Momento Esportes

Covid-19: com subida de casos, São Petersburgo endurece regras na Euro

Publicados

em


As autoridades de São Petersburgo estão endurecendo as restrições agora que a cidade russa recebe torcedores de futebol estrangeiros para partidas do Campeonato Europeu mesmo registrando um número crescente de casos de covid-19.

A Rússia registra um salto recente de casos do novo coronavírus ao mesmo tempo em que continua a sediar grande eventos internacionais, e suas duas maiores cidades estão anunciando medidas adicionais para conter a pandemia.

“Estamos contentes de dar as boas-vindas a torcedores de futebol de cidades e países diferentes”, disse Alexander Beglov, o governador de São Petersburgo, em um comunicado na noite deste domingo (13) . “Infelizmente, descobriu-se que um número considerável de pessoas está negligenciando exigências de segurança durante os primeiros eventos públicos ligados à Euro 2020”.

São Petersburgo, que sediará sete partidas da Euro 2020, incluindo uma das quartas de final, está autorizada a ocupar 50% de seu estádio. Beglov disse que limitar o número de torcedores não teria nenhum efeito se máscaras fossem usadas na entrada do estádio, mas descartadas nas arquibancadas.

Leia Também:  Neozelandesa faz história como primeira atleta olímpica transgênero

Autoridades municipais disseram que fecharão a maioria das praças de alimentação, ordenarão que os restaurantes fechem entre 2h e 6h e limitarão o número de pessoas autorizadas a participar de eventos públicos em locais fechados e a céu aberto a partir de quinta-feira.

Os organizadores da área dos torcedores da cidade disseram ter comprado 10 mil máscaras médicas adicionais para distribuir aos visitantes. Os serviços de entrega na área dos torcedores fecharão a partir de quinta-feira, mas bebidas continuarão a ser vendidas, disseram autoridades municipais.

Propaganda

Momento Esportes

Hassan inicia busca por 3 ouros em Tóquio com vitória nos 5.000 metros

Publicados

em


A holandesa Sifan Hassan conseguiu o que se espera ser o primeiro de uma trinca inédita de ouros nas pistas de corrida dos Jogos de Tóquio, e a sequência impressionante de vitórias do Quênia na corrida com obstáculos masculina terminou quando o sol escaldante deu lugar a uma chuva torrencial nas competições olímpicas de atletismo na capital japones, nesta segunda-feira (2).

As condições do clima atrasaram as provas de atletismo, e Valarie Allman acabou vencendo a prova feminina do disco no primeiro lançamento — um improvável primeiro ouro para os Estados Unidos nesta modalidade nos Jogos.

Se Hassan obtiver sua trinca notável nos 1.500 m, 5.000 m e 10.000 m, ninguém poderá dizer que foi fácil para ela, que começou o dia caindo na última volta das eliminatórias dos 1.500 m, levantando-se e disparando para a primeira colocação da bateria.

Turbinada com cafeína, ela voltou à pista de noite e dominou os 5.000 m, correndo junto com as concorrentes no início e engatando sua característica disparada na última volta. A queniana Hellen Obiri a segurou durante meia volta, mas ficou para trás e teve que se contentar com uma segunda prata seguida.

Leia Também:  Paulo André decide vaga na final olímpica dos 100 m neste domingo

Hassan voltará aos 1.500 metros para disputar a semifinal, e também buscará o ouro nos 10.000 m, prova na qual já foi recordista mundial e que fechará sua participação na Olimpíada.

“Foi um dia incrível. Quando caí e tive que me levantar, senti que estava usando muita energia”, disse. “Antes da corrida aqui, eu nem me importava. Estava muito cansada. Sem café, nunca seria uma campeã olímpica”.

Na corrida com obstáculos, as únicas ocasiões em que o Quênia não ganhou o ouro desde 1968 foram quando boicotou os Jogos de 1976 e 1980, e o país buscava seu 10º título olímpico consecutivo na prova nesta segunda-feira.

No entanto, o tabu foi finalmente quebrado, enfaticamente, com o marroquino Soufiane El Bakkali levando o título.

100 m com barreiras e salto em distância 

A sessão da manhã produziu ainda sua cota de emoções e arrepios quando Jasmine Camacho-Quinn, de Porto Rico, conquistou de forma impressionante a vitória nos 100 m com barreiras – o primeiro ouro no atletismo de seu país – e Miltiadis Tentoglou, da Grécia, ganhou o salto em distância masculino com seu salto final, a primeira medalha de seu país no evento.

Leia Também:  Neozelandesa faz história como primeira atleta olímpica transgênero

O salto de 8,41 metros de Tentoglou colocou-o no mesmo nível do cubano Juan Miguel Echevarria, mas seu próximo melhor resultado foi superior, garantindo o ouro.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA