Momento Esportes

Aline Pellegrino quer mapear realidade do futebol feminino

Publicados

em


.

Responsável pela coordenação de competições femininas da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), novo cargo da entidade, Aline Pellegrino quer entender a realidade de cada uma das federações do país. Segundo a ex-zagueira e capitã da seleção brasileira, adotar uma mesma estratégia para impulsionar a modalidade nos diferentes estados seria contraproducente.

“Eu tenho feito uma analogia com os campeonatos, em que temos as divisões. Talvez, precisemos dividir as federações, cada uma no seu momento, quais delas se aproximam. A ideia seria mapear bem as 27 federações e entender como a CBF pode se aproximar delas, conhecer os processos e pensar junto em estratégias. Se cada uma avançar naquilo que tem de melhor, com certeza o todo avança”, disse Aline, nesta terça-feira (8), durante entrevista coletiva por videoconferência, que marcou a despedida dela da Federação Paulista de Futebol (FPF), na qual atuou desde 2016.

“Acho que antes delas [federações] entenderem o que a confederação quer, a gente precisa entender o que elas querem e podem. Como pensam o futebol feminino? Sabemos das realidades diferentes e que há limitações. Obviamente, nem tudo a gente conseguirá suprir, então, tem que explicar o porquê e trabalhar junto para que, daqui a um ou dois anos, isso seja possível”, completou.

Na CBF, Aline será responsável pelos Campeonatos Brasileiros femininos sub-16 e sub-18, além das divisões nacionais adultas (Séries A1 e A2). Apesar de alguns elencos terem atletas com carteira assinada, a dirigente entende que a profissionalização das competições propriamente ditas é questão para outro momento.

Leia Também:  Após imbróglio judicial, Palmeiras e Flamengo empatam em 1 a 1

“A gente busca [oferecer] a atividade diária profissional às atletas e que elas tenham estrutura. Na profissionalização, quando se pensa de forma macro, a gente fala de jogos com venda de ingressos, com Estatuto do Torcedor, e isso aumenta muito a régua. Precisamos entender se os clubes que disputam estão preparados para isso. A gente não precisa ter pressa. Precisamos construir de forma sólida. A nossa legislação fala em futebol profissional e amador. É difícil falar às pessoas que há um semi-profissionalismo”, explicou a ex-zagueira.

“Precisamos ter muito cuidado e entender o que queremos primeiro. Se queremos [que as jogadoras tenham] uma carteira profissional, que sejam bem assistidas, com planos de saúde e bons campos de treino, a gente, não necessariamente, precisa dar um passo maior”, emendou.

Na segunda-feira (7), Aline acompanhou a vitória do Corinthians por 4 a 1 sobre o Cruzeiro, no Parque São Jorge, na conclusão da sétima rodada da Série A1 do Brasileiro Feminino. Na ocasião, a dirigente esteve com as responsáveis pela modalidade nos dois clubes: Cris Gambaré, do Timão, e Bárbara Fonseca, da Raposa.

Leia Também:  Flamengo e Palmeiras duelam após decisão do TST favorável à CBF

“A conversa com a Bárbara foi muito importante, assim como será com outros clubes. Vou tentar rodar o máximo possível, estar pessoalmente com as equipes, no campo de jogo, e com os gestores. Estou no cargo para somar, buscar um legado além da parte operacional. É levar a realidade do futebol feminino [à confederação], fazer esse link com clubes e federações, como cada um caminha na estrutura que tem”, concluiu Aline.

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Propaganda

Momento Esportes

Série C: Santa Cruz e Jacuipense-BA empatam no Arruda

Publicados

em


Pela 8ª rodada da Série C do Campeonato Brasileiro, Santa Cruz e Jacuipense-BA empataram em 3 a 3, nesta segunda (28) no Estádio Arruda, em Recife. Com o resultado, os pernambucanos mantiveram a ponta do grupo A da competição com 15 pontos, já os baianos estão em sexto lugar com 10 pontos, mas com um jogo a menos.

Na primeira etapa, os visitantes saíram na frente. Aos 18 minutos, Railan acertou o ângulo do adiantado goleiro Maycon Cleiton. O gol do empate Tricolor veio aos 26 com Mayco Félix, de cabeça, após cobrança de escanteio. A virada Cobra Coral saiu aos 47, novamente com Mayco Félix, num certeiro peixinho.

O segundo tempo continuou animado. Aos 21, Dinei cabeceou para empatar a partida. A virada baiana também sairia dos pés de Dinei. Praticamente no fim do duelo, aos 44, Toty aproveita cruzamento de Tinga e empata para o Santa.

Leia Também:  Após imbróglio judicial, Palmeiras e Flamengo empatam em 1 a 1

O Santa Cruz agora vai no próximo domingo (4) a Fortaleza para enfrentar o Ferroviário. Já o Jacuipense recebe o Vila Nova na próxima segunda-feira (5).

Veja a classificação atualizada da Série C do Brasileiro.

Edição: Fábio Lisboa

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA