Momento Saúde

Comissão quer explicações sobre testes de Covid-19 que estão prestes a vencer

Publicados

em


source
Segundo a publicação, os exames são do tipo RT-PCR e estão estocados em um galpão em Guarulhos, na região metropolitana da capital paulista
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Segundo a publicação, os exames são do tipo RT-PCR e estão estocados em um galpão em Guarulhos, na região metropolitana da capital paulista

A comissão externa que acompanha as ações do governo federal no enfrentamento à pandemia de Covid-19 discute nesta quarta-feira (25) a existência de testes para Covid-19 prestes a perder a validade.

Neste domingo (22), o jornal O Estado de S. Paulo publicou matéria afirmando que o  Ministério da Saúde tem 6,86 milhões de testes do tipo PCR que podem perder a validade até janeiro de 2021.

Em nota, o ministério confirmou a existência de testes com data de validade próxima do fim, mas não informou a quantidade de kits nessa situação. A nota diz que o ministério aguarda “estudos de estabilidade estendida para os testes que a pasta tem em estoque”, ou seja, estudos que indiquem a viabilidade de prorrogar a data de vencimento dos testes.

Leia Também:  Anvisa analisa nesta sexta pedido para uso emergencial de 2º lote CoronaVac

“O País precisa de todos os esforços possíveis para não passar por uma segunda onda tão trágica quanto a primeira”, alertou o presidente da comissão, deputado Dr. Luiz Antonio Teixeira Jr. (PP-RJ), em postagem na internet.

O líder do PT, deputado Enio Verri (PR), criticou o governo em suas redes sociais. “O desprezo de Bolsonaro pelos 170 mil mortos e mais de seis milhões de infectados não é apenas sádico, mas é criminoso. O seu governo pode jogar fora 6,8 milhões de testes de Covid-19, de um estoque de 7,1 milhões, que perdem a validade, em dezembro”, tuitou o parlamentar.

Também nas redes sociais, Bolsonaro disse que o Ministério da Saúde enviou todo o material comprado durante a pandemia para estados e municípios. “Se algum Estado/município não utilizou deve apresentar seus motivos”, postou.

Foram convidados para discutir o assunto com os parlamentare o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo de Medeiros, o diretor do Departamento de Logística em Saúde do ministério, Roberto Ferreira Dias, o presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Carlos Lula;
e o presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Willames Freire.

Leia Também:  Variante sul-africana da Covid-19 pode reduzir ação de anticorpos

O debate está marcado as 11 horas e poderá ser acompanhado ao vivo pela internet.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Fonte: IG SAÚDE

Propaganda

Momento Saúde

Covid-19: número de casos sobem e mortes caem, segundo boletim

Publicados

em


O Brasil bateu o recorde de casos de covid-19 por semana desde o início da pandemia. Na semana epidemiológica 2 de 2021, de 10 a 16 de janeiro, foram registradas 379.061 novas pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

Os dados estão no Boletim Epidemiológico da Covid-19 mais recente do Ministério da Saúde, divulgado hoje (22), com balanço da Semana Epidemiológica 2 de 2021.  Já o número de mortes teve uma oscilação negativa de -3% em relação à semana anterior.

O novo recorde de casos marcou um aumento de 5% sobre o recorde anterior, na semana epidemiológica 1, quando haviam sido confirmados 359.593 novos casos. Na comparação com duas semanas antes, métrica utilizada por especialistas para avaliar a evolução da pandemia, foi um aumento de 50%. Na última semana epidemiológica de 2020, foram notificados 250.599 novos casos.

Com isso, a curva de casos da pandemia traz um patamar maior do que no meio de 2020, quando o pico chegou a 319.653 na semana epidemiológica 30, entre 19 e 25 de julho.

Casos de covid-19 por SE da notificação.Casos de covid-19 por SE da notificação.

Leia Também:  Covid-19: o lugar nos EUA onde uma pessoa morre a cada 6 minutos pela doença
Casos de covid-19 por SE da notificação. – Divulgação/Ministério da Saúde

Já a curva de mortes fez movimento inverso, com oscilação negativa de -3% em relação à semana anterior. Na semana epidemiológica 2 foram informadas pelas autoridades de saúde 6.665 óbitos, contra 6.906 na semana anterior.

Antes dessa oscilação, as mortes também tiveram um salto na primeira semana do ano, acompanhando a trajetória da curva de casos. Enquanto na semana epidemiológica 53 de 2020 o número de novos óbitos foi de 4.930, na semana epidemiológica 1 de 2021 ele chegou a 6.906. O novo aumento de casos não superou o pico de 2020, de 7.677 novas mortes na semana epidemiológica 30.

Óbitos por covid-19 por SE da notificação.Óbitos por covid-19 por SE da notificação.

Óbitos por covid-19 por SE da notificação. – Divulgação/Ministério da Saúde

Estados

Em relação ao número de infecções, 18 unidades da Federação tiveram incremento na semana epidemiológica 2, cinco ficaram estáveis e quatro tiveram redução. Os maiores aumentos se deram no Acre (77%) e Amazonas (47%). Já as quedas mais intensas ocorreram no Paraná (-43%) e Rio de Janeiro (-12%).

No tocante às mortes, o número de estados com acréscimo das curvas foi menor: 12. Mais seis ficaram estáveis e nove experimentaram diminuição em relação ao balanço da semana anterior.

Os aumentos mais representativos foram registrados em Roraima (200%) e Minas Gerais (33%). Amazonas, que está com o sistema de saúde colapsado, teve 32% de crescimento nas novas mortes. As quedas mais efetivas aconteceram no Paraná (-55%) e Acre (-52%).

Os casos voltaram a ficar mais fortes nas regiões metropolitanas, mas ainda em patamar bastante abaixo dos municípios do interior. Enquanto nas capitais e cidades adjacentes foram responsáveis por 39% dos novos diagnósticos positivos, as cidades do interior foram onde ocorreram 61% das novas contaminações.

Já nas mortes a participação é praticamente empatada. Os óbitos registrados em cidades do interior representaram 51%, contra 49% nas regiões metropolitanas.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA