Momento Economia

Ser Educacional compra Laureate por R$ 4 bilhões e cria gigante da educação

Publicados

em


source

Brasil Econômico

jânyo diniz ser educacional
Reprodução

Jânyo Diniz, presidente da Ser Educacional, que comprou a Laureate e criou nova gigante da educação no Brasil

O Grupo Ser Educacional, um dos maiores da área da educação no Brasil, que lidera nas regiões Nordeste e Norte em número de alunos matriculados, anunciou acordo para comprar os negócios da Rede Internacional de Universidades Laureate no País. A negociação está estimada em R$ 4 bilhões e vai criar o quarto maior grupo de ensino superior em todo o Brasil, com cerca de 450 mil alunos em ensino presencial e à distância e receita combinada de R$ 3,4 bilhões.

A nova companhia, que já tem ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, e também vai negociar seus papéis em bolsas norte-americanas, vai incorporar todas as universidades do Grupo Ser Educacional com instituições como Anhembi Morumbi, FMU e IBMR. De acordo com os termos da transação, divulgados em fato relevante na noite deste domingo (13), o Grupo Ser Educacional ficará com 100% das operações da Laureate no Brasil.

Leia Também:  Caixa paga auxílio residual para beneficiários do Bolsa Família

“O negócio criará o quarto maior grupo de ensino superior do Brasil, com aproximadamente 450 mil alunos nas modalidades de ensino presencial e a distância, mais de 100 campi universitários, mais de 500 polos de ensino a distância e presença nos 26 Estados e no Distrito Federal”, diz a Ser.

Está previsto que a Ser Educacional assuma a dívida líquida de R$ 623 milhões da Laureate e pague R$ 1,7 bilhão em caixa no fechamento da negociação, e que a rede internacional de universidades ainda receba adicionalmente ações do novo grupo, que será o quarto maior do Brasil no ensino superior . Janguiê Diniz, fundador do Ser Educacional, será detentor de 32,1% da nova companhia.

O Grupo Ser Educacional lembra que a conclusão da operação ainda depende de aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e diz que a expectativa é que a negociação corra até o final de 2021.

Jânyo Diniz , presidente do Grupo Ser Educacional, diz em nota que “sempre buscou crescer de forma orgânica e por meio de aquisições. A negociação, com a consequente incorporação da Laureate Brasil pelo Grupo Ser Educacional, trará benefícios para ambas as companhias e nos permitirá dar um passo grandioso no aprimoramento do ensino superior do Brasil”.

Leia Também:  Banco Central prevê alta na inflação no curto prazo

“Concluindo a incorporação, iremos agregar 11 instituições de ensino ao nosso portifólio e ampliar nossa presença em quase todos os estados do Brasil, consolidando o grupo como um player nacional”, acrescentou Jânyo, celebrando o fato de a Laureate ser referência de oferta de cursos na área de saúde, sobretudo em medicina .

Até 13 de outubro de 2020, a Laureate Brasil ainda pode aceitar proposta apresentada por terceiros que supere a que foi efetivada pelo Grupo Ser Educacional e já aceita. A prática é comum nos Estados Unidos, mas, caso o negócio com a Ser Educacional seja desfeito, a Laureate terá de pagar uma multa de R$ 180 milhões.

“Havendo proposta vinculante superior nesse prazo, o Grupo Ser Educacional terá ainda a preferência em igualdade de condições, que – se não for exercida – facultará a Laureate terminar a transação, pagando para o Grupo Ser Educacional uma multa contratual rescisória de R$ 180 milhões”, diz a nota que confirmou o negócio.

Propaganda

Momento Economia

Anuário da Firjan mostra cenário do petróleo no Rio para próximos anos

Publicados

em


.

O Rio de Janeiro terá 200 novos poços perfurados em áreas licitadas a partir de 2017. Os números constam no 5º Anuário do Petróleo no Rio. Lançado hoje (22) pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), ele reúne dados do setor no estado e análises sobre as expectativas para o próximo período, como a previsão de investimentos de cerca de R$ 2 bilhões no segmento de abastecimento até 2024.

De acordo com Karine Fragoso, gerente de Petróleo, Gás e Naval da Firjan, a importância da divulgação consiste em dar ao mercado instrumentos que possibilitem aprimorar sua capacidade de organização. Ela apontou também alguns dos desafios do próximo período. “Na exploração e produção, continuamos com a expectativa de maior diversidade de operadores, a retomada do calendário de rodadas e a revisão do modelo de licitações”.

O anuário mostra ainda que, em 2019, a indústria do petróleo do Rio de Janeiro registrou um aumento no total de postos de trabalho, a primeira vez desde 2014. O setor fechou o ano passado com 79.737 empregados, o que representa 1,9% a mais do que os 77.959 de 2018.

A perda de postos de trabalho acompanhou a crise que atingiu a indústria petrolífera do estado em 2014, mas o ritmo da queda já vinha desacelerando. Em 2015, a retração no número de empregados foi de 4,1%, em 2016, alcançou 8,3%; e em 2017, fechou em 6,4%. Em 2018, a queda foi mais leve, de 1,4%.

Segundo consta no anuário, em 2019, 63,2% dos postos de trabalho na exploração e produção de petróleo no país concentraram-se no Rio de Janeiro. Na cadeira fornecedora, o estado respondeu por 43,9% dos empregos. O Rio foi o maior produtor de petróleo e gás natural, representando 71% do volume total produzido no país, 5,3% maior que em 2018. A venda de derivados cresceu 0,7%.

Um dos assuntos colocados em discussão na apresentação do documento foi o descomissionamento, isto é, o final do ciclo de vida de um poço produtor de petróleo, quando ele precisa ser devolvido em suas condições originais e livre de danos ambientais. Em sua intervenção durante o evento, a presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), Clarissa Lins, chamou atenção para novas oportunidades.

Leia Também:  Beneficiários do Bolsa Família recebem, hoje, pagamento do auxílio da Caixa

“Devemos estar atentos à oportunidade em descomissionamento. É um mercado gigantesco. Segundo a consultoria Wood Mackenzie, pode atrair de US$90 bilhões a US$100 bilhões nos próximos 10 anos. O Brasil, até pelas características de nossas plataformas nas quais 45% tem mais de 25 anos, pode girar US$9 bilhões nos próximos 10 anos. Precisamos de uma indústria onde as regras são respeitosas com o meio ambiente e estão de acordo com o padrão mundial. E tudo isso abre uma oportunidade de atuação econômica”.

Dados recentes

Em decorrência da pandemia de covid-2019, um evento online substituiu a tradicional cerimônia para divulgação do documento, que anualmente reúne gestores públicos e representantes do setor. Junto com a 5ª edição do documento, foi lançado um painel virtual onde as informações passarão a ser atualizadas com maior periodicidade. Ele já contabiliza alguns números desse ano.

De acordo com o documento, “em relação à média do primeiro semestre, em 2020 a produção de óleo no Brasil aumentou em torno de 15% frente ao primeiro semestre de 2019, resultado derivado, em muito, do crescimento da produção no estado do Rio de Janeiro, que aumentou 23%”.

José Mauro Coelho, secretário de petróleo, gás natural e biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, chama atenção que mesmo diante da crise causada pela pandemia e das grandes dimensões do Brasil, não houve problemas de abastecimento. “Ano passado nossa produção média foi de 2,8 milhões de barris de petróleo por dia. Esse ano, olhando até julho, já estamos próximos de 3 bilhões de barris de petróleo por dia”, acrescentou.

O presidente da Firjan, Eduardo Vieira, pontuou que o setor se manteve em funcionamento mesmo diante da pandemia de covid-19. De outro lado, observou que essa movimentação produtiva se dá diante dos desafios colocados pela queda do preço do barril de petróleo no mercado mundial. Segundo o anuário, houve um recuo da demanda de energia que não tem paralelo com outros momentos da história.

Leia Também:  Grupo com renda mais baixa do MCMV pagará juros no Casa Verde Amarela

“Como todos sabem, o petróleo atende a todos os setores e um eventual descompasso no fornecimento de derivados comprometeria atividades que não podem ser paralisadas em um momento tão crítico, como o transporte de mercadorias e a produção de insumos como medicamentos e embalagens. A resiliência demonstrada pelo mercado de petróleo gera otimismo sobre a contribuição do setor na futura retomada da atividade econômica”, disse Eduardo Vieira.

Impacto da pandemia

Mais cedo, um estudo divulgado pela Firjan já havia apontado que a queda do Produto Interno Bruto (PIB) do Rio de Janeiro não tem sido maior graças ao desempenho da indústria de óleo e gás. A estimativa é de que, no segundo trimestre de 2020, o setor cresceu 14,5% na comparação com o segundo trimestre de 2019.

O PIB fluminense tem registrado retração menos intensa do que o PIB do país. Em comparação com o segundo trimestre de 2019, a queda no segundo trimestre desse ano foi de 9,9%. Em nível nacional, o recuo foi de 11,4%. Ainda assim, o resultado do Rio de Janeiro, segundo o estudo, é o pior em 17 anos. O setor mais afetado é a indústria de transformação, que recuou 18,9% no estado principalmente devido à queda na fabricação de veículos automotores. A construção civil apresentou retração de 12% e o setor de serviços de 11,5%.

O estudo projeta que o PIB fluminense deve fechar 2020 com uma queda de 4,6%. Para 2021, a expectativa é de crescimento de 3,3% no cenário base, 1,8% no cenário pessimista e 4,3% no cenário otimista.

Edição: Aline Leal

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA