Momento Economia

Saindo da crise? Atividade econômica subiu 1,1% em agosto, mostra indicador

Publicados

em


source

Agência Brasil

pessoas caminhando no comércio do Rio de Janeiro
Tomaz Silva/Agência Brasil

Mesmo com melhoria, índice ainda está 2,2 pontos abaixo do período pré-pandemia, fevereiro de 2020

Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (Iace), publicado pela Fundação Getulio Vargas (FGV) em parceria com The Conference Board (TCB), subiu 1,1% em agosto para 117,8 pontos. O resultado possibilita uma visão sobre a crise da pandemia no Brasil.

Porém, o índice, que é um conjunto de indicadores que medem a atividade econômica no Brasil, e que busca antecipar tendências, ainda está 2,2 pontos abaixo do período pré-pandemia, fevereiro de 2020.

Quatro das oito séries componentes contribuíram para a alta do indicador , com a maior contribuição vindo do Índice de Expectativas da Indústria da FGV.

Os outros sete componentes do índice são os índices de expectativas dos Serviços e do Consumidor (da FGV), os índices de termos de troca e de quantum de exportações (ambos da Funcex – Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior), a taxa referencial de swaps DI pré-fixada – 360 dias (do Banco Central), o Ibovespa fechado do mês e o índice de produção física de bens de consumo duráveis (do IBGE).

Leia Também:  Impostos e juros são maiores insatisfações com governo Bolsonaro, mostra Ibope

Já o Indicador Coincidente Composto da Economia Brasileira (ICCE), que mensura as condições econômicas atuais,  levando em conta a crise da pandemia, ficou estável em 101,4 pontos, em agosto.

Propaganda

Momento Economia

Dólar fecha R$ 5,55, em alta pela terceira semana seguida

Publicados

em


source

Agência Brasil

dólar
Thinkstock/Getty Images

Novas medidas de confinamento em alguns países europeus, depois do surgimento de uma segunda onda de casos de Covid-19, fez o dólar subir

Em mais um dia de instabilidade no mercado internacional, a moeda norte-americana voltou a subir e encerrou em alta pela terceira semana seguida. O  dólar comercial fechou esta sexta-feira (25) vendido a R$ 5,554, com alta de R$ 0,044 (+0,8%). O dólar fechou a semana com alta acumulada de 3,29%.


A moeda chegou a aproximar-se de R$ 5,60 durante o dia, mas desacelerou perto do fim da sessão. A divisa acumula alta de 1,33% em setembro e de 38,4% em 2020.

A força do dólar ante o real nesta semana ocorreu em sintonia com um movimento de aversão no mercado internacional. A cotação refletiu o aumento da demanda por dólares em todo o planeta depois que indicadores apontaram desaceleração econômica nos Estados Unidos e na Europa, elevando temores sobre a sustentabilidade da retomada de diversas economias avançadas.

Leia Também:  Auxílio de mil dólares: Bolsonaro diz que arredondou o valor no discurso na ONU

A esse medo se somaram novas medidas de confinamento em alguns países europeus, depois do surgimento de uma segunda onda de casos de Covid-19 no continente. Nos Estados Unidos, a semana foi marcada pela continuação do impasse sobre um novo pacote de estímulos, num momento em que o Federal Reserve (Banco Central do país) informou ter pouco espaço para reduzir juros.

No mercado de ações, a bolsa de valores começou o dia com fortes perdas, mas reverteu o movimento ao longo da sessão e encerrou perto da estabilidade. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), fechou esta sexta-feira aos 96.999 pontos, com leve recuo de 0,01%.

Esta foi a quarta semana seguida em que o Ibovespa acumula perdas. Em setembro, o índice recuou 2,38%, no caminho de registrar pior resultado para o mês desde 2015.

*Com informações da Reuters

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA