para 44,9 pontos. Com o indicador abaixo dos 50 pontos, o resultado indica a percepção de que “a piora do estado atual da economia brasileira e das empresas é mais intensa e disseminada entre os empresários”.

Apesar de uma avaliação mais negativa das condições correntes, os empresários da indústria “mostram maior otimismo com relação aos próximos seis meses”, com uma alta de 0,9 ponto percentual no Índice de Expectativas, que passou de 57,2 pontos para 58,1 pontos.

Este índice de expectativa havia recuado 5,4 pontos na passagem de fevereiro para março. “Ou seja, há uma melhora do otimismo, mas ele não retomou o patamar registrado entre agosto de 2020 e fevereiro de 2021, quando superou os 60 pontos”, acrescenta a CNI.

Edição: Denise Griesinger

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA