Momento Economia

Prova de vida do INSS: governo prepara portaria para alterar regras

Publicados

em


source
Prova de vida do INSS
Martha Imenes

Prova de vida do INSS

A prova de vida anual de aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) vai mudar. O procedimento, antes feito na agência bancária onde recebe o pagamento ou pela plataforma Meu INSS, agora deve ser feita a partir do cruzamento entre as bases de dados do governo. Nesta quarta-feira o governo vai detalhar como será realizada a prova de vida. Em cerimônia, o presidente Jair Bolsonaro (PL) vai assinar uma portaria com as alterações nas regras, segundo o site UOL.

O procedimento tem sofrido alterações nos últimos meses. As duas mais recentes tratam da suspensão do pagamento por falta de recadastramento, inclusive com um calendário para que os aposentados e pensionistas façam a prova de vida sob pena de terem o benefício suspenso, e com o adiamento do bloqueio do pagamento até o final de março.

A expectativa, segundo Adriane Bramante, presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), é de que o governo amplie o sistema biométrico ou crie mecanismos mais modernos que evitem a ida de beneficiários ao banco onde recebem o pagamento para fazer o recadastramento anual no mês do aniversário.

“Hoje os cartórios informam imediatamente o óbito de um segurado ao INSS. Esse cruzamento de dados pode ajudar na identificação de pessoas que recebem por outra que já morreu”, diz Adriane, que avalia que a prova de vida pode ser desnecessária em um curto espaço de tempo com tanta tecnologia envolvida.

Leia Também

O que ainda está valendo

Segundo a regra ainda em vigor, os que deixaram de fazer a prova de vida anual com data-limite de dezembro de 2020 têm somente até o dia 28 deste mês para realizar o recadastramento. Caso não façam a prova de vida dentro desse prazo o benefício vai ser suspenso já em abril. Isso porque a Portaria nº 1.266 do INSS prorroga a interrupção do bloqueio de pagamentos de benefícios até o fim de março deste ano.

Para quem deveria ter feito a comprovação anual de janeiro a junho de 2021, o prazo é março de 2022, e assim sucessivamente. Os bloqueios, para quem não fizer a prova de vida no mês de aniversário, no período de janeiro a junho deste ano, serão realizados a partir de julho.

Leia Também:  De volta ao Mapa da Fome, prato brasileiro tem ossos e subprodutos

A falta do recadastramento anual resulta na suspensão e/ou no bloqueio de pagamentos de aposentadorias e pensões. A portaria a ser publicada hoje deve detalhar o novo procedimento.

Propaganda

Momento Economia

Bolsonaro vai à Febraban apresentar medidas econômicas da campanha

Publicados

em

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes devem explanar propostas econômicas para os próximos anos
Antonio Cruz/Agência Brasil

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes devem explanar propostas econômicas para os próximos anos

O presidente Jair Bolsonaro (PL) deve se reunir nesta segunda-feira (8) com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) para discutir proposta econômicas da campanha e o futuro do país. A discussão está marcada para acontecer na sede da federação, em São Paulo (SP).

Entre os temas que devem ser discutidos estão o Pix, Open Banking e empréstimos para beneficiários do Auxílio Brasil. Alguns bancos ainda estão resistentes em oferecer crédito para inscritos no programa por medo de aumento no endividamento das famílias. O Bradesco, por exemplo, já informou que não vai disponibilizar os empréstimos.

Bolsonaro ainda deve apresentar as propostas que estão em seu plano de governo, além de discutir o cenário atual da economia do país. O encontro também contará com a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes, que deve esboçar o crescimento econômico do país nos últimos meses.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Esse será o primeiro encontro entre banqueiros e Bolsonaro após críticas feitas pelo presidente à carta escrita por membros da Universidade de São Paulo (USP) em apoio à democracia. A Febraban foi uma das instituições que assinaram o documento.

Segundo Bolsonaro, a carta tem viés político e seguiu as críticas do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, ao dizer que banqueiros assinaram o texto “pois perderam R$ 40 bilhões com o Pix”.  

A Febraban ainda deve se reunir com os presidenciáveis Lula (PT) e Simone Tebet (MDB) nos próximos dias. Ciro Gomes (PDT) ainda não tem a participação confirmada na reunião. 


Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI