Momento Saúde

Estudo mostra eficiência de até 73,8% da CoronaVac em equipe do HC-SP

Publicados

em


Um estudo feito com mais de 20 mil profissionais da saúde do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), que foram vacinados contra a covid-19 com a vacina CoronaVac, mostrou a eficiência do imunizante em comparação ao restante da população que não tomou a vacina. A CoronaVac é fabricada pelo Instituto Butantan e pela farmacêutica chinesa Sinovac e vem sendo aplicada no país por meio do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Segundo o estudo, após os profissionais da saúde terem tomado as duas doses do imunizante, a taxa de eficiência da CoronaVac encontrada foi de 50,7% duas semanas após tomar a segunda dose, e de 73,8% a partir de cinco semanas da aplicação da segunda dose.

A pesquisa levou em conta os casos sintomáticos de funcionários e comparou esses resultados com o que é observado no restante da população da cidade de São Paulo. Hoje (7), mais cedo, um outro estudo, feito com profissionais da área da saúde de Manaus, já havia demonstrado que a CoronaVac é também eficiente com relação à variante P.1, que surgiu na capital amazonense.

Segundo os pesquisadores, o número de casos de covid-19 registrado entre os profissionais da saúde do Hospital das Clínicas que tomaram a vacina não acompanhou o crescimento exponencial dos casos que estão ocorrendo entre o restante da população.

Leia Também:  Força-tarefa flagra mais uma festa clandestina na capital paulista

No ano passado, antes da vacina estar disponível, as ocorrências de covid-19 entre os profissionais da área de saúde do Hospital das Clínicas cresciam no mesmo nível do restante da população. Com o início da vacinação entre os profissionais da saúde, essa tendência mudou.

Na terceira semana do mês de janeiro deste ano, quanto teve início a vacinação para os profissionais da saúde do estado de São Paulo, a capital paulista havia registrado 16,2 mil novos casos de covid, enquanto que, no Hospital das Clínicas, maior complexo hospitalar da América Latina, ocorreram 51 casos. Já na última semana do mês de março, foram registrados 23,9 mil novos casos entre a população paulistana e 46 no Hospital das Clínicas.

Representação do número de casos semanais de COVID-19 na cidade de São Paulo (SP) e entre profissionais de saúde do HCFMUSP. As setas marcam a administração das 2 doses de CoronaVac no hospital.  Representação do número de casos semanais de COVID-19 na cidade de São Paulo (SP) e entre profissionais de saúde do HCFMUSP. As setas marcam a administração das 2 doses de CoronaVac no hospital.

Representação do número de casos semanais de COVID-19 na cidade de São Paulo (SP) e entre profissionais de saúde do HCFMUSP. As setas marcam a administração das 2 doses de CoronaVac no hospital. – Divulgação/HCFMUSP

Se essa mesma tendência de crescimento observada na população paulistana se repetisse no Hospital das Clínicas, os pesquisadores calculam que haveria 175 casos entre os profissionais de saúde do complexo em março. No entanto, o que foi observado é que, com a vacinação, esse número de infecções pelo novo coronavírus foi 73,8% menor entre os imunizados.

Os profissionais da saúde desse complexo hospitalar, que reúne oito institutos, foram vacinados entre os dias 18 e 21 de janeiro, com a primeira dose, e entre 14 e 16 de fevereiro, com a segunda dose. “Nesse estudo, falamos em efetividade da vacina porque é uma aplicação na vida real, diferente do que é realizado nos ensaios clínicos, que avaliam a eficácia em condições específicas e consideradas ideais. Esse estudo com os funcionários do HC, que vacinou um número grande de pessoas, é fundamental porque corrobora os resultados obtidos nos estudos clínicos do Butantan”, disse Anna Sara Levin, chefe da Divisão de Moléstias Infecciosas e Parasitárias do HCFMUSP.

O estudo feito entre os profissionais do hospital também avaliou a ocorrência de variantes do coronavírus. Dentre 142 amostras analisadas aleatoriamente, 67 foram identificadas como variantes, das quais 57 do Amazonas (P1), 5 do Reino Unido (B.1.1.7) e outras 5 que não puderam ser identificadas pelos métodos utilizados no estudo.

Edição: Claudia Felczak

Fonte: EBC Saúde

Propaganda

Momento Saúde

Estudo mostra que 55% dos britânicos têm anticorpos contra Covid-19

Publicados

em


source
Estudo mostra que 55% dos britânicos têm anticorpos contra Covid-19
Pixabay

Estudo mostra que 55% dos britânicos têm anticorpos contra Covid-19

Um nova pesquisa mostra que uma em cada duas pessoas que vive no Reino Unido já apresenta anticorpos contra o coronavírus Sars-CoV-2, informou o Escritório Nacional de Estatísticas (ONS) nesta quarta-feira (14). O estudo aponta que os moradores adquiriram a defesa por ter contraído a Covid-19 ou por terem sido vacinados.

Em números totais, 55% dos cidadãos já têm os anticorpos, sendo que Inglaterra e Irlanda do Norte (54,9%) têm os maiores índices. O País de Gales tem 49,1% e a Escócia tem 46% na semana encerrada em 28 de março.

“Em todos os quatro países do Reino Unido, existe um padrão claro entre a vacinação e os testes positivos para anticorpos da Covid-19, mas a detecção de anticorpos em si não é uma medida precisa da proteção da imunidade dada pela vacinação”, pontua ainda o documento.

O Reino Unido é um dos mais avançados no mundo na aplicação das vacinas anti-Covid, com mais de 40,1 milhões de doses aplicadas até esta quarta-feira. São 32,2 milhões de pessoas que receberam ao menos uma das doses e 7,8 milhões totalmente imunizadas.

Com isso, além do restrito lockdown imposto entre janeiro e fim de março, os números da terceira onda da pandemia de Covid-19 despencaram com uma média de 34,4 mortes e 2,7 mil casos por dia. Em dados totais, os britânicos somam 4.390.801 contágios confirmados e 127.369 óbitos na pandemia. 

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA