Momento Esportes

Eric Granado corre para ser primeiro campeão mundial do país na moto

Publicados

em


O fim de semana pode ser histórico para o esporte a motor brasileiro. No sábado (18) e no domingo (19), Eric Granado disputa as duas últimas etapas da temporada 2021 da MotoE, categoria das motos elétricas, com a possibilidade de ser o primeiro piloto do país a ser campeão mundial na motovelocidade.

O paulista de 25 anos ocupa o segundo lugar na classificação, com 73 pontos, a sete do italiano Alessandro Zaccone, que lidera o campeonato, e um ponto a frente do espanhol Jordi Torres, atual campeão, que aparece em terceiro. O suíço Dominique Aegerter é o quarto, com 69 pontos. Os 15 primeiros colocados da prova somam pontos, sendo que o vencedor leva 25 pontos. O pole position (piloto que larga na primeira posição) e o responsável pela melhor volta da corrida recebem pontos de bonificação.

“A expectativa está muito boa. Fizemos uma ótima temporada, fui rápido em todos os circuitos e estou muito confiante. Feliz de chegar com ótimas possibilidades de brigar pelo título. É a primeira vez que consigo”, celebrou Granado à Agência Brasil.

As duas provas valem pelo Grande Prêmio de San Marino e Riviera e de Rimini, no circuito de Misano (Itália). Neste sábado, a corrida inicia às 11h20 (horário de Brasília). No domingo, a largada será às 10h30.

Leia Também:  Série D: Campinense-PB faz 1 a 1 com Atlético-CE em semi fora de casa

“Em relação à estratégia, temos de ir por partes. A primeira prova será muito importante para sabermos as possibilidades reais de domingo e pensarmos em uma estratégia diferente, começarmos a usar a calculadora. Tudo pode acontecer. O mundo ideal é terminar [sábado] na frente deles [Zaccone, Torres e Aegerter]. O objetivo é manter a mesma linha de trabalho e pontuar. Serão dois dias bem diferentes. Corridas curtas, alto nível, outros pilotos brigando no bolo da frente. Serão dois dias muito intensos”, projetou o brasileiro.

Apesar da vice-liderança, Granado tem motivos para acreditar na virada. Após cinco provas, o paulista é o piloto com mais vitórias (duas), poles (quatro) e voltas mais rápidas (quatro) na temporada. O brasileiro esteve no pódio nas últimas duas etapas, ao vencer o Grande Prêmio da Holanda, em Assen, e chegar em segundo no da Áustria, em Spielberg, reduzindo de 28 para sete pontos a diferença para o líder Zaccone. Ele só não pontuou no Grande Prêmio da Catalunha, em Barcelona (Espanha), terceira corrida da competição, devido a um problema elétrico na largada.

“Foi a corrida que mais me doeu. O problema técnico não depende de ninguém, a máquina é que falha. Foi a que mais prejudicou. Mas as estatísticas são boas, favoráveis. Levo como motivação, de saber que posso ser o mais rápido e que, neste fim de semana, vou continuar na mesma linha para somar o máximo de pontos possíveis”, comentou o piloto.

Se levar o título no fim de semana, Granado entra em um seleto grupo de brasileiros campeões mundiais nos esportes a motor, atualmente composto por pilotos do automobilismo, como Ayrton Senna, Nelson Piquet e Emerson Fittipaldi, todos da Fórmula 1. O último a ingressar na lista foi Lucas di Grassi com o título da Fórmula E (categoria de carros elétricos) em 2017.

Leia Também:  Seleção feminina arranca empate em 2 a 2 com Austrália em 2º amistoso

Na motovelocidade, Alex Barros foi o brasileiro que chegou mais perto de conquistar o mundo. Entre 2000 e 2002, e em 2004, o paulista terminou a categoria hoje conhecida como MotoGP, a mais importante do Mundial da modalidade, na quarta posição.

“Sei que [o título da MotoE] é algo importante para nosso esporte no Brasil. Isso dá uma motivação extra, saber que há muita gente torcendo e apoiando. Na real, não penso muito nisso [tamanho do possível feito]. Quero pensar mais no meu trabalho. Se voltar para casa no domingo com a certeza de que fiz o melhor e que ele foi suficiente para vencer, a missão estará concluída”, disse Granado.

“A única certeza é que estarei com a bandeira do Brasil [na moto]. Sempre sonhei poder comemorar um título com a bandeira, como vi várias vezes, em documentários, o Senna e outros pilotos que representam o país fazerem. O que mais penso é em como ser competitivo neste fim de semana e levar o resultado para casa”, concluiu o brasileiro.

Edição: Fábio Lisboa

Propaganda

Momento Esportes

Seleção feminina arranca empate em 2 a 2 com Austrália em 2º amistoso

Publicados

em


A seleção brasileira feminina de futebol arrancou um empate em 2 a 2 com a Austrália, na manhã desta terça-feira (26), no segundo e último amistoso preparatório, na capital Sidney. O time comandado pela técnica suiça Pia  Sundhage, que perdera o primeiro confronto no sábado (3 a 1),  saiu atrás no marcador hoje, mas se recuperou na etapa final, com gols de Érika e Debinha.

As “Matildas” colocaram pressão no início e aos 10 minutos, após cobrança de escanteio, Polkinghorne acertou um chute de primeira e abriu o placar no Western Sydney Stadium . O gol das anfitriãs não abalou a equipe brasileira que foi para o ataque e teve boas chances de empatar ainda na primeira etapa. Aos 19 minutos: após linda jogada individual, Adriana chutou forte, entre três marcadoras, mas a bola explodiu na trave. Na sequência foi a vez de Kerolin, que disparou pela direita, antes de mandar um chute cruzado que a goleira Willians defendeu. 

Leia Também:  Duelo Náutico x Vasco pode definir destino das equipes na Série B

Na segunda etapa, as anfitriãs voltaram com mais intensidade e quase ampliaram aos quatro minutos, com um chute na trave de Fowler. Na sequência, San Kerr recebeu passe de Carpenter pela direita, se livrou da marcação e fez o segundo das australianas. 

A partir daí, as brasileiras despertaram e passaram a pressionar as rivais no seu campo de defesa. Aos 19 minutos, Marta cobrou escanteio pela esquerda, na medida para Erika fazer de cabeça e descontar para o Brasil. Seis minutos depois, saiu o empate após bela jogada que começou com Julia Bianchi. Ela avançou  pela esquerda, tocou para Tamires que soltou uma bomba. A goleira Willians tentou a defesa, mas deu rebote, que Debinha aproveitou para deixar tudo igual no Western Sydney Stadium.

Ao final do último amistoso, Marta avaliou o desempenho da equipe nas duas partidas.

“Acho que muita coisa legal vem por aí. É um momento de renovação, quando estamos tendo a oportunidade de jogar com meninas novas, algumas sem tanta experiência internacional. Hoje foi um grande jogo e acredito até que, se tivéssemos um pouco mais de tempo, iríamos virar a partida”, disse a meia-atacante.

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Leia Também:  Série D: Aparecidense-GO vence ABC-RN de virada e fica perto da final

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA