Momento Esportes

Ítalo Ferreira é ouro em Tóquio e 1º campeão olímpico no surfe

Publicados

em


O brasileiro Ítalo Ferreira tirou onda, ou melhor, dominou as ondas na Praia de Tsurigasaki, onde ocorreram as disputas do surfe na Olimpíada de Tóquio (Japão). O potiguar conquistou na madrugada desta terça-feira (27) a primeira medalha de ouro  do surfe, modalidade estreante nos Jogos Olímpicos. Atual campeão mundial, Ítalo dominou a final contra o japonês Kanoa Igarashi, vencendo  por 15.14 a 6.6. A medalha de bronze ficou com o australiano Owen Wright, que venceu o brasileiro Gabriel Medina por 11.97 a 11.77 na disputa pelo pódio.

“Muito feliz. Foi um dia incrível, especial, trabalhei muito para isso e acreditei. É incrível.”, disse Ítalo ao site do Comitê Olímpico Brasileiro (COB)

Moradores de Baía Formosa (RN), cidade Natal do campeão, comemoraram o primeiro ouro para o país em Tóquio.

Na estreia da competição, Ítalo liderou a primeira bateria, com o somatório de pontos de 13.67. Com esta pontuação, ele ficou à frente do japonês Hiroto Ohhara (11.40), do italiano Leonardo Fioravanti (9.43) e do argentino Lele Usuna (8.27).

Leia Também:  Caxias-RS abre vantagem sobre União-MT pelas oitavas da Série D

Classificado para as oitavas de final, o brasileiro derrotou o neozelandês Billy Stairmand por 14.54 a 9.67. Nas quartas, ele voltou a encarar o japonês Hiroto Ohhara, que esteve presente na bateria inicial. Ítalo mais uma vez levou vantagem, e derrotou o oponente por 16.3 a 11.9.

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Propaganda

Momento Esportes

Uefa pede afastamento de juiz de Madri de processo sobre Superliga

Publicados

em


A Uefa pediu que o juiz de Madri encarregado do caso da Superliga Europeia se abstenha e também apelou em um tribunal superior da capital espanhola devido ao que classificou como “irregularidades consideráveis”.

Na segunda-feira (27), a Uefa disse que anulou uma ação disciplinar contra os clubes da liga rebelde, Real Madrid, Barcelona e Juventus, depois que uma corte de Madri determinou em julho que a entidade reguladora do futebol europeu não deveria puni-los.

A Uefa havia iniciado um inquérito sobre os três times, mas em junho o suspendeu depois de ser notificada por autoridades suíças a respeito de uma ordem judicial do tribunal madrilenho obtida pela entidade legal Companhia da Superliga Europeia SL, criada pelos times rebeldes.

Leia Também:  Marcus D'Almeida é vice-campeão do Mundial de tiro com arco

É improvável que o caso leve à ressurreição imediata da liga alternativa, que enfrentou críticas duras de torcedores, dirigentes do futebol e políticos, mas força a Uefa a se defender de acusações ligadas à lei de concorrência, o que pode ter um impacto em qualquer tentativa futura.

Embora a Uefa diga que não reconhece a jurisdição do 17º Tribunal Mercantil de Madri, esta corte também pede que o Tribunal Europeu de Justiça analise se a Uefa violou a lei de concorrência da União Europeia com suas ações no caso da Superliga.

Juventus, Barcelona e Real Madrid são os únicos dos 12 times iniciais que se filiaram à liga rebelde em abril, que desmoronou quando seis clubes ingleses, a Inter de Milão, o Milan e o Atlético de Madri recuaram.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA