Momento Saúde

CNI: 90% não fazem questão de escolher marca de vacina

Publicados

em


Noventa por cento da população quer ser vacinada contra o novo coronavírus independente da marca do imunizante, mostra pesquisa divulgada hoje (30) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O levantamento ouviu 2 mil pessoas em todos os estados do país entre os dias 12 e 16 de julho.

Entre as pessoas entrevistadas, 43% disseram que até gostariam de escolher entre as marcas de vacina disponíveis se houver essa possibilidade, mas apenas 9% afirmaram que deixariam de se vacinar se o imunizante de preferência não estivesse disponível. “O fato de o brasileiro aceitar tomar a vacina disponível nos deixa menos apreensivos, não só pela proteção individual, mas pelo benefício para toda a sociedade”, ressaltou o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

A maioria da população (62%) considera que o ritmo da vacinação no Brasil ainda é lento. Porém, 68% acreditam que a velocidade da imunização no país aumentou muito em julho em relação a junho.

Menos medo

Para 70% dos entrevistados, a pandemia de covid-19 deve perder força daqui para frente. Uma minoria (18%), no entanto, acredita que o número de casos e de mortes causadas pela doença deve aumentar.

Leia Também:  Mães lactantes enlutadas podem doar leite, reforça a Anvisa

Na comparação com a pesquisa feita pela CNI em abril, caiu de 56% para 47% o percentual de pessoas que diz ter muito medo do coronavírus. Também se reduziu a proporção de pessoas que tem medo de frequentar shoppings, de 39% para 24%. Em relação ao comércio de rua, em abril, 36% tinham medo e agora são 28%. O receio de ir a bares e restaurantes passou de 45% para 34%.

Também melhoraram as expectativas sobre a economia. Em abril, 18% viam a situação econômica do país em recuperação. Neste levantamento o percentual ficou em 43%.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Saúde

Propaganda

Momento Saúde

Casos de intoxicação por ivermectina nos EUA mais que dobram em menos de um ano

Publicados

em


source
Consumo de ivermectina preocupa especialistas
Isabela Silveira

Consumo de ivermectina preocupa especialistas

O uso indiscriminado da ivermectina , que não têm eficácia contra covid-19, tem chamado atenção das autoridades de saúde dos Estados Unidos. Enquanto o país observa uma alta no número de casos, o FDA (Food and Drug Admistration), já recebeu mais que o dobro de notificações de intoxicações graves causadas pela substância antiparasitária.

Segundo o Financial Times, até agora, a agência reguladora recebeu 49 notificações de intoxicação ou reações adversas graves relacionadas ao consumo em pessoas infectadas com o novo coronavírus. Durante todo o ano de 2020, foram 23 casos.

Se observados os números gerais, independentemente da covid-19, a estatística também aumentou. Em 2021, até este mês, foram 110 notificações, ante 99 em todo ano de 2020.

De acordo com o jornal norte-americano, o aumento na procura por esse medicamento pode ser relacionado com a promoção por analistas conservadores como um tratamento, embora o medicamento não seja aprovado para este fim.

Estudos preliminares chegaram a sugerir que ela poderia reduzir a mortalidade dos pacientes com covid-19, mas o FDA analisou que os dados atuais não sustentam a liberação da prescrição e não o aprovou. A Merck, que fabrica o medicamento, também afirmou que não há base científica para o uso a partir de estudos pré-clínicos.

A ivermectina pode ser usada por humanos em pequenas quantidades para o tratamento de vermes, parasitas e piolhos, mas é muito mais usada para tratar animais.

No Novo México, as autoridades investigam se a morte de duas pessoas com covid-19 estão relacionadas a uma eventual overdose. Desde dezembro, o estado registrou 26 overdoses em razão do medicamento. Nos meses anteriores, foram 11.

Doses muito altas da ivermectina podem causar alucinações, convulsões, tontura, distúrbios nervosos, formigamento e até mesmo levar o paciente ao coma, alertou a diretora do Centro de Informações e Medicamentos do Novo México, Susam Smolinske.

“Pare com isso”

Há alguns dias, o FDA foi às redes sociais apelar para que a população não utilize o medicamento. “Você não é um cavalo. Você não é uma vaca. Sério pessoal. Pare com isso”, dizia a postagem.

Leia Também:  SP inaugura UPA na Mooca com capacidade de 11 mil atendimentos mensais

Ao Financial Times, o pesquisador do Centro Johns Hopkins de Segurança e Saúde, Amesh Adalja, se mostrou preocupado com os dados. “Algumas pessoas estão recebendo prescrições oficiais de médicos e usando as doses humanas padrão, usadas para infecções parasitárias. Outras, obtendo a versão veterinária do medicamento e usando doses que não são calibradas, orientadas para humanos”, disse.

O jornal lembra ainda que a ivermectina foi politizada e promovida pelo ex-presidente Donald Trump, que também incentivou o uso da hidroxicloroquina – outra substância que não tem eficácia comprovada.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA