Momento Saúde

Covid-19 é mais comum em pessoas que frequentam bares e restaurantes

Publicados

em


source
Restaurante
Pixabay

Estudo analisou o comportamento de 314 adultos americanos para determinar o resultado

Comer fora pode ser mais arriscado que viajar de transporte público ou ir à barbearia, segundo um estudo publicado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC). Os pesquisadores analisaram 314 adultos que testaram positivo e negativo para Covid-19 para identificar as potenciais diferenças de comportamento.

De acordo com o CDC, pacientes que testaram positivo para Covid-19 reportaram quatro vezes mais que estiveram em mais bares, restaurantes e cafeterias que as pessoas que se recolheram e optaram por delivery ou drive-thru. O estudo foi publicado na revista científica Live Science, que repercute que os dados não distinguem se os participantes comeram na área interna ou externa do restaurante.

Segundo a Associação Médica do Texas, nos Estados Unidos, comer na área externa de um restaurante é considerada uma prática de baixo risco para contrair o novo coronavírus. Os pesquisadores apontam que comer em local arejado é tão arriscado quanto ir ao supermercado, caminhar, correr ou andar de bicicleta.

Leia Também:  Como a pandemia de Covid-19 pode levar a uma revolução nas vacinas

Comer na área interna do restaurante, entretanto, tem risco considerado moderado alto pela Associação Médica do Texas. Na mesma categoria de risco, encontram-se jogar basquete, viajar de avião ou ir a casamento ou funeral.

Fonte: IG SAÚDE

Propaganda

Momento Saúde

Maioria dos norte-americanos deve ser vacinada contra Covid-19 até julho

Publicados

em


source
Ainda não existe vacina contra a doença, mas há várias em testes de estágio avançado no país, como as da Pfizer, da Moderna e da Johnson & Johnson
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Ainda não existe vacina contra a doença, mas há várias em testes de estágio avançado no país, como as da Pfizer, da Moderna e da Johnson & Johnson

O chefe do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, Robert Redfield, disse ao comitê do Senado do país que a maioria dos norte-americanos devem ser vacinados contra a Covid-1 9 até julho de 2021. A doença já matou mais de 200 mil pessoas nos EUA.

Redfield afirmou que acredita que haverá cerca de 700 milhões de doses de vacinas até o fim de março ou abril, o suficiente para 350 milhões de pessoas.

“Acho que vamos precisar de abril, maio, junho, vocês entendem, possivelmente julho, para que o público americano inteiro seja completamente vacinado”, disse ele ao Comitê de Saúde, Educação, Trabalho e Pensões do Senado.

Leia Também:  Estudo encontra gene responsável por resposta imune à Covid-19 na América do Sul

Apesar de ainda não existir uma vacina oficial no país, há várias em testes de estágio avançado, como as da Pfizer, da Moderna e da Johnson & Johnson. As empresas começaram a fabricar as vacinas contando com uma autorização regulatória rápida assim que for provado que funcionam.

Redfield disse que a Operação Warp Speed, grupo governamental que conta com autoridades dos departamentos da Saúde, dos Serviços Humanos e da Defesa, decidirá como alocar as vacinas nos EUA.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA