Momento Economia

Por falta de regulamentação, BPC deixa de atender mais vulneráveis

Publicados

em


source
INSS
Reprodução: ACidade ON

INSS

Apesar da aprovação pelo Congresso Nacional da ampliação do  BPC (Benefício de Prestação Continuada) em maio do ano passado, famílias com direito ao programa ainda recorrem à Justiça para conseguir a liberação do benefício, isso porque falta um decreto regulamentando as regras definidas para o recebimento. 

Em junho do ano passado o presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que valeria a partir de 1º de janeiro de 2022, mas até agora nada.

O BPC paga um salário mínimo (R$ 1.212) a idosos acima de 65 anos e pessoas com deficiência de baixa renda, ou seja, com renda de um quarto a meio salário mínimo por pessoa —atualmente, R$ 303 a R$ 606.

Em 2013 o STF (Supremo Tribunal Federal) disse que o critério de renda é insuficiente para liberar a “aposentadoria sem contribuição” ao INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social), como é conhecido o benefício. 

O entendimento da Corte é que alguns cidadãos têm a renda comprometida com Saúde, como compra de medicamentos, por exemplo, o que não seria passível para exclusão do benefício.

Leia Também:  Ministério de Minas e Energia diz que monitora situação do diesel

Se respeitados os novos critérios, o governo gastaria R$ 2 bilhões a mais por ano com a inclusão de 180 mil beneficiários, informa a Folha de São Paulo. Esse aumento de despesa esbarra na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que obriga o governo a aumentar a compensar gastos permanentes. 

A expectativa era que a reforma da Previdência pudesse melhorar a arrecadação e bancar o programa, o que não aconteceu. 

À Folha, o Ministério da Cidadania, responsável pela execução do BPC, confirmou que a ampliação do limite de renda mensal para receber o benefício depende do decreto regulamentador.

Leia Também

“Até lá, vale a regra em vigor, ou seja, para acesso ao BPC, a renda por pessoa do grupo familiar deve ser igual ou menor a um quarto do salário mínimo”, afirmou a pasta, em nota.

Já o Ministério do Trabalho e da Previdência disse ao jornal que os requisitos fiscais para a regulamentação do BPC “serão atendidos com a publicação da MP da Previdência que está em fase de elaboração”. 

Leia Também:  Aneel mantém bandeira tarifária verde para junho

Nenhuma das pastas estipulou prazo para a definição. 

Atualmente o BPC represente 500 mil pedidos da fila de 1,8 milhão de solicitações do INSS. O BPC contempla hoje 2,15 milhões de idosos e 2,56 milhões de pessoas com deficiência, com uma folha mensal que soma R$ 5,2 bilhões, segundo dados de novembro de 2021.



Propaganda

Momento Economia

Mega-Sena: ninguém acerta e prêmio se aproxima dos R$ 120 mi

Publicados

em

source
Você não ganhou a Mega da Virada
Felipe Moreno

Você não ganhou a Mega da Virada

Ninguém acertou as seis dezenas da Mega-Sena no sorteio realizado ontem (28), em São Paul, no cincurso 2.485. Os números sorteados foram 60-12-38-47-05-32. Segundo a Caixa Econômica Federal, não houve vencedores.

O prêmio para quem acertasse as seis dezenas era de mais de R$ 100 milhões, mas acumulou novamente e a expectativa é de que passe de R$ 120 milhões.

De acordo com a Caixa, 188 pessoas acertaram cinco números e vão ganhar R$ 46.388,86 e 13.488 pessoas acertaram 4 númeors e vão receber R$ 923,68. 

O próximo sorteio está previsto para o dia 31/5 (terça-feira), às 20 horas.

Leia Também:  Subsídio do Casa Verde Amarela aumenta até 21,4%, a depender da região
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA