Momento Jurídico

MP pede condenação de produtor rural ao pagamento de R$ 12 milhões

Publicados

em


.
A Promotoria de Justiça de Nortelândia (a 253km de Cuiabá) requereu a condenação de um produtor rural ao pagamento de R$ 12.386.181,37, a título de compensação pelos danos morais coletivos provocados em razão do exercício de atividade agropecuária potencialmente degradadora ao meio ambiente, sem autorização do órgão competente. Ele é acusado de desmatar 522,9296 hectares de vegetação nativa sem autorização, bem como de explorar atividade pecuária sem licença.     

A Ação Civil Pública (ACP) ambiental foi ajuizada na quinta-feira (27).  De acordo com o Ministério Público, a princípio o proprietário foi notificado para que providenciasse Autorização Provisória de Funcionamento de Atividade Rural (APF), em novembro de 2018. Contudo, em nova vistoria realizada em janeiro de 2019, a equipe de fiscalização verificou que a documentação não havia sido apresentada. Assim, foi aplicada multa administrativa no valor de R$ 25 mil, lavrado termo de embargo da área e encaminhado relatório à Promotoria com as informações. 

A Promotoria de Justiça de Nortelândia então solicitou ao Centro de Apoio Operacional (Caop) do MPMT a análise da ocorrência de danos ambientais, sua extensão e indicações de recuperação ou medidas aplicáveis ao caso. O Caop “constatou que o imóvel rural de propriedade do requerido deveria ter no mínimo 792,7370 hectares correspondentes a área de reserva legal, o que corresponde a 80% de sua área total, entretanto possui um passivo ambiental de 522,9296 hectares”.    

Ainda segundo levantamento do Caop, do total do passivo ambiental, “173,141 hectares devem, por obrigação, ser recuperados no próprio imóvel, mediante apresentação de Plano de Recuperação de Área Degradada (Prad), ou adesão ao Programa de Regularização Ambiental (PRA)”. Foi verificado inclusive que o Termo de Embargo foi descumprido pelo requerido, bem como que não havia atividade de pecuária que caracterizasse ser de confinamento, mas sim pecuária extensiva.    

Segundo o promotor de Justiça José Jonas Sguarezi Junior, “percebe-se que a realização de um desmatamento, assim como funcionamento da atividade de pecuária sem licença ou autorização legal, são atos lesivos ao meio ambiente, vez que a não observância dos procedimentos que seriam realizados com a licença necessária traz inúmeros prejuízos, dentre eles a ausência de preservação da fauna”. 

Dessa forma, o promotor considerou “incontestável e absolutamente necessária” a responsabilização civil do produtor, com a obrigatoriedade de completa reparação dos prejuízos causados ao meio ambiente”. Assim, solicitou também que seja determinada a recuperação e regularização da área desmatada, bem como da exploração de atividade econômica pelos órgãos ambientais competentes.     

Leia Também:  Justiça determina que deputada Flordelis use tornozeleira eletrônica

Indenização – A aferição do dano ocorrido foi baseada na Orientação Técnica desenvolvida pela Procuradoria de Justiça Especializada em Defesa Ambiental e Ordem Urbanística do MPMT. Neste caso, observou-se que o desmate foi realizado em área de reserva legal (RL), mediante corte raso, revolvimento do solo e implantação de cultura (pastagem para a atividade de pecuária). “Tendo em vista os parâmetros condicionantes constantes na orientação técnica mencionada (…), chegamos ao valor do dano equivalente a R$ 23.686,14 por hectare. Assim, considerando que foram 522,9296 hectares desmatados, a quantia total para indenização perfaz-se em R$ 12.386.181,37”, consta na ação.   

Foto ilustrativa: Marcelo Camargo/Agência Brasil. 
 

Fonte:

Propaganda

Momento Jurídico

Barroso defende trabalho da imprensa no combate à desinformação

Publicados

em


.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, disse que o país e o mundo nunca precisaram tanto da imprensa profissional e de qualidade, capaz de separar, com profissionalismo, fato de opinião, como agora. Em um evento restrito a jornalistas nesta sexta-feira (18), o magistrado pediu amplo apoio à imprensa no combate à desinformação, na checagem de fatos e no compromisso com a verdade no período eleitoral. 

“Talvez, a pior consequência das campanhas de desinformação seja precisamente essa deterioração do debate público e a formação de enclaves de pessoas que só falam para si mesmas e, quando têm interlocução com as outras, é para agredir e desqualificar. Nós, que defendemos a democracia, contamos mais do que nunca com o trabalho da imprensa de qualidade”, afirmou.

Para o ministro, é preciso haver um filtro adequado para a grande quantidade de desinformação e de inverdades que circulam pelas redes sociais. “As redes sociais têm um lado positivo, mas vêm sendo palco para pessoas totalmente pervertidas difundirem mentiras deliberadas, campanhas de ódio e de difamação. Precisamos enfrentar isso. As instituições democráticas vêm sofrendo um ataque massivo de milícias digitais e de terroristas verbais que fazem muito mal a todos nós. Não só pelo possível impacto no resultado das eleições, mas pela deterioração do debate público de uma maneira geral”, disse.

Leia Também:  Exibição de programas com alusão ou crítica a candidatos em rádio e TV está proibida até 29 de novembro

Nas eleições municipais deste ano, as campanhas publicitárias da Justiça Eleitoral têm abordado a atuação dos mesários em tempos de pandemia, o combate à desinformação, a atração de mais jovens e mulheres para a política, os cuidados sanitários para os eleitores e para quem vai trabalhar na votação de novembro, o voto consciente e o e-Título.

Edição: Fernando Fraga

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA