Momento Educação

Professores e as lições da pandemia é o tema do Caminhos da Reportagem

Publicados

em


“Eu sinto falta do contato, do cheiro, do abraço”. Essa afirmação é da professora Jackelyne Morais e abre o programa Caminhos da Reportagem de hoje (18), às 20h, na TV Brasil, que marca o Dia do Professor, comemorado no dia 15 deste mês. A pandemia do novo coronavírus modificou a rotina de vários profissionais e com os educadores não foi diferente. Quase que de um dia para o outro, a sala de aula foi substituída pela tela do computador, e professores se viram diante de um desafio inédito: o fechamento das escolas públicas e particulares, que afetou, só no Brasil, 44 milhões de crianças e adolescentes.

Esse fechamento, no entanto, não representou o fim das atividades escolares. Pelo contrário. Levantamento feito pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) mostrou que 96% das redes municipais ofereceram atividades não presenciais, online e offline. “O primeiro ponto que a gente tem que falar é sobre a força e a coragem dos docentes que assumiram, com muita coragem, num momento histórico, o seu papel de continuar vinculados aos estudantes, ainda que a distância” afirma a educadora Gina Vieira, que tem quase 30 anos de sala de aula.

O início não foi fácil. Valéria Barbosa, que dá aulas para o quinto ano em uma escola do Distrito Federal, conta que começar a dar aulas virtuais “gerou muita angústia, muita aflição”. Com o passar dos meses e o aumento da intimidade com a tecnologia, ela conseguiu se adaptar bem e comemora o envolvimento e a evolução de alguns alunos. “Tem uma aluna que foi assim como uma flor, ela desabrochou. É a primeira a responder, quer ler. É uma gracinha”, relata a professora.

Leia Também:  Correios e MEC preparam a entrega de 197 milhões de livros didáticos

Mesmo com exemplos positivos, a pandemia revelou uma faceta da desigualdade social: nem todos os estudantes têm acesso à internet para a realização das atividades. A professora Valéria envia, semanalmente, tarefas impressas para que ninguém fique sem estudar. Ainda assim, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), em todo o Brasil 9% dos estudantes estão sem nenhum tipo de atividade escolar durante esse período. “O nosso objetivo é não perder esse aluno, que ele não saia da escola porque está longe”, torce o professor de biologia do Rio de Janeiro, Félix Hermínio.

A pandemia revelou a desigualdade de acesso à internetA pandemia revelou a desigualdade de acesso à internet

Pandemia revela desigualdade de acesso à internet – Caminhos da Reportagem/TV Brasil

 

Impacto emocional

O cenário de pandemia, somado à preocupação com os alunos e à adaptação aos formatos digitais, mexeu com as emoções dos docentes. Pesquisas mostram que os principais sentimentos dos educadores durante a pandemia foram a ansiedade, cansaço, sobrecarga e o estresse – 65% dos professores entrevistados pela Fundação Carlos Chagas sentiram a carga de trabalho aumentar durante esses meses. “Acho que é muito importante ter a consciência que o professor, assim como cada um de nós, está imerso nessa pandemia com os mesmos dramas, as mesmas dificuldades. Ali não é uma máquina, não é um software, não é um aplicativo, o professor é gente”, afirma o presidente da Undime, Luiz Miguel Garcia.

Leia Também:  MEC discute novas formas de avaliar ensino superior

No programa desta semana, vamos mostrar como os professores conseguiram se reinventar em tão pouco tempo e se empenharam para que os alunos não perdessem o ano letivo. “A gente não pode desistir”, afirma Jackelyne. “Porque o tempo da criança é aquele, ela só vai ter oito anos uma vez, ela só vai passar por aquela etapa uma vez”, complementa. Também vamos mostrar como foi a volta às aulas em Manaus e discutir quais lições e legados podem ficar dessa pandemia.

Veja na TV Brasil, logo mais às 20h: 

Edição: Graça Adjuto

Propaganda

Momento Educação

Correios e MEC preparam a entrega de 197 milhões de livros didáticos

Publicados

em


Os Correios e o Ministério da Educação iniciaram hoje (22) operações logísticas para a distribuição de livros e materiais paradidáticos do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). Ao todo, serão entregues 197 milhões de livros em todos os 5.570 municípios do país, o que corresponde a cerca de 80 mil toneladas de carga.

Em solenidade fechada ocorrida no Centro de Distribuição Oeste dos Correios, em Brasília, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, destacou o papel dos livros “com conteúdo sério” para mudar a educação no país. “Esses livros certamente nos ajudarão a compor esse objetivo”, disse ele por meio de nota divulgada pelos Correios após o evento.

Os Correios participam do Programa Nacional do Livro Didático desde 1994. No ciclo 2019/2020, a empresa entregou mais de 90 mil toneladas de carga para 140 mil escolas.

Edição: Maria Claudia

Leia Também:  Correios e MEC preparam a entrega de 197 milhões de livros didáticos
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA