Momento Jurídico

Tornar público o tema saúde mental é o caminho indicado em live 

Publicados

em


.
As psicólogas Morgana Moura e Daniela Bezerra, convidadas para falar sobre “Saúde Mental e a prevenção do suicídio” na live desta terça-feira (15) do projeto “MP e Você”, defenderam que tornar o assunto público é o caminho para desconstruir estereótipos e desmitificar o assunto. As expositoras também foram categóricas em destacar a importância do trabalho desenvolvido pelo poder público na prevenção do suicídio. O debate foi acompanhado por 138 pessoas ao vivo pela rede social Instagram, com mediação da jornalista Tania Rauber, do Departamento de Imprensa e Comunicação Social do Ministério Público do Estado de Mato Grosso.  

A live é uma das ações da campanha de valorização da saúde mental do trabalhador “Que o amarelo faça florir”, idealizada pelo programa de qualidade de vida no trabalho do MPMT, o Vida Plena. Além dos debates virtuais, diversas atividades serão executadas no decorrer do mês que é dedicado à prevenção do suicídio em todo o país, conhecido como Setembro Amarelo.  

Na live desta terça, a psicóloga Daniela Bezerra, da Coordenadoria de Promoção e Humanização da Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (SES), relatou o trabalho executado pelo Estado. Segundo ela, a SES aderiu à “Agenda de Ações Estratégicas para a Vigilância e Prevenção do Suicídio e Promoção da Saúde no Brasil” do Ministério da Saúde, com objetivo de ampliar e fortalecer as ações de promoção da saúde, vigilância, prevenção e atenção integral relacionadas ao suicídio, de modo a reduzir os índices de tentativas e mortes. A atuação é dividida em três eixos: vigilância e qualificação da informação, prevenção do suicídio e promoção da saúde, e gestão e cuidado.  

Doutora em Psicanálise pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Daniela Bezerra enfatizou que a saúde mental e o suicídio estão relacionados a multifatores e não somente a doenças como a depressão. “É preciso desmistificar a temática como uma questão individual, com conselhos e estímulos de autoestima para a pessoa. O trabalho que o Setembro Amarelo tem que provocar em relação às políticas públicas é pensar por que o suicídio é a terceira maior causa externa de mortalidade da população brasileira. Existem inúmeros fatores que influenciam nisso”, afirmou.  

Segundo a psicóloga, municípios com Centros de Atenção Psicossocial (Caps) possuem índices menores de suicídio. “Isso significa que ter um atendimento especializado e aberto é um fator de proteção. Alguém bem diagnosticado e bem acolhido no seu sofrimento psíquico contribui para redução das taxas. Porém, não posso afirmar categoricamente que os altos índices têm a ver necessariamente com uma doença mental. Por exemplo, os homens são os que mais conseguem se matar, com uso de arma de fogo. Então, provavelmente o acesso à arma de fogo por essa população vulnerável é um fator de risco”, relatou.

A respeito da influência da pandemia nos números, Daniela Bezerra informou que as taxas de óbito por suicídio caíram drasticamente. “Ainda estamos vivendo a pandemia e não é possível fechar um panorama. Mas temos duas hipóteses. Ou as notificações estão bagunçadas pelo desespero em razão da mortalidade pela Covid-19, ou de fato algum fenômeno diante da possibilidade de morte por outra maneira afetou aqueles que estão em dúvida. Entretanto, é preciso destacar que as tentativas de suicídio e as lesões autoprovocadas continuaram aumentando na mesma proporção dos últimos anos”, acrescentou.  

Para a representante da SES, se não houver uma rede capilarizada de acolhimento e um estímulo ao acesso de qualidade de vida os índices tendem a piorar. “Esse não é um assunto privado, é um assunto público. Por isso é preciso viabilizar políticas públicas para que se torne um tema da coletividade. É isso que o Setembro Amarelo precisa trazer para nós, uma preocupação com o todo do ser humano, a qualidade de vida, o acesso à educação, cultura, lazer e esporte”, finalizou.  

Doutora em Cultura Contemporânea pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), a psicóloga Morgana Moura abordou a multifatoriedade do suicídio e o trabalho executado pelo programa de qualidade de vida no trabalho do MPMT. “Diferente de outros países, no Brasil não temos recorrência de casos de suicídio no ambiente de trabalho, mas temos alto índice de sofrimento emocional e de afastamento por saúde mental. No Ministério Público do Estado, por exemplo, temos a saúde mental como o segundo fator de afastamento dos integrantes da instituição. E foi justamente pensando nesse aspecto que nos dedicamos a promover a campanha ‘Que o amarelo faça florir’”.  

Conforme a psicóloga do MPMT, é importante se atentar que compreender a complexidade do que é saúde mental é justamente tirar a responsabilidade total da pessoa cuidar da própria saúde, uma vez que são diversos os fatores que podem levar ao sofrimento emocional. “Se a gente entende que as condições sociais, econômicas, ambientais, trazem afetações negativas, precisamos nos atentar a esses outros fatores. E o ambiente de trabalho também nos afeta tanto no aspecto positivo quanto no negativo, mediante como nos relacionamos com a instituição, as outras pessoas e nossa atividade cotidiana”, ponderou.  

Morgana Moura contou ainda que o Ministério Público, por meio do Vida Plena, dispõe de uma equipe psicossocial responsável por fazer o acolhimento dos integrantes da instituição. “Temos atendimento individuais, que inclusive passamos a ofertar de maneira online em razão da pandemia. Mas também oferecemos oficinas de saúde mental, trabalhamos nas atividades de integração práticas de cuidado voltadas à saúde mental e buscamos identificar os demais fatores que possam contribuir com a qualidade de vida por meio de pesquisas de clima organizacional”, descreveu.  

Ela salientou que muitas vezes a pessoa não consegue identificar que está em um ambiente seguro para falar da sua fragilidade emocional. “Imagina se expor em um ambiente de trabalho em que você é constantemente cobrado a estar firme. Por isso é importante ter uma equipe que possa acolher essa demanda de maneira sigilosa, como ocorre com o Vida Plena. A demanda é trabalhada de forma com que a pessoa se sinta segura em compartilhar, para que possamos identificar junto a esse integrante as causas que estão contribuindo para o sofrimento no ambiente de trabalho”, revelou.  

Morgana Moura ainda relacionou outras práticas oferecidas como ginástica laboral, treino funcional e meditação coletiva, resultado de parcerias firmadas com outras entidades. Segundo a psicóloga, elas auxiliam na prevenção do processo de adoecimento. Para encerrar, explanou sobre a campanha “Que o amarelo faça florir”, que prevê a realização de lives sobre a temática, divulgação de posts nas redes sociais e iluminação das fachadas das sedes das Promotorias da Capital e da Procuradoria-Geral de Justiça na cor amarela. 

A próxima live do projeto “MP e Você” será no dia 29 de setembro, também às 15h, sobre “Saúde mental e rede de atenção”, com a analista Assistente Social do MPMT Renata de Paula Teixeira e um convidado do Centro de Valorização da Vida (CVV). A transmissão ao vivo desta terça está disponível no canal no canal do YouTube do MPMT (aqui) e no feed do Instagram @mpemt. 

Fonte:
Leia Também:  MPMT discute meios para intensificar a solução consensual de conflitos

Propaganda

Momento Jurídico

Servidores da Justiça Eleitoral participam de três dias de treinamento sobre ferramentas do Google

Publicados

em


.

Nos dias 21, 24 e 25 de setembro, servidores de todos os 27 Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) do país participaram de treinamentos oferecidos pelo Google sobre ferramentas desenvolvidas pela empresa que podem ser utilizadas durante as Eleições Municipais de 2020.

Ao longo da capacitação, foram apresentadas aos participantes recursos de verificação de conteúdos digitais e de gerenciamento de anúncios pagos, bem como formas de utilização do Google Trends, página que mede as tendências de buscas na plataforma.

As oficinas foram ministradas pelo coordenador do Google News Lab no Brasil, Marco Túlio Pires; pela advogada líder do Time Contencioso do Google, Taís Tesser; e pela advogada corporativa Natália Kuchar.

Verificação de conteúdos digitais

O head do Google News Lab, Marco Túlio Pires, deu início ao ciclo de palestras apresentando aos participantes alguns recursos da plataforma que podem ser acionados para verificar a autenticidade de informações compartilhadas na rede mundial de computadores.

A principal estratégia do Google, de acordo com o especialista, é firmar parcerias com portais jornalísticos e agências de checagem para a análise de conteúdos com potencial de viralidade. Outra tática da gigante digital para o enfrentamento da desinformação é o investimento em pesquisa e desenvolvimento para estar sempre na frente de softwares maliciosos, como os utilizados para a produção das deep fake.

Marco Túlio Pires também ensinou os comunicadores a refinar pesquisas e a usar o mecanismo de busca do Google para procurar palavras-chave dentro de sites específicos. Ferramentas como o SumUp, o Google Earth e o Google Street View também fizeram parte do rol de assuntos abordados na capacitação on-line, cujo conteúdo pode ser encontrado integralmente no site do Google News Initiative.

Google e as Eleições 2020

O segundo dia de capacitação on-line foi voltado ao Google Ads (antigo AdWords) e ao Google AdSense, duas ferramentas de gerenciamento de anúncios pagos que podem ser utilizadas para fins eleitorais. Segundo a advogada líder do Time Contencioso do Google, Taís Tesser, a missão da empresa “está atrelada ao processo de ter a web aberta”, de modo a permitir a manifestação das mais diversas opiniões, fomentando um debate saudável e democrático.

Leia Também:  Contas de Governo de Luciara recebem parecer prévio favorável

“Cabe à Justiça Eleitoral o papel de analisar no caso concreto se aquele conteúdo ou propaganda é ilegal. A partir disso, mediante ordem judicial específica, ordenar a remoção dele pelos provedores”, disse, esclarecendo, porém, que qualquer material que viole as políticas do Google é removido independentemente de decisão judicial.

A advogada corporativa Natália Kuchar assumiu a tarefa de orientar os participantes sobre como diferenciar anúncios pagos – aqueles que aparecem em quadros e links na parte superior da página de buscas – de resultados orgânicos na busca do Google – que são sites classificados como relevantes pelo sistema interno e algoritmo da plataforma.

Ela ressaltou que, embora sejam exibidos na tela de pesquisa do Google, os textos das propagandas são de inteira responsabilidade dos anunciantes. Mesmo assim, a representante jurídica da empresa alertou que é preciso seguir algumas determinações.

“As políticas para anúncios do Google têm regras de uso. Por exemplo, não é permitido que determinado tipo de anúncio use uma funcionalidade por achar que toca em questões de privacidade ou não proporciona boa experiência para o usuário”, observou a advogada, acrescentando que as sanções aplicadas pela plataforma vão desde a exclusão do conteúdo até a suspensão da conta do infrator.

A advogada classificou como sensível a temática das notícias falsas e afirmou que o posicionamento do Google é enfrentar a desinformação com mais informação. “Privilegiamos a ideia de tornar as informações relevantes, corretas, mais acessíveis para que as pessoas tenham acesso e possam tomar uma decisão mais alinhada”, concluiu.

Buscas e tendências

A semana de treinamentos do Google foi encerrada na tarde desta sexta-feira (25), com o assunto “Buscas e Tendências”, painel conduzido pelo coordenador do Google News Lab no Brasil, Marco Túlio Pires.

Ao longo de quase 2 horas de curso, o palestrante apresentou aos servidores dos TREs o Google Trends, uma ferramenta que permite acompanhar, em tempo real, quais são os tópicos ou palavras-chave mais procurados pelos usuários da rede mundial de computadores. Atualmente, a empresa registra cerca de 3 bilhões de buscas realizadas diariamente.

Leia Também:  Ferramenta para obtenção de certidões é disponibilizada

Segundo Marco Túlio Pires, o uso do Google difere do das redes sociais, pois na página de pesquisas a tendência é a de que as pessoas sejam mais autênticas. “Não é a foto completa do comportamento on-line, mas fala de autenticidade ímpar. Dá para tirar insights interessantes, porque o Google Trends mostra uma reação imediata ao que está acontecendo”, disse.

Ainda segundo o head do Google, o interesse dos brasileiros por eleições vem aumentando progressivamente de 2004 – ano de lançamento do Trends – até os dias de hoje. Em 2020, o pico de pesquisas a respeito do assunto foi em 6 de maio, último dia do prazo para regularização do título de eleitor.

Conforme índices colhidos dentro da própria aplicação, as cidades do Norte e do Nordeste do país são as que mais buscam informações sobre a temática nos últimos 30 dias. Outra curiosidade é que, neste ano, as pessoas têm procurado saber as novas datas das Eleições 2020 – que serão realizadas nos dias 15 e 29 de novembro -, qual o valor do salário de um vereador e o número de eleitos que ocupam esse cargo nos dias de hoje.

Para a servidora Juliana da Silva Pereira Cal, do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), ter um conhecimento mais profundo das ferramentas disponíveis ajuda os cartórios eleitorais a cumprirem as determinações previstas nas resoluções do TSE com mais precisão, uma vez que o uso da internet para propaganda aumenta a cada ciclo eleitoral.

“Foi muito importante entender mais sobre o funcionamento dos anúncios na plataforma, as políticas de proteção e de cumprimento ao que exige a legislação eleitoral, já que essa será a ferramenta utilizada pelos candidatos para fazer suas campanhas”, avalia a participante.

Para mais informações, acesse a página do centro de treinamento da plataforma de buscas, o Google News Initiative.

BA/LC, DM

Fonte: TSE

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA