Momento Pet

Levar o pet para o trabalho aumenta a produtividade e reduz o estresse

Publicados

em

 

O número de animais de estimação nos lares brasileiros, de acordo com o IBGE, já ultrapassou 130 milhões e a tendência é que cresça cada vez mais. Outra coisa que só aumenta é o laço entre o pet e o dono, que o trata com verdadeiro filho e não quer deixá-lo em casa sozinho. Pensando nisso, algumas empresas estão se tornando pet friendly

Patrícia Moraes, veterinária e CEO da Olá Pet!, empresa especializada em promover gestão e projetos pet friendly, explica que "A vivência com o animal no ambiente de trabalho trás muitos benefícios como melhora do relacionamento interpessoal e diminuição da taxa de cortisol – o hormônio do estresse – sanguínea". Ela ainda acrescenta: "Já ouvi relatos de funcionários com cargos importantes que não saem da empresa por ela ser pet friendly, eles se sentem valorizados e vestem a camisa". 

Leia também: Levar o cão para o trabalho é o sonho de muitos brasileiros, aponta pesquisa

cachorro ao lado de dona trabalhando

Shuttersock

Poder levar o pet para o trabalho é algo cada vez mais comum

Marina Bompean, cofundadora da Go Shop, vive isso no dia a dia. "Depois que a empresa se tornou cat friendly percebemos que os colaboradores trabalham mais felizes e também não ficam muito preocupados com a hora para ir embora. Os gatos gostam de ter a liberdade de explorar cada cantinho do escritório, mas também, de vez em quando, procuraram um colo para dormir ou sobem na mesa para receber carinho e isso é relaxante para todos", conta. 

Dessa forma, levar o pet para o trabalho é bom para os dois lados. Para o funcionário que vai estar ao lado do seu pet o dia todo e para a empresa que terá um colaborador mais feliz e dedicado. Mas, para chegar nesse ponto é preciso passar por um processo de adaptação. 

"Colocar um potinho de água e ração não quer dizer que você é pet friendly. O primeiro passo é pensar na segurança do animal. Por exemplo, já visitei uma empresa que queria ter gatos, mas tinha janelas e não queria colocar telas, o que é inviável. Além disso, é preciso avaliar o perfil da empresa, do gestor, dos colaboradores, o quanto estão dispostos a investir, para só então desenvolver um projeto, que é diferente em casa situação", explica Patrícia. 

No caso da Go Shop a decisão por gatos foi tomada com facilidade e nenhum tipo de reforma na estrutura física foi necessária. "Temos três gatinhas e por coincidência os nossos colobaradores também têm gatos e gostam muito, então começamos a trazê-los para o escritório. Adequamos o ambiente com banheiros, comedouro, bebedouro, brinquedos e caminha para conforto dos pets", conta Marina. 

gato deitado na mesa do trabalho

Shuttersock

A Go Shop, por exemplo, é uma empresa cat friendly

Para que tudo isso aconteça de forma tranquila e segura, o dono precisa ter alguns cuidados. Saber reconhecer se o pet possui um comportamento adequado para ser levado para o ambiente de trabalho é o primeiro deles. Manter a saúde e as vacinas do animal em dia e seguir as regras da empresa são outros. 

"O dono assina um termo, com isso ele vai ser responsável por passear, brincar, manter a segurança, garantir que o pet não importune, limpar as necessidades dele, etc. Caso contrário pode ser que algum animal seja convidado a não participar do projeto", explica Patrícia. 

 

Patrícia acredita que a quantidade de empresas pet frindly no Brasil só não é maior porque a cultura do país é muito conservadora. "Muitas empresas perguntam sobre o carpete. Mas o carpete agrega valor para a instituição? E para os colaboradores? É preciso começar a pensar mais fora da caixinha, inovar e acompanhar a tendência da economia, já que o Brasil já é o segundo mercado pet do mundo", finaliza a veterinária. 

Fonte: IG PET

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Momento Pet

Conheça Pitoe, a gatinha adorável que possui escoliose

Publicados

em


source

Uma gatinha chamada Pitoe está derretendo corações dos internautas com seus registros no Instagram. Ela possui uma problema raro na coluna chamado escoliose, que deixa ela com o corpo um pouco torto, se locomovendo com um pouco de dificuldade.

Gatinha cinza com escoliose sentada em posição torta
Reprodução/ Instagram

Conheça Pitoe, a gatinha adorável que possui escoliose

Pitoe não pode pular, mas consegue correr e brincar normalmente. Ela é adorável e ótima companhia para os avós de Mari, que deu entrevista ao site Bored Panda. Antes de ser adotada pelo casal, a gatinha seria sacrificada pela sua condição dificultar a adoção.

Mesmo com o problema coluna, ela tem uma ótima saúde, e agora vive feliz com a família nova. Ela compartilha os momentos fofos da rotina na internet, onde conquista os internautas.


Fonte: IG PET

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA