Momento Economia

Prova de vida do INSS tem novo calendário; confira

Publicados

em


source
Agora a comprovação será feita no mês de aniversário
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Agora a comprovação será feita no mês de aniversário

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) mudou o calendário da prova de vida e, segundo portaria publicada no Diário Oficial da União, acontecerá nos meses de aniversário. A obrigatoriedade da comprovação segue suspensa até dezembro de 2021, portanto, só o segurado que quiser pode fazer a fé de vida.

Para quem está há mais tempo sem a atualização cadastral, o INSS lançou um novo calendário. Segundo a portaria, os beneficiários com vencimento da última comprovação de vida entre novembro de 2020 e dezembro de 2021 deverão realizá-la de forma escalonada. Veja:

Vencimento                      Competência de bloqueio Nov/2020 a junho/2021                 jan/22 Julho e agosto/2021                      fev/22 Setembro e outubro/2021              mar/22 Novembro e dezembro/2021           abr/22

Se a prova de vida devesse ser feita até setembro de 2021,  o segurado deve atualizar os dados para desbloquear o benefício. 

Leia Também:  Ministério de Minas e Energia analisa criar vale transporte para vulneráveis

Leia Também

Para quem tem mais de 80 anos, a portaria prevê também que os bancos deverão facilitar e auxiliar a locomoção até a agência bancária.

A partir de 2022, se a comprovação não for feita,  o INSS enviará os dois pagamentos seguintes com bloqueio aos bancos. Nesse caso, para reativar os pagamentos, é preciso cadastrar biometria realizada pelo aplicativo Meu INSS. Outra opção será agendar o serviço “Realizar Prova de Vida – Situações Excepcionais”, no Meu INSS ou pelo atendimento telefônico do 135.

Propaganda

Momento Economia

Subida dos juros deve provocar desaceleração na economia, diz Guedes

Publicados

em


source
Paulo Guedes, ministro da Econimia
[email protected] (O Dia)

Paulo Guedes, ministro da Econimia

O ministro da economia, Paulo Guedes, reconheceu que a subida dos juros para combater a inflação vai provocar uma desaceleração na economia no ano que vem. Para ele, o resultado será o melhor possível a ser feito, e a política econômica está seguindo o caminho correto.

“A Faria Lima e os banqueiros estão prevendo um crescimento menor. É natural. No ângulo de visão de financistas, é claro que vai haver uma desaceleração forte, porque os juros estão subindo. A inflação subiu, de novo estamos fazendo a coisa certa. O importante não é a previsão. O importante é fazer a coisa certa. O resultado será o melhor possível. Quando previram que o Brasil ia cair 10 [%], eu apenas descredenciei a previsão de 10. Eu não disse quanto ia cair. Aí surgiu uma guerra de fatos. Eu acreditava em recuperação em V. Não disse em quanto tempo e aconteceu até mais rápido do que eu esperava. Em compensação, veio acompanhada do componente inflacionário”, disse, ao participar nessa sexta-feira (3) do Encontro Anual da Indústria Química.

Leia Também:  Publicado decreto que regulamenta o Auxílio Gás

Em contrapartida ao efeito dos juros, Guedes conta com o avanço da taxa de investimentos, que vem registrando evolução e pode chegar em 2022 a 20% do Produto Interno Bruto (PIB). Para o ministro, o crescimento do Brasil é inevitável e o país está recuperando sua economia de forma sustentável. Segundo ele, a economia passa por uma fase de recuperação cíclica em forma de V, que é quando registra recuo seguido de ascensão, baseada em transferência de renda e agora passa para a etapa do aumento dos investimentos.

Leia Também

“É um número importante. Estamos subindo a nossa taxa de investimentos”, afirmou.

Guedes acrescentou que não vai fazer projeções do crescimento do PIB para 2022 .

“Eu não estou prevendo quanto vai ser o crescimento do ano que vem. Eu estou tentando de novo colocar um certo ceticismo nessas previsões, que foram de queda de 10%, de depressão, de desemprego em massa. Estou tentando justamente inspirar uma volta à normalidade da economia brasileira e até transcender esse estado, questionando essas previsões do PIB e de crescimento zero. É verdade que a subida de juros para combater a inflação desacelera o crescimento, mas também é verdade que uma taxa de investimento de 20% do PIB é um sinal de bom crescimento à frente”, observou.

Leia Também:  Proporcionalmente, mais pobres gastam 12 vezes mais com gás do que os mais ricos

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA