Momento Saúde

Brasil teve mais de 600 mil casos de hepatite em dez anos, aponta Saúde

Publicados

em


source
Boletim epidemiológico 2020
Reprodução/Youtube/TV BrasilGov

Boletim epidemiológico 2020



Nesta terça-feira (28), Dia Mundial da Luta Contra Hepatites Virais , o Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis, da secretaria de Vigilância em Saúde para publicar o  boletim epidemiológico deste ano. O documento do Ministério da Saúde, além de apresentar o cenário epidemiológico das hepatites virais , ainda tem como objetivo propor ações e orientar sobre a doença no Brasil.

Na última década foram foram notificados 673.389 casos de hepatites virais diversas no Brasil, a do tipo C é a forma mais comum e corresponde a 37,6% de todos os casos, com grande concentração na Região Sudeste.

No mesmo período, o único grupo que apresentou aumento nas taxas de detecção de hepatite tipo B encontra-se na faixa dos 60 anos. Em coletiva de imprensa, Arnaldo Correia de Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, informou que Departamento acredita que esses dados devem-se ao programa de vacinação , que hoje inicia-se muito mais cedo na vida do cidadão.

Leia Também:  Covid-19: após quatro novos casos, Nova Zelândia põe Auckland em "lockdown"

O Brasil é signatário do Plano Estratégico Global das Hepatites Virais para eliminação até 2030, por isso, as ações de combate a doença fazem parte da lista de prioridades do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis.

“Essa meta será alcançada com o esforço contínuo dos nossos profissionais da atenção básica e da atenção especializada, com a nossa cobertura vacinal, com a nossa disponibilização dos tratamentos adequados”, declarou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.

Veja o lançamento do boletim:


ESTRATÉGIA DE ELIMINAÇÃO DAS HEPATITES

A iniciativa “Estratégia Global para Eliminação das Hepatites Virais como Problema de Saúde Pública”, criada pela OMS, conta com 194 países membros que se comprometeram a reduzir em 90% as novas infecções por hepatite e em 65% as mortes entre 2016 e 2030.

HEPATITE

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), as hepatites virais causam cerca de 1,7 milhão de mortes no mundo a cada ano, sendo o 2º maior grupo de doenças infecciosas letais do mundo. O vírus é caracterizado por atingir o fígado, gerando inflamações.

Leia Também:  Covid-19: vacina não será obrigatória, garante premiê italiano

Existem cinco tipos de infecções por hepatites virais: A, B, C, D e E. Mais de 95% das mortes são causadas pelas infecções crônicas por hepatite B e C, enquanto as hepatites A e E raramente causam doenças fatais. A hepatite D é uma infecção adicional que ocorre em pessoas que vivem com hepatite B.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Momento Saúde

Covid-19: Américas registram mais de 100 mil novos casos por dia, diz OMS

Publicados

em


source
Covid-19
Reprodução

Américas são responsáveis por grande parte dos casos confirmados da doença

Nesta terça-feira (11), um dia após o planeta atingir a marca de 20 milhões de casos confirmados desde o início da pandemia da Covid-19 , a diretora regional da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou que a doença segue em alta nas Américas e lamentou a soma de 100 mil novos casos por dia.

“Nossa região continua sob o comando da Covid-19 “, disse Etienne em entrevista virtual de Washington com outros diretores da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), segundo informações da agência Reuters.

Etienne ressaltou ainda a preocupação da entidade com os EUA, que seguem em primeiro lugar no ranking de países mais afetados pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2), o Brasil, que ultrapassou a marca de 100 mil mortes no último final de semana , e outros países, como México, Peru, Chile e Argentina, que estão em tendência de alta.

Leia Também:  Covid-19: vacina não será obrigatória, garante premiê italiano

A declaração ocorre no mesmo dia em que a OMS demonstrou preocupação com a  divulgação, por parte do governo da Rússia, do registro da primeira vacina contra a Covid-19 . Mais cedo, o porta-voz da entidade disse que o medicamento precisará passar por avaliações rigorosas antes de ser disponibilizado .

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA