Momento Esportes

Brasil encerra Pan de Ginástica de Trampolim com nove medalhas

Publicados

em

O Brasil encerrou nesta terça-feira (28) a participação no Campeonato Pan-Americano de Ginástica de Trampolim, realizado na Arena 1 do Parque Olímpico da Barra, no  Rio de Janeiro, com a conquista de nove medalhas, sendo três de ouro.

O grande destaque da equipe brasileira foi Camilla Gomes, que garantiu duas medalhas douradas, uma no trampolim individual e outra no trampolim sincronizado ao lado de Alice Hellen. A terceira atleta do país a ficar no lugar mais alto do pódio foi Gabriela Cordeiro, campeã no trampolim individual categoria juvenil.

“Estou muito feliz. Minha primeira vez em um Pan-Americano, uma competição assim como essa, e é muito legal. Hoje contamos com o apoio da torcida, teve bastante gente aqui torcendo, eu até fiquei um pouquinho nervosa, mas estou super feliz”, declarou Gabriela à assessoria da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG).

Leia Também:  Brasil alcança final do Sul-Americano de basquete feminino

Além das três medalhas douradas o Brasil terminou a competição com mais quatro pratas – no trampolim por equipes feminino (com Camilla Gomes, Alice Hellen, Ana Luiza Pereira Soares e Maria Luiza França Lopes Oliveira), no trampolim individual feminino (com Alice Hellen), no trampolim individual masculino juvenil (com Arthur Antunes Ferreira) e no trampolim individual feminino juvenil (com Alice Reis Albuquerque) – e dois bronzes – no trampolim individual masculino juvenil (com Marcos Paulo) e duplo-mini juvenil (com João Guilherme Silva).

Na opinião do coordenador geral da CBG, Henrique Motta, o evento foi de grande importância para o desenvolvimento da modalidade no país: “Esse evento é fundamental para o desenvolvimento esportivo da ginástica brasileira. É o segundo ano seguindo que a gente faz no Brasil e é muito importante para a modalidade dar a oportunidade desses jovens atletas e também aos mais experientes de estarem competindo em casa e ao mesmo tempo com porte internacional. Eles conseguem se preparar para as principais competições que têm ao longo da temporada de 2022 e do ciclo olímpico de Paris. O saldo esportivo, sem dúvida, é 100%”.

Leia Também:  Brasil reafirma hegemonia no Sul-Americano de Basquete Feminino

Edição: Fábio Lisboa

Fonte: EBC Esportes

Propaganda

Momento Esportes

No Mundo da Bola chega à edição 500 com Zico e Edu dividindo histórias

Publicados

em

O programa No Mundo da Bola, da TV Brasil, comemorou a marca de 500 edições neste domingo (7) com uma escalação estrelada. Participaram do debate os irmãos Zico e Edu, ex-craques do futebol brasileiro, além de Zenon, campeão brasileiro com o Guarani na década de 70. Eles acompanharam o apresentador Sérgio Du Bocage e o comentarista Márcio Guedes. A atração separou alguns depoimentos ainda não exibidos, como a entrevista que Edu deu ao quadro ‘Os Setentões’ em que contou uma história de quando travou, sem querer, o carro do irmão quando ele jogava na Itália. Zico relembrou, aos risos, a situação inusitada.

“Era um domingo, não tinha ninguém na rua em Udine. Um fã da Udinese pegou a gente e levou para casa. O carro ficou lá no mesmo lugar por uns quatro dias até que alguém conseguisse destravar”, revelou o Galinho.

Programa No Mundo da Bola, programa 500, MNDB Programa No Mundo da Bola, programa 500, MNDB

Programa No Mundo da Bola, programa 500, MNDB – Carlos Colla/Direitos Reservados

Em outro material, originalmente preparado para o quadro ‘Álbum da bola’, Zico, maior artilheiro da história do Maracanã, com 334 gols, demonstrou que a autoconfiança foi elemento fundamental para o sucesso na carreira. 

‘Eu sei o caminho da trave, já nasci com esse carimbo. Dentro da área, bobeou [o Zico] guardou’ , disse o craque em trecho do quadro. 

Os participantes também responderam à pesquisa da semana, sobre quais times brasileiros avançarão nos duelos caseiros das quartas da Libertadores (Flamengo x Corinthians e Palmeiras x Atlético-MG). Os convidados foram unânimes em apontar Flamengo e Palmeiras como favoritos a alcançarem as semifinais.

“É chover no molhado”, disse Zenon, que também revelou estar honrado por participar da edição número 500 do No Mundo da Bola. “Saudades do Alberto Léo. Estou me sentindo muito emocionado”, revelou o ex-jogador, referindo-se ao jornalista, ex-apresentador do No Mundo da Bola, que faleceu em junho de 2016.

Fonte: EBC Esportes

Leia Também:  Em 2ª final no Mundial, Isaquias sai atrás, mas reage e garante prata
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI