Momento Esportes

Tóquio: top 10, Sátila tem melhor resultado do país na canoagem slalom

Publicados

em


O Brasil começou bem a madrugada desta quinta-feira (30) com a atleta Ana Sátila chegando pela primeira vez na história à uma final olímpica da canoagem slalom. A medalha na prova da canoa (C1) nos Jogos de Tóquio (Japão) não veio: a mineira terminou na 10ª posição (tempo de 164s71), após ser punida por não ter cruzado uma das 25 balizas do circuito. O ouro ficou com a australiana Jessica Fox (105s04), a prata com a britânica Mallory Franklin (108s68) e o bronze com a alemã Andrea Herzog (111s13). 

Mesmo fora do pódio, Sátila também protagonizou outro feito inédito: tornou-se a única mulher do país a brigar por medalhas na modalidade. O Brasil conta ainda com Pepê Gonçalves, classificado para a semifinal no caiaque (K1) às 2h (horário de Brasília) desta sexta (30). A final do K1 será na sequência, às 4h. 

“Estava me sentindo tão preparada. Antes eu estava muito feliz de fazer a final, de ser a primeira mulher, de estar entre as dez melhores dos Jogos Olímpicos. E eu dei o meu melhor. A penalidade que tive foi tentando alcançar a medalha. Sabia que já tinha cometido alguns erros e tentei melhorar, mas a penalidade me custou muito. Estou muito decepcionada”, lamentou Sátila logo após a prova, em depoimento ao site da Confederação Brasileira de Canoagem 

Para se classificar à final, Sátila se classificou em terceiro lugar (114,27) na semifinal, ficando à frente, inclusive, da britânica Mallory Franklin (117s75) e Andrea Herzong (tempo de 112s61, mas com duas penalidades), que horas depois, na final, ficaram em segundo e terceiro lugares, com prata e bronze, respectivamente.

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Leia Também:  Medalhista paralímpico enfrenta desafio em ação solidária

Propaganda

Momento Esportes

Tênis de mesa: Hugo Calderano conquista maior título da carreira

Publicados

em


O brasileiro Hugo Calderano fez história neste sábado (25) ao conquistar o WTT Star Contender de Doha (Catar), primeiro torneio do circuito mundial de tênis de mesa após a Olimpíada de Tóquio (Japão). Na final, o carioca de 25 anos, número oito do ranking da Federação Internacional da modalidade (ITTF, sigla em inglês), venceu o esloveno Darko Jorgic (25°) por 4 sets a 2 (11/5, 6/11, 10/12, 11/9, 11/3 e 11/9).

Foi o primeiro título de Calderano em um torneio de nível Star Contender pela WTT (sigla para World Table Tennis), criada pela ITTF para organizar as competições internacionais. Até o ano passado, eventos assim eram chamados de Platinum, sendo os segundos em importância no circuito mundial. A melhor campanha anterior do brasileiro em um Platinum havia sido em 2018, também em Doha, quando foi vice-campeão. Trata-se agora, portanto, da maior conquista da carreira do atleta.

Leia Também:  Tênis de mesa: brasileiros avançam às quartas em 1º torneio pós-Tóquio

O resultado garante a Calderano uma premiação de US$ 25 mil (o equivalente a R$ 142 mil), além de 600 pontos no ranking mundial. Com isso, o carioca se aproxima do quinto lugar da lista da ITTF na próxima atualização.

O duelo contra Jorgic foi equilibrado. No primeiro set, Calderano foi mais eficiente que o rival e venceu por 11 a 5. O cenário se inverteu na parcial seguinte, com o esloveno encaixando os golpes desde o começo e levando a melhor por 11 a 6. No terceiro set, o brasileiro abriu 10 a 7 e teve três set points, mas Jorgic reagiu, anotando cinco pontos em sequência para ganhar a parcial com 12 a 10. O europeu tentou manter o embalo, mas a força mental do carioca fez a diferença: 11/9 para o número 8 do mundo e duelo empatado.

A partir daí, Calderano foi dominante. Controlou o quinto set do início ao fim, fechando rapidamente em 11 a 3. No sexto, Jorgic esboçou reação após um pedido de tempo quando perdia por 8 a 3, anotando cinco pontos seguidos. O brasileiro, porém, não deixou o filme do terceiro set se repetir, definindo a parcial em 11 a 9 e a partida em 4 a 2.

Leia Também:  CBG convoca seleção para Mundial de ginástica artística em Kitakyushu

“Posso dizer que estou muito feliz de ver que o trabalho do Hugo foi recompensado. Ele jogou muito bem, com uma intensidade muito alta. Isso é uma grande satisfação”, disse o técnico do carioca, o francês Jean-René Mounié, em depoimento ao site da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM).

Antes da decisão, também neste sábado, Calderano teve pela frente o inglês Liam Pitchford (15º) na semifinal. O brasileiro deu poucas chances ao rival e venceu por 4 sets a 1 (11/2, 11/8, 8/11, 11/5 e 11/9).

Edição: Maria Claudia

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA