Momento Saúde

Entenda a grave Covid-19 de Luciano Szafir, que recebeu alta neste sábado

Publicados

em


source
Entenda a grave Covid-19 de Luciano Szafir, que recebeu alta neste sábado
Instagram/Reprodução

Entenda a grave Covid-19 de Luciano Szafir, que recebeu alta neste sábado

Após pouco mais de um mês internado, o ator e ex-modelo Luciano Szafir venceu a batalha contra a Covid-19. Ele teve alta do hospital Copa Star, em Copacabana, na Zona Sul do Rio, neste sábado, após ficar entre a vida e a morte, como antecipou o colunista Ancelmo Gois.

“O ator e apresentador Luciano Szafir recebeu alta neste sábado, dia 24 de julho, do hospital Copa Star, no Rio de Janeiro. Luciano e sua família agradecem o carinho e energia positiva do público e da imprensa”, confirmou a assessoria de imprensa.

Aos 52 anos, Szafir foi contaminado um dia antes de receber a vacina contra o coronavírus, de acordo com sua faixa etária. Mas esta não foi a primeira vez que o ator sofreu com a doença. Em fevereiro ele teve sintomas leves, mas desta vez teve uma reação mais agressiva, com febre persistente.

No dia 7 de julho,  internado na UTI, ele precisou ser submetido a uma cirurgia para retirada de hematoma e segmento do cólon, que é última parte do intestino grosso. Durante o tratamento contra o coronavírus, o ator sofreu uma complicação no intestino grosso gerada por hematomas, sangramentos que causam acúmulos de sangue em determinado local do organismo. Especialistas ressaltam que todos os pacientes internados em estado grave são medicados com anticoagulantes, o que — em casos raros — pode ocasionar hematomas em quaisquer partes do corpo.

Leia Também:  Saúde de SP: morte de jovem investigada pela Anvisa não foi causada por vacina

Quatro dias depois da cirurgia, Szafir publicou em vídeo em sua conta no Instagram direto da UTI, afirmando “estar vivo”. “Gente, resolvi fazer esse vídeo para mostrar que estou vivo e para agradecer”, diz o artista, emocionado.

Você viu?

O boletim publicado naquele dia, 11 de julho, apontava que o quadro clínico era estável e que a melhora era “evolutiva”. Na véspera, Szafir havia sido extubado, ou seja, deixou de precisar de ventilação mecânica e passou a receber apenas suplementação de oxigênio.

Na última segunda-feira, o ator deixou a UTI do Copa Star e foi transferido para um quarto do hospital.

Entenda o caso

Mestre em epidemiologia, o médico Danilo Klein explica por que um problema no intestino pode estar relacionado ao coronavírus. Ele lembra que todos os pacientes internados em estado grave são medicados com anticoagulantes, o que — em casos raros — pode gerar hematomas em quaisquer partes do corpo, como o cólon. Grosso modo, hematomas são sangramentos que causam acúmulos de sangue em determinado local do organismo.

Leia Também:  Após atualização em sistema, SP registra mais de 22 mil casos de covid em um dia

“Todo paciente internado e imoblizado em leito, e que não se movimenta, tem um risco aumentado de fazer trombose. Para evitar a trombose e o tromboembolismo pulmonar, que é a trombose no pulmão, são utilizados medicamento profiláticos. O perigo é que, em alguns casos, isso pode evoluir para o contrário e o anticoagulante causar um hematoma”, esclarece o médico. “O hematoma pode acontecer em qualquer lugar do corpo: nos membros, no local de injeções ou até mesmo em órgãos internos”.

Klein ressalta, por outro lado, que a forma grave da Covid-19 pode ocasionar, por si só, um distúrbio intenso de coagulação no organismo, o que também resulta em hematomas.

“Por isso, sem analisar o caso, não dá para saber se o problema do ator (Luciano Szafir) surgiu por um efeito do anticoagulante ou devido à própria gravidade do caso. É preciso lembrar que não só a Covid, mas qualquer doença grave pode evoluir para a complicação de distúbrio de coagulação e sangramento”, frisa Klein.

Fonte: IG SAÚDE

Propaganda

Momento Saúde

Covid-19: mais 2,2 milhões de doses da Pfizer chegam a Viracopos

Publicados

em


Chegaram na tarde deste domingo (19), no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), mais 1,14 milhão de doses da vacina contra a covid-19 da Pfizer. Pela manhã, já havia chegado outro carregamento do mesmo tamanho, totalizando 2,28 milhões de doses.

Os imunizantes produzidos pelo laboratório norte-americano serão disponibilizados a todo o país.

Até o final de 2021, segundo a Pfizer, serão entregues 200 milhões de doses do imunizante por meio de dois contratos de fornecimento da vacina. O primeiro, fechado com o Ministério da Saúde em 19 de março, prevê a entrega de 100 milhões até o final de setembro. Já o segundo, assinado em 14 de maio, prevê mais 100 milhões de doses entre outubro e dezembro.

Vacinação

De acordo com a última atualização do Ministério da Saúde, 222,3 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 foram aplicadas no país, sendo 141,8 milhões de primeiras doses e 80,5 milhões de segundas doses ou doses únicas.

Ainda segundo a pasta, foram distribuídas, até o momento, 267,6 milhões de doses aos estados e ao Distrito Federal. Desse total, 259,4 milhões já foram entregues e 8,2 milhões estão em processo de distribuição.

Leia Também:  Saúde de SP: morte de jovem investigada pela Anvisa não foi causada por vacina

Edição: Paula Laboissière

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA