Momento Jurídico

Missão internacional acompanhará eleição suplementar em Petrolândia (SC) neste domingo (13)

Publicados

em


A Missão das Organizações Não Governamentais (ONGs) Transparencia Electoral e Conferencia Americana de Organismos Electorales Subnacionales por la Transparencia Electoral (Caoeste) está pronta para acompanhar a eleição suplementar no município de Petrolândia (SC) neste domingo (13). Os observadores já estão colhendo informações e assistindo aos preparativos para o pleito.

Os dados colhidos durante a missão de observação servirão para elaborar projetos de estudos voltados para especialistas em questões eleitorais, autoridades, pesquisadores e entidades de vários países. O objetivo é favorecer a legitimidade do processo, garantindo os direitos políticos de cidadãs e cidadãos em eleições transparentes e justas.

Em sua primeira atuação como observadora no Brasil, a mexicana Claudia Isela Guzman Gonzalez ressalta que atestar e disseminar boas práticas de segurança, transparência e integridade são essenciais para a democratização das eleições na América Latina. “São experiências fundamentais para os futuros processos eleitorais da região, em todos os níveis”, afirma.

Para a observadora e coordenadora da Caoeste no Brasil, Paula Gomes Moreira, a oportunidade de contribuir para a melhoria dos processos eleitorais latino-americanos é uma tarefa gratificante. “Observamos todo o processo e procuramos identificar aspectos que podem ser aperfeiçoados para os próximos pleitos”, diz. Ela enfatiza que o relatório final emitido pela missão até 30 dias após a eleição segue padrões internacionais que abrangem todo o ciclo eleitoral.

Leia Também:  Tribunal de Contas de Mato Grosso capacita fiscalizados sobre atualizações no sistema Aplic; a ferramenta tem sido fundamental no atendimento aos jurisdicionados

O observador Nicolás Noyola, de El Salvador, não esconde a expectativa do grupo diante da importante missão de analisar e legitimar o processo eleitoral. “A qualidade da democracia é uma condição importante para o desenvolvimento dos países da região e da América Latina. Daí a importância da observação eleitoral”, destaca.

Integridade

A missão também acompanhará de perto a auditoria de integridade da urna eletrônica, evento paralelo à eleição suplementar para prefeito e vice-prefeito de Petrolândia. O teste de integridade é um procedimento utilizado pela Justiça Eleitoral desde 2002, com o objetivo de testar a segurança na captação e contagem dos votos pela urna eletrônica, comprovando que o voto recebido/digitado é exatamente aquele que será contabilizado.

“O teste de integridade é apenas mais um dos muitos elementos de segurança que fazem com que a urna eletrônica seja absolutamente confiável”, frisa o presidente da Caoeste, Marcelo Ramos Peregrino Ferreira. Para ele, a segurança da eleição brasileira é inquestionável, uma vez que conta com o sistema mais avançado do mundo.

Marcelo Peregrino revela que os integrantes da missão estão animados em participar do processo eleitoral brasileiro e oferecer eventuais contribuições. Ele reforça que a urna eletrônica terá atenção especial dos observadores, por se tratar de “um enorme avanço da Justiça Eleitoral brasileira, que é copiado em todo o mundo”.

Leia Também:  Fato ou boato: Barroso não disse que é a favor do voto impresso em 2017

MC/LC, DM

Fonte: TSE

Propaganda

Momento Jurídico

Eleições suplementares em Mato Grosso terão teste de integridade; serão em 3 municípios de MT

Publicados

em

No dia 1º de agosto, as cidades mato-grossenses de Acorizal, Matupá e Torixoréu vão promover eleições suplementares para a escolha de novos prefeitos e vice-prefeitos. E, para confirmar a segurança do pleito, haverá a chamada votação paralela, que funciona como um teste de integridade das urnas eletrônicas utilizadas pelos eleitores.

O teste acontece no mesmo dia das eleições, por meio de um sistema informatizado de captação e contabilização de votos, demonstrando o funcionamento e a integridade das urnas. O mecanismo de auditoria por meio de amostragem é adotado pelos Tribunais Regionais Eleitorais em todo o país, com a participação de representantes de partidos políticos, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e do Ministério Público, entre outras instituições.

Nessas cidades, o procedimento será realizado pela primeira vez. “O sistema eletrônico de votação é seguro e é, sim, objeto de várias auditorias para demonstrar a confiabilidade e a transparência. A votação paralela é um entre os diversos mecanismos de auditoria, e, por isso, fiz questão de que fosse utilizada nas eleições suplementares”, explicou o presidente do TRE-MT, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha.

Leia Também:  Capacitação sobre atualizações no sistema Aplic acontece nesta terça-feira

Todo o procedimento será transmitido sem cortes e ao vivo, a partir das 9h, pelo canal do TRE-MT no YouTube, inclusive o sorteio das urnas participantes, que ocorrerá na sexta-feira (30). Além disso, estarão presentes representantes dos partidos políticos, das coligações e demais cidadãos interessados.

Candidatos em disputa

Nas eleições suplementares de Acorizal, concorrem ao cargo de prefeito Benna Lemes (DEM), da coligação “Trabalho Confirmado”, e Diego Taques (PSD), da aliança “Acorizal nas mãos de quem faz”.

No município de Matupá, disputam três candidatos: Bruno Mena (DEM), da coligação “Matupá é do povo”; Geraldo Gezoni (PSB), da aliança “Por uma Matupá de todos”; e Marinilde (MDB), da “Matupá em mãos limpas, em respeito a você”.

Já em Torixoréu, os eleitores escolherão entre Jonnes Saggin (PL), da coligação “Unidos pela transformação”, e Thiago Timo (PSB), da aliança “Torixoréu no rumo certo”.

AL/CM, DM

Leia mais:

26.07.2021 – Eleitores de nove cidades voltam às urnas no próximo domingo (1º)

Fonte: TSE

 

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA