Momento Saúde

Covid-19: por que OMS diz que pandemia ainda vai durar mais do que o previsto

Publicados

em


source

BBC News Brasil

Covid: por que OMS diz que pandemia ainda vai durar mais do que o previsto
Naomi Grimley – BBC News

Covid: por que OMS diz que pandemia ainda vai durar mais do que o previsto

A pandemia de covid-19 “vai durar mais um ano do que precisa” porque os países mais pobres não estão recebendo as vacinas de que necessitam, afirma a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Bruce Aylward, um alto dirigente da OMS, disse que isso significa que a crise de covid pode “facilmente se arrastar profundamente em 2022”.

Menos de 5% da população da África foi vacinada, em comparação com 40% na maioria dos outros continentes.

O Reino Unido distribuiu mais de 10 milhões de vacinas para países necessitados. E prometeu um total de 100 milhões.

Aylward fez um apelo aos países ricos para que cedam seus lugares na fila da vacina para que as empresas farmacêuticas possam priorizar os países de baixa renda.

Segundo ele, os países ricos precisam “fazer um inventário” para ver em que pé estão com seus compromissos de doação — feitos, por exemplo, durante a cúpula do G7 em junho na Cornualha, no sudeste da Inglaterra.

“Posso dizer que não estamos no caminho certo”, afirmou.

“Nós realmente precisamos acelerar, ou sabe o que vai acontecer? Esta pandemia vai durar mais um ano do que precisa.”

Leia Também:  Cientistas alertam para validade das vacinas doadas para África

A The People’s Vaccine — uma aliança de instituições de caridade — divulgou novos números sugerindo que apenas uma de cada sete doses prometidas por empresas farmacêuticas e países ricos está realmente chegando aos seus destinos nas nações mais pobres.

Leia Também

Gráfico mostra proporção de doses prometidas por cada país e quantas foram entregues

BBC

A grande maioria das vacinas contra covid foi aplicada em países de alta renda ou renda média alta. A África é responsável por apenas 2,6% das doses administradas globalmente.

O grupo de instituições de caridade, que inclui a Oxfam e a UNAids, também criticou o Canadá e o Reino Unido por obterem vacinas para suas próprias populações por meio da Covax, o programa global apoiado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para distribuir vacinas de forma justa.

Os dados oficiais mostram que no início deste ano o Reino Unido recebeu 539.370 doses da Pfizer, enquanto o Canadá adquiriu pouco menos de um milhão de doses da AstraZeneca.

A ideia original por trás da Covax era que todos os países poderiam adquirir vacinas por meio do consórcio, incluindo os ricos. Mas a maioria dos países do G7 decidiu não fazer isso quando começou a fazer seus próprios acordos individuais com empresas farmacêuticas.

O consultor de saúde global da Oxfam, Rohit Malpani, reconheceu que o Canadá e o Reino Unido tinham tecnicamente o direito de obter vacinas por esta via, por terem investido recursos na iniciativa Covax, mas acrescentou que ainda assim era “moralmente indefensável”, uma vez que ambos haviam obtido milhões de doses por meio de seus próprios acordos bilaterais.

Leia Também:  São Paulo registra terceiro caso da variante Ômicron

“Eles não deveriam ter adquirido essas doses da Covax”, afirmou.

“Não é nada mais do que double-dipping (termo em inglês que quer dizer “obter recursos de duas fontes ao mesmo tempo”), e significa que os países mais pobres, que já estão no fim da fila, vão esperar mais tempo.”

O governo do Reino Unido destacou que foi um dos países que deu o “pontapé inicial” na Covax no ano passado com uma doação de £ 548 milhões (R$ 4,2 bilhões).

E o governo canadense fez questão de enfatizar que agora havia parado de usar as vacinas da Covax.

“Assim que ficou claro que o fornecimento que havíamos garantido por meio de nossos acordos bilaterais seria suficiente para a população canadense, transferimos as doses que havíamos adquirido da Covax de volta para a Covax, para que pudessem ser redistribuídas para os países em desenvolvimento”, afirmou Karina Gould, ministra do Desenvolvimento Internacional do país.

A Covax pretendia originalmente entregar 2 bilhões de doses de vacinas até o fim deste ano, mas até agora forneceu 371 milhões de doses.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG SAÚDE

Propaganda

Momento Saúde

Covid-19: OMS aponta baixa cobertura vacinal e testes insuficientes

Publicados

em


O mundo enfrenta “uma mistura tóxica” que resulta da baixa cobertura vacinal contra a covid-19 e um nível de testagem insuficiente, alertou hoje (1º) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus. Ele disse que é uma receita perfeita para as variantes se reproduzirem.

”O fim da pandemia não é uma questão de sorte, é uma questão de escolha”, declarou o diretor da OMS, em uma conferência de imprensa. “Globalmente, temos uma mistura tóxica de baixa cobertura de vacinação e rastreio muito baixo, uma receita perfeita para as variantes se reproduzirem e se amplificarem.”

O alerta ocorre após o surgimento da variante Ômicron do vírus SARS-CoV-2 em novembro, que colocou o mundo em pânico. Nunca uma variante causou tanta preocupação no mundo desde o surgimento da Delta.

A OMS informou que a Ômicron – também conhecida como B.1.1.529 – foi relatada pela primeira vez em 24 de novembro de 2021 pela África do Sul, enquanto o primeiro caso confirmado por laboratório foi identificado a partir de uma amostra recolhida em 9 de novembro”.

Leia Também:  Cientistas alertam para validade das vacinas doadas para África

A Ômicron preocupa os especialistas porque tem muitas mutações que podem torná-la mais contagiosa e potencialmente mais resistente às vacinas. Estudos estão em andamento para determinar se este é realmente o caso e em que medida, mas os primeiros resultados só devem estar disponíveis nas próximas semanas.

“Pelo menos 23 países em cinco das seis regiões da OMS já relataram casos da variante Ômicron, e esperamos que esse número aumente”, disse Tedros.

Houve mais quatro variantes preocupantes até agora: a Delta, que representa quase a totalidade dos casos sequenciados em todo o mundo, a Alfa, a Beta e a Gama.

A covid-19 provocou pelo menos 5.214.847 mortes em todo o mundo, entre mais de 262,26 milhões infeções pelo novo coronavírus registradas desde o início da pandemia, conforme o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no fim de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Uma nova variante, a Ômicron, foi recentemente identificada na África do Sul e, de acordo com a OMS, o “elevado número de mutações” pode implicar uma maior infecciosidade.

Leia Também:  Covid-19: SP terá busca ativa para população em situação de rua nesta quarta
Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA