Momento Jurídico

Servidores do Polo de Juína avaliam trabalho remoto durante integração 

Publicados

em


Como está sendo a experiência do trabalho remoto para você? Quais os cuidados em saúde que você está tendo no contexto do trabalho remoto? Esses foram alguns dos questionamentos levantados aos servidores do Polo de Juína (a 735km de Cuiabá), durante reunião virtual de integração do programa “Vida Plena – MPMT pensando em você” na manhã desta sexta-feira (07). Os integrantes puderam se manifestar pelo chat ou por vídeo no Microsoft Teams, relatando como se sentem diante dessa realidade. Além disso, participaram de uma dinâmica com questões sobre cuidados com alimentação, saúde mental, relação trabalho x crianças e atividade física durante a pandemia.  

Trinta e cinco servidores, estagiários e colaboradores terceirizados das Promotorias de Justiça de Juína, Brasnorte, Juara, Aripuanã, Cotriguaçu e Colniza estiveram presentes na integração, que em razão da pandemia da Covid-19 foi retomada de forma virtual. Eles colaboraram ativamente com as atividades propostas e cumpriram com o objetivo da iniciativa de promover diálogo e integração entre a administração do Ministério Público de Mato Grosso e demais unidades ministeriais.    

Leia Também:  Por unanimidade, Pleno julga regulares contas de gestão do MT-Prev e Previso

Na abertura do encontro, o procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira agradeceu o empenho de todos no desenvolvimento do trabalho remoto. “Mesmo diante das dificuldades impostas pela pandemia, membros e servidores do Ministério Público continuaram com os seus afazeres neste momento delicado, incluindo a realização de diligências com os devidos cuidados sanitários, para darmos vazão às nossas demandas”, declarou.  

O chefe do MPMT também destacou o empenho de todos na promoção da justiça e da cidadania e falou sobre a reforma administrativa realizada no segundo mandato dele, visando a valorização dos servidores de carreira e o avanço de processos na ponta. A promotora de Justiça coordenadora do programa de qualidade de vida no trabalho, Claire Vogel Dutra, falou sobre a evolução do Vida Plena, as frentes de trabalho e apresentou as devolutivas das demandas levantadas no polo em encontro presencial realizado no ano de 2019.     

Na sequência, a psicóloga do programa, Morgana Moreira Moura, as assistentes sociais Josyane Lima de Cerqueira e Renata de Paula Teixeira e as demais servidoras da equipe Rosimar Caetano Marino Moretti e Thaizi do Carmo Nardi realizaram as atividades e abriram para um dos momentos mais importantes do evento: o envio de novas demandas da região. Por fim, foi encaminhado link de pesquisa para avalição da integração e a equipe do Vida Plena se colocou à disposição de todos para atendimentos e sugestões.    

Leia Também:  TCE-MT lança campanha de doação de sangue e oferece transporte para servidores interessados

Também participaram do encontro o diretor geral do MPMT, Ricardo Dias Ferreira, e o presidente do Sindicato dos Servidores do Ministério Público de Mato Grosso (Sindsemp), Eziel da Silva Santos. As próximas integrações estão agendadas para dia 21 de maio, Polo de Tangará da Serra, 11 de junho, Polo de Barra do Garças e 25 de junho, Polo de Cuiabá.  

Fonte: MP MT

Propaganda

Momento Jurídico

Ação requer estruturação de agência do Banco do Brasil

Publicados

em


O Ministério Público de Mato Grosso, por meio da 1ª Promotoria de Justiça Cível de Paranatinga, ingressou com Ação Civil Pública, com pedido liminar, contra o Banco do Brasil, requerendo a adoção de providências imediatas para melhorar a prestação de serviços à população. Além de reparos estruturais, o MPMT requer substituições e ampliação dos equipamentos existentes para garantir que todos os caixas eletrônicos funcionem corretamente. 

A 1ª Promotoria de Justiça Cível pleiteia ainda que, ao final da ação, a instituição financeira seja condenada ao pagamento de indenização pelos danos materiais sofridos pelos consumidores, a serem apurados em eventual liquidação de sentença. Requer também o pagamento de indenização pelos danos morais coletivos, no montante de um milhão de reais. 

Consta na ação que no decorrer do inquérito foi constatado que apenas três dos sete caixas eletrônicos da agência funcionavam. Além disso, nenhum deles efetuava operação de saque de valores. Verificou-se também que o caixa destinado ao atendimento prioritário estava inoperante. 

“A coletividade dos usuários do serviço deste município de Paranatinga/MT tem sido vítima de má prestação de serviços contratados, com sérios prejuízos (muitos deles irreparáveis) para diversos setores da economia local e para a vida social dos seus cidadãos, já que o serviço é fornecido inadequadamente”, afirmou a promotora de Justiça Rhyzea Lúcia Cavalcanti de Morais, em um trecho da ação. 

Segundo ela, há vários anos a agência bancária vem protelando investimentos no setor e trazendo prejuízos ao comércio e aos consumidores.

Foto: Marcelo Camargo | Agência Brasil.

Texto sob supervisão da jornalista Clênia Goreth. 

Fonte: MP MT

Leia Também:  Acordo judicial garante recursos para estruturação de Polícia Ambiental
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA