Momento Economia

Ricardo Faria é o novo secretário de governança de empresas estatais

Publicados

em


O servidor federal Ricardo Faria assume hoje (1º) a Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest), do Ministério da Economia, com a saída de Amaro Gomes do cargo. Mestre em economia do setor público pela Universidade de Brasília (UnB), Faria é servidor público da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental.

No Ministério da Economia, atuou na Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos e na própria Sest anteriormente, quando exerceu as funções de diretor do Departamento de Governança e Avaliação de Estatais, de assessor especial do secretário e de secretário-adjunto na gestão de Amaro Gomes.

De acordo com a pasta, entre as principais atuações de Faria estão o Relatório Anual das Empresas Estatais Federais (Raio-X das Estatais), divulgado em novembro de 2020, e a coordenação do processo de peer review de governança de estatais junto à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Amaro Gomes deixa o cargo após 13 meses à frente da Sest para assumir funções na iniciativa privada. A decisão é de cunho pessoal e foi informada ao ministério ainda em janeiro. Na ocasião, foi combinado um período de transição de dois meses.

Leia Também:  Confiança da indústria cai 1,1 ponto na prévia de abril, diz FGV

Edição: Lílian Beraldo

Propaganda

Momento Economia

Governo autoriza segunda rodada de excedentes da cessão onerosa

Publicados

em


O presidente Jair Bolsonaro aprovou as regras que autorizam a realização da segunda rodada de licitação dos volumes excedentes da cessão onerosa do pré-sal nos campos de Atapu e Sépia. Os parâmetros técnicos e econômicos estão na Resolução nº 5, de 20 de abril de 2021, do Conselho Nacional de Política Energética. 

Em nota, a Subchefia para Assuntos Jurídicos da Presidência informa que a nova rodada refere-se aos campos que não foram arrematados em 2019. De acordo com o órgão, o modelo da licitação pretende dar maior atratividade e competitividade ao leilão, “aumentando a possibilidade de sucesso na contratação das áreas remanescentes”. 

“A resolução aprovada constitui de mais uma etapa importante na estruturação do respectivo leilão e autoriza à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a realizar o certame, além de prever os blocos a serem ofertados e os parâmetros técnicos e econômicos da licitação, assim como dos contratos de partilha a serem firmados com os novos contratados com vistas a promover o devido aproveitamento racional dos recursos petrolíferos nacionais”, diz a nota. 

Leia Também:  Brasil deve entrar para lista de países que viola leis trabalhistas mundiais

Edição: Fábio Massalli

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA