Momento Educação

Libras: professores da rede estadual de São Paulo poderão fazer curso

Publicados

em


O governo de São Paulo recebe, até a próxima quarta-feira (21), inscrições para o curso de Língua Brasileira de Sinais (Libras), que está sendo oferecido a profissionais que atuam na rede estadual de ensino. A atividade, programada para o período de 27 de outubro a 15 de dezembro, tem por objetivo promover a inclusão de pessoas com deficiência auditiva e surdez, por meio do aprimoramento da comunicação das equipes.

As vagas são destinadas a servidores de magistério, apoio escolar e da Secretaria da Educação, além de profissionais das redes municipais de ensino. Divididas em três módulos, as aulas totalizarão 40 horas e serão ministradas às terças e quintas-feiras, das 17h15 às 18h45, em ambiente virtual.

A ação é organizada pelas Secretarias dos Direitos da Pessoa com Deficiência e de Educação, por meio da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (Efape). Para realizar a inscrição e participar do curso, basta acessar o site da instituição: http://escoladeformacao.sp.gov.br/.

Conforme menciona o governo estadual, vivem, no estado de São Paulo, mais de 3 milhões de pessoas com deficiência. Ao todo, 14,49% delas têm deficiência auditiva.

Leia Também:  ABL lança projeto sobre curiosidades da língua portuguesa

Edição: Aécio Amado

Propaganda

Momento Educação

Alunos da rede estadual do Pará voltarão às aulas presenciais em 2021

Publicados

em


As aulas presenciais da rede estadual de ensino no Pará só serão retomadas em 2021. O comunicado foi feito na tarde desta terça-feira (27) pelo governador Helder Barbalho. Devido a pandemia de covid-19, as atividades presenciais foram suspensas no estado em 18 de março

Escola Presidente Costa e Silva em  Belém do ParáEscola Presidente Costa e Silva em  Belém do Pará

Escola Presidente Costa e Silva em Belém do Pará – Jader Paes/Agência Pará

Segundo o governo, a decisão visa assegurar a proteção da saúde e segurança da comunidade escolar no enfrentamento ao novo coronavírus, e é baseada “no conhecimento científico e nas recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS)”. O governador afirmou que espera que o retorno seja em um cenário no qual a vacina já seja uma realidade.

Segundo o governador, a decisão foi tomada em conjunto com a secretaria de educação para garantir a saúde e a proteção das pessoas. “Pensando em saúde e em proteger nossos alunos, a decisão acertada é que não haja o retorno das aulas presenciais, para que as escolas não venham a ser um ambiente de transmissão viral e que isto possa potencializar a circulação do vírus, colocando em risco a vida das pessoas e, eventualmente, colapsando o sistema de saúde.”

O governador afirmou que as aulas remotas seguem até o final de 2020 para os 575 mil estudantes da rede pública estadual de ensino. “Continuaremos com as aulas remotas e com as ações para os nossos alunos que estão concluindo o ensino médio e que estarão participando do Enem. Nossa plataforma digital está em funcionamento, a distribuição de chips para acesso a dados, da mesma forma.”

O coordenador geral Sindicato dos Trabalhadores e das Trabalhadoras em Educação Pública do Pará, Beto Andrade, disse que esta era uma demanda da categoria. “Essa é uma luta que o sindicato veio travando ao longo de todo este ano, contra o retorno sem as condições de segurança, sem as garantias de imunização, inclusive, de nossa categoria. Essa fala do governador vai ao encontro daquilo que temos defendido.”

Em todo o estado, desde 1º de setembro um decreto permitiu a volta às aulas nas escolas particulares.

Ouça na Radioagência Nacional.

Edição: Aline Leal

Leia Também:  Alunos da rede estadual do Pará voltarão às aulas presenciais em 2021
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA