Momento Economia

SP: Enel prorroga suspensão do corte de energia por inadimplência

Publicados

em


.

A suspensão do corte do fornecimento de energia por inadimplência foi prorrogada até o dia 15 de setembro pela Enel Distribuição São Paulo. Até essa data a empresa continuará sem enviar os avisos de corte aos clientes que estiverem com pagamento atrasado. O objetivo é dar mais tempo para que os clientes possam negociar com a distribuidora o parcelamento das contas em aberto após a retomada da leitura.

Segundo a empresa, depois do recebimento do aviso de inadimplência, que virá impresso na conta de energia, o cliente terá ainda até 15 dias para negociar seus débitos, antes que o corte seja efetuado.

Mutirões de negociação

No último sábado (29) a Enel promoveu um mutirão para negociar as contas de energia na Zona Sul da capital paulista. Segundo a empresa, foram negociadas mil dívidas. “O sucesso da iniciativa de parcelamento presencial nos levou a organizar mais quatro mutirões em diferentes regiões da nossa área de concessão. Estamos sensíveis ao atual momento de perda de renda de muitas famílias e, com esses mutirões e com a suspensão do corte por mais 15 dias, queremos possibilitar que o cliente fique em dia com a distribuidora”, disse o diretor de Mercado da Enel Distribuição São Paulo, André Oswaldo.

Leia Também:  Mega-Sena sorteia prêmio acumulado de R$ 36 milhões neste sábado

No próximo sábado, dia 5 os atendimentos serão feitos nas Zonas Leste ( CEU Quinta do Sol, localizado no Parque Císper) Norte (CEU Jaçanã, no Jardim Guapira). Neste dia, os clientes também poderão trocar até quatro lâmpadas incandescente usadas por lâmpadas LED.

Para ser atendido é preciso marcar hora pelo site da companhia, clicar em Agende seu atendimento presencial, depois em Novo agendamento e em Fique em dia Enel.

De acordo com a empresa, as contas em atraso podem ser parceladas em até 12 vezes na própria fatura ou no cartão de crédito, sem juros. Além dos mutirões de atendimento aos sábados, o parcelamento pode ser realizado por meio do Aplicativo Enel SP, que pode ser baixado gratuitamente, pelo Portal de Negociação, pelo site da empresa, ou pelo Call Center (0800 72 72 120). Para os clientes que preferem ir às lojas, a companhia está oferecendo o atendimento com hora marcada pelo site.

No dia 12 de setembro os atendimentos serão na Zona Oeste e ABC, em local ainda não definido.

Leia Também:  Profissionais da cultura do Rio são cadastrados para renda emergencial de R$ 600

Edição: Valéria Aguiar

Propaganda

Momento Economia

Veja três nomes que podem substituir o secretário que vazou planos de Guedes

Publicados

em


source

Brasil Econômico

waldery
Gustavo Raniere / Ministério da Economia

Waldery Rodrigues, secretário especial da Fazenda, vazou para a imprensa os planos impopulares do ministro da Economia, Paulo Guedes

Em Brasília, três nomes são cotados para ocupar o cargo de serectário especial da Fazenda. O movimento se dá após  Waldery Rodrigues, secretário especial da Fazenda, vazar para a imprensa os planos impopulares do ministro da Economia, Paulo Guedes. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

A substituição de Waldery Rodrigues ainda deve demorar, já que ele é considerado um nome relevante para os trabalhos do ministério. Waldery é visto por Guedes como alguém importante tecnicamente, além de um servidor dedicado e leal.

Assim, mesmo tendo contado à imprensa sobre o plano de congelamento das aposentadorias, que gerou a indireta do “cartão vermelho” de Bolsonaro, Waldery não deve ser abruptamente demitido, na visão do ministério.

Mas outros pontos pesam para a demissão. Waldery já vinha sendo questionado sobre o desempenho de sua secretaria antes mesmo do episódio. Há uma visão no ministério que pensa que as falas de Waldery fizeram a equipe perder uma grande economia de recursos no Pacto Federativo, algo que estava a “um milímetro” de ocorrer. O congelamento de benefícios e aposentadorias do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) renderia R$ 17 bilhões em 2021, de acordo com o que próprio secretário havia comentado à imprensa.

Leia Também:  Atual secretário de Saneamento Pedro Maranhão é o entrevistado do iG de 3ª feira

Waldery agora deve entrar em um organismo internacional, como o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). O mandato dura cinco anos e o cargo é nos Estados Unidos, sendo um tipo de prêmio ao secretário após o trabalho prestado ao ministério.

Veja quem são os três nomes que podem substituir o secretário especial da Fazenda

Esteves Colnago, Jeferson Bittencourt e Bruno Funchal já atuam no governo e são vistos como possíveis substitutos na saída de Waldery, segundo apuração do jornal Folha de S.Paulo. Conheça os nomes.

Esteves Colnago
É assessor especial do ministro Paulo Guedes, cuidando principalmente do diálogo com o Congresso. Na pandemia, virou um dos principais interlocutores do ministro com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, enquanto os dois estavam afastados. Já foi secretário especial adjunto de Fazenda (sob Waldery).

Durante o governo Temer, tornou-se ministro do Planejamento após a saída do então chefe Romero Jucá (MDB-RR). É servidor de carreira (analista do Banco Central) e passou por diferentes funções na equipe econômica, inclusive no Tesouro e é mestre em economia pela UnB (Universidade de Brasília), especialista em contabilidade pública.

Leia Também:  Mega-Sena sorteia prêmio acumulado de R$ 36 milhões neste sábado

Jeferson Bittencourt
Também é assessor especial de Guedes e já foi secretário especial adjunto de Fazenda (sob Waldery). Já ocupou outros cargos no ministério, como diretor de programa, tendo passagens pelo governo do Rio Grande do Sul e pelo Tesouro Nacional, onde é servidor de carreira.

Como assessor econômico, atuou no setor privado como consultor e professor universitário. É economista e mestre em ciências econômicas pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

Bruno Funchal
É secretário do Tesouro Nacional desde julho, substituindo Mansueto Almeida, e antes foi diretor de programa na Secretaria Especial da Fazenda, acompanhando questões ligadas aos estados.

Foi secretário da Fazenda do Espírito Santo e um dos responsáveis pelo processo de ajuste das contas públicas. É doutor em economia pela FGV (Fundação Getulio Vargas), com pós-doutorado pelo IMPA (Instituto de Matemática Pura e Aplicada).

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA