Momento Esportes

Cruzeiro anuncia Felipão como novo técnico

Publicados

em


O Cruzeiro anunciou na noite desta quinta-feira (15) a contratação do técnico Luiz Felipe Scolari para a sequência da disputa da Série B do Campeonato Brasileiro.

O treinador, de 71 anos, acertou com a Raposa até o final de 2022 e chega para ocupar a vaga de Ney Franco, demitido no último domingo, após empate sem gols com o Oeste que manteve o time mineiro na vice-lanterna da competição.

Na nota na qual anunciou o acerto com Felipão, o Cruzeiro destacou o “currículo extremamente vitorioso, com 27 títulos conquistados ao longo da carreira”.

O treinador já venceu títulos como Copa do Mundo (2002), Copa das Confederações (2013) Copa Libertadores (1995 e 1999), Recopa Sul-Americana (1996), Campeonato Brasileiro (1996 e 2018), Copa do Brasil (1991, 1994 e 2012), Liga Chinesa (2015, 2016 e 2017) e Liga Uzbeque (2009).

Leia Também:  Coluna - Primeiro mergulho

Esta não é a primeira passagem de Felipão pelo Cruzeiro. Ele já dirigiu a equipe entre os anos de 2000 e 2001 em 75 partidas, somando 40 vitórias, 23 empates e 12 derrotas. Naquela oportunidade ele conquistou a Copa Sul-Minas do ano de 2001.

Veja a classificação atualizada da Série B do Brasileiro.

Edição: Fábio Lisboa

Propaganda

Momento Esportes

Basquete: morre Marlene Bento, da seleção entre os anos 50 e 70

Publicados

em


Faleceu em Niterói-RJ, aos 82 anos, Marlene José Bento, ex-capitã da Seleção Brasileira de Basquete FemininoFaleceu em Niterói-RJ, aos 82 anos, Marlene José Bento, ex-capitã da Seleção Brasileira de Basquete Feminino

Marlene José Bento, ex-capitã da Seleção Brasileira de Basquete Feminino – Divulgação/CBB/Direitos Reservados

Nesta terça-feira (27), o basquete brasileiro está de luto. Aos 82 anos, morreu Marlene José Bento, ex-capitã da seleção nacional. Pivô, a atleta fez parte da geração vitoriosa que fez muito sucesso entre as décadas 50 e 70. Ganhou cinco medalhas em jogos Pan-Americanos (bronze em 1955, prata em 1959 e 1963 e o ouro em 1967 e 1971) e participou da histórica conquista do bronze no Mundial de 1971, disputado em São Paulo.

Ela foi contemporânea de Heleninha, Nilza, Norminha e Maria Helena Cardoso. “A Marlene jogou comigo desde o meu início na seleção em 1957. Foram mais de 50 anos de convivência. Na época, ela era a mais alta. Bastante forte, reboteira. Uma líder com muita personalidade. Trabalhava sempre de forma coletiva. A gente se dava muito bem. Estou muito triste mesmo com a morte dela. Tinha conversado com ela há menos de um mês. Ela ficou muito feliz. Foi uma despedida. Mas essa notícia, realmente, me pegou de surpresa. Lamento muito mesmo. Foi uma grande amiga e merece todas as homenagens”, disse a ex-jogadora e treinadora da seleção brasileira, Maria Helena Cardoso. 

Depois de se aposentar como atleta, Marlene tornou-se técnica e foi uma das responsáveis por revelar a ex-jogadora Hortência, um dos maiores talentos que o basquete nacional já teve. “Uma homenagem e todo meu agradecimento a minha primeira técnica de basquete, a Marlene! Virou uma estrela”, disse a campeã mundial e medalhista de prata olímpica por meio do seu perfil no Twitter.

Marlene nasceu no Rio de Janeiro em 1938 e morreu em Niterói. A família não revelou a causa da morte. Nos clubes, ela começou a carreira no Clube do Sargento, depois passou por Botafogo, Flamengo e São Caetano. Além das conquistas com o uniforme verde e amarelo, venceu os Sul-Americanos de 1958, 1965, 1967, 1968 e 1970.

Edição: Fábio Massalli

Leia Também:  Brasileiro: Coritiba anuncia saída do técnico Jorginho
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA