Momento Jurídico

Pleno julga regulares contas de gestão da Prefeitura de Barra do Garças

Publicados

em


O Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) julgou regulares, com recomendações e determinações legais, as Contas Anuais de Gestão da Prefeitura de Barra do Garças, referentes ao exercício de 2018. Sob relatoria do conselheiro Valter Albano, o balancete foi aprovado por maioria na sessão ordinária remota desta terça-feira (06).

Na análise das contas, o relator manteve irregularidades apontadas pela equipe técnica da Corte de Contas tais como especificação imprecisa e/ou insuficiente de objeto de licitação, pagamento de obrigações em desrespeito à ordem cronológica, ineficiência dos procedimentos de controle da frota de veículos do município e não provimento do cargo de contador por meio de concurso público.

No que diz respeito ao objeto da licitação, Albano pontuou que foi descrito como “contratação de empresa para prestação de serviços de orientação, controle e informação na Praça Nossa Senhora Aparecida (Praça da Matriz)”, concordando com o parecer técnico e ministerial de que não foi estabelecido de forma clara e precisa em relação ao tipo e a quem seriam prestadas as orientações e informações, qual o controle seria exercido pela contratada e com que finalidade.

Entretanto, ressaltou o relator, para que haja a responsabilização dos agentes públicos se faz necessária a existência quatro elementos cumulativos: conduta comissiva ou omissiva; resultado; nexo de causalidade entre a conduta e o resultado e a demonstração de dolo ou culpa. “Assim, embora a falha tenha realmente existido, ao considerar os antecedentes e a primariedade dos responsáveis para fins de sanção pecuniária, e principalmente a ausência de dano ao erário, mantenho a irregularidade, contudo, deixo de aplicar multa a ambos”.

Leia Também:  Cáceres participa do TCEstudantil Virtual

Outra irregularidade mantida foi referente aos pagamentos, durante o exercício de 2018, dos Restos a Pagar processados, no valor de R$ 5,2 milhões, e não processados, no montante de R$ 3,5 milhões, sem que tenha sido respeitada a ordem cronológica. “A legislação exige expressamente que a administração pública obedeça, para cada fonte diferenciada de recursos, a estrita ordem cronológica das datas de suas exigibilidades, salvo quando presentes relevantes razões de interesse público e mediante prévia justificativa da autoridade competente, devidamente publicada, o que não ocorreu no presente caso”, sustentou Albano.

Em relação à ineficiência dos procedimentos de controle dos sistemas administrativos, foi apontado no relatório técnico que o sistema informatizado de frotas não está sendo alimentado adequadamente, a existência de multas de trânsito em aberto e sem a identificação do infrator, formulários de abastecimento sendo utilizados de forma aleatória, sem numeração sequencial, rasuras no diário de bordo, diferença da quilometragem anotada no diário de bordo em confronto com o formulário de abastecimento, inexistência do plano de manutenção operacional de veículos, dentre outras irregularidades.

Leia Também:  STF inicia nesta sexta-feira (23) audiência pública sobre Fundo da Amazônia

Já quanto ao não provimento de cargo por meio de concurso público, o conselheiro pontuou que desde 2016 a Prefeitura de Barra do Garças não possui contador, conforme admitido pelo próprio gestor. “Sendo responsabilidade do prefeito a realização de concurso para provimento de cargos no município, e no caso, a omissão na realização, e a manutenção do município sem contador desde 2016, configura o nexo de causalidade entre sua conduta e a irregularidade apontada”.

Frente ao exposto, por maioria, o Tribunal Pleno recomendou à atual gestão que implemente um sistema de controle efetivo de frota e determinou que identifique os veículos da frota municipal e os motoristas infratores para eventual responsabilização, conclua o plano de manutenção operacional dos veículos e adote providências a fim de regularizar os cargos de controlador interno e contador. A Corte de Contas votou ainda pela inclusão de todas as determinações como ponto de controle por parte da equipe técnica responsável pela análise das contas anuais dos exercícios seguintes da Prefeitura de Barra do Garças.

Clique aqui e confira o vídeo completo do julgamento.

Secretaria de Comunicação/TCE-MT
E-mail: [email protected]

Fonte: TCE MT

Propaganda

Momento Jurídico

Credenciamento de imprensa para o CDE Virtual começa no sábado (24)

Publicados

em


O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) abre neste sábado (24) as inscrições para o credenciamento de veículos de comunicação e de profissionais de imprensa que desejam acompanhar, de forma virtual, a apuração das Eleições Municipais de 2020, que ocorrerão nos dias 15 de novembro, em primeiro turno, e 29 do mesmo mês, em segundo turno, onde houver.

Os interessados devem acessar formulário – disponível no Portal do Tribunal – para requerer o acesso ao Centro de Divulgação das Eleições (CDE) Virtual, criado para evitar aglomerações e, assim, evitar eventual disseminação do novo coronavírus. O credenciamento poderá ser feito até o dia 29 de novembro, pelo site.

Para o CDE Virtual, os cadastros podem ser realizados pelos próprios profissionais de imprensa. A aprovação do registro do jornalista para acesso ao CDE Virtual será feita pela Assessoria de Comunicação do TSE. Verificado o preenchimento correto do formulário, a Assessoria enviará um e-mail com a liberação das credenciais.

De posse dos dados preenchidos no credenciamento, a Ascom do Tribunal vai criar quatro grupos específicos no aplicativo WhatsApp para cada tipo de mídia – rádio, TV, imprensa escrita e fotojornalismo. Todas as informações produzidas pela Assessoria de Comunicação do Tribunal serão encaminhadas para os grupos, no formato das respectivas mídias.

Leia Também:  Faltam 23 dias: eleitores contam com assistente virtual para tirar dúvidas

Além disso, todas as informações e todos os dados produzidos pelo CDE 2020 estarão disponíveis na página do Tribunal, nas notícias de rádio e televisão da Corte, no YouTube e nas redes sociais do TSE (Facebook, Twitter e Instagram).

CDE presencial

Os jornalistas também contarão com o CDE Presencial, com acesso limitado. O credenciamento, que vai do dia 3 ao dia 9 de novembro, será feito por veículo de comunicação. Não serão credenciados jornalistas nem outros profissionais individualmente. A medida será adotada para limitar a quantidade de profissionais em um mesmo local e evitar aglomerações.

A Assessoria de Comunicação Social do TSE analisará os pedidos de credenciamento ao CDE Presencial, aprovando ou não as solicitações. A confirmação ou a recusa do credenciamento ocorrerá por intermédio do e-mail informado na solicitação das credenciais.

As credenciais fornecidas por veículo deverão ser compartilhadas entre as equipes designadas para a cobertura das Eleições 2020 e valerão tanto para o primeiro quanto para o segundo turno. O uso da credencial é de responsabilidade do profissional cadastrado para a cobertura. O extravio do documento não dará direito a outra credencial para o veículo de imprensa.

Leia Também:  Confira a ordem dos participantes da audiência pública sobre o Fundo Amazônia

Serão fornecidas três credenciais por emissora de TV, uma por emissora de rádio, duas por veículo de mídia digital, duas por agência de notícias e duas por mídia impressa. As credenciais para o CDE Presencial serão distribuídas aos veículos de imprensa nos dias 12 e 13 de novembro de 2020, na Ascom/TSE, mediante identificação do profissional pela área de Segurança do Tribunal. 

Mais informações

Todas as regras de funcionamento do Centro de Divulgação das Eleições (CDE) 2020 estão disponíveis neste endereço https://www.justicaeleitoral.jus.br/cde-2020/ e também podem ser obtidas diretamente na Ascom/TSE, pelos telefones (61) 3030-7080, 3030-7541 e 3030-7091, e pelo e-mail [email protected].

IC/LC, DM

Fonte: TSE

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA