Momento Educação

Inep divulga resultado da primeira etapa do Revalida 2022

Publicados

em

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou nesta quarta-feira (11) o resultado final da primeira etapa do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira (Revalida) 2022/1. Os participantes podem conferir se atingiram a pontuação necessária, por meio do Sistema Revalida.

A primeira parte do exame foi aplicada no dia 6 de março, em oito cidades. Também estão disponíveis as respostas sobre os recursos referentes aos resultados preliminares da prova discursiva. Os participantes que passaram nesta primeira etapa estão aptos a se inscrever na segunda a partir desta sexta-feira (13).

Os candidatos aprovados na prova teórica que reprovaram na parte prática das edições 2020 ou 2021 do Revalida também podem se inscrever diretamente na etapa de habilidades clínicas do Revalida 2022/1. A aplicação ocorrerá nos dias 25 e 26 de junho.

Revalida

Aplicado desde 2011 pelo Inep, o Revalida busca subsidiar a revalidação, no Brasil, do diploma de graduação em medicina expedido no exterior.

Leia Também:  Termina nesta sexta o prazo para pagamento da taxa de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio-Enem para quem não obteve isenção

O exame é composto por duas etapas (teórica e prática) que abordam, de forma interdisciplinar, as cinco grandes áreas da medicina: clínica médica, cirurgia, ginecologia e obstetrícia, pediatria e medicina da família e comunidade (saúde coletiva). Para participar da segunda etapa, é necessário ter sido aprovado na primeira, que contempla as provas objetiva e discursiva.

As referências do exame são os atendimentos no contexto de atenção primária, ambulatorial, hospitalar, de urgência, de emergência e comunitária, com base na Diretriz Curricular Nacional do Curso de Medicina, nas normativas associadas e na legislação profissional. O objetivo é avaliar as habilidades, as competências e os conhecimentos necessários para o exercício profissional adequado aos princípios e necessidades do Sistema Único de Saúde (SUS).

Quantidade de vezes que fez o Revalida Taxa de participação Taxa de aprovação em relação ao grupo por quantidade de vezes
1 vez 26,70% 20%
2 vezes 19,40% 7%
3 vezes 36,30% 4%
4 vezes 9,50% 5%
5 vezes 5,30% 4%
6 vezes 2,20% 2%
7 vezes 0,30% 4%
8 vezes 0,20% 27%
9 vezes 0,10% 0%
Leia Também:  Ministério da Educação comunica à Universidade Federal de Mato Grosso um bloqueio de mais de R$ 3 bi em seu orçamento para cumprir teto

Edição: Fábio Massalli

Propaganda

Momento Educação

Ministério da Educação comunica à Universidade Federal de Mato Grosso um bloqueio de mais de R$ 3 bi em seu orçamento para cumprir teto

Publicados

em

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) foi atingida, nesta sexta-feira (27) por um comunicado do Ministério da Educação (MEC) que anunciou um bloqueio de R$ 3,2 bilhões em seu orçamento.

A medida visa cumprir o teto de gastos estabelecido durante o governo Michel Temer (MDB) que impede que os gastos públicos cresçam mais do que a inflação.

Apesar da medida ainda não ter sido publicada NO Diário Oficial e, portanto, ainda ser passível de alterações, a expectativa da comunidade acadêmica é que o contingenciamento se torne real.

Com isso, as Universidades e Institutos Federais passarão a operar com um orçamento 14,5% menor do que o previsto para 2022.

No caso da UFMT, o comunicado do MEC foi recebido pelo pró-reitor de planejamento, Roberto Perillo Barbosa da Silva. A tendência é de que a publicação que oficializa o bloqueio deva ser publicada na próxima segunda-feira (30).

Como a Universidade trabalha com gastos obrigatórios, como a folha de pagamento e contratos, a perspectiva é de que os setores mais atingidos sejam os de pesquisa e extensão e os auxílios estudantis.

Leia Também:  Termina nesta sexta o prazo para pagamento da taxa de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio-Enem para quem não obteve isenção

“O que o governo federal está tentando fazer agora é cumprir essa emenda constitucional de uma forma abrupta, sem diálogo com as entidades e isso está sendo muito ruim porque o orçamento das Universidades foi aprovado pelos Conselhos superiores, por Comissões e agora tem menos de 10 dias para refazer o orçamento”, explica o conselheiro discente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da UFMT, Wesley da Mata. 

“A gente sabe que tem alguns itens que a Universidade não pode se dar ao luxo de não gastar e aí no final, as bolsas e auxílios dos estudantes é onde realmente acontecem os cortes”, completa.

 

Otavio Ventureli(da redação com assessoria)

 

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA