Momento Saúde

Estudo: vacinas atuais não protegem contra novas infecções da Ômicron

Publicados

em

Vacina contra Covid-19
Reprodução: BBC News Brasil

Vacina contra Covid-19

A alta de casos de Covid-19 no Brasil e em outros países leva a uma série de dúvidas, uma vez que grande parte da população está vacinada ou foi contaminada recentemente durante a primeira onda da variante Ômicron, provocada pela BA.1, em janeiro. No entanto, a ocorrência cada vez mais comum de reinfecções pode ser explicada pela prevalência de novas versões do vírus: as sublinhagens BA.4 e BA.5, que crescem no mundo.

Um novo estudo, publicado na revista científica The Lancet Infectious Diseases, mostra que as subvariantes conseguem escapar dos anticorpos gerados tanto pelas infecções anteriores, como as durante os primeiros meses do ano, como pelos imunizantes. Porém, reforça que as vacinas continuam a proteger contra as formas graves da doença.

O trabalho, conduzido por pesquisadores alemães, se soma a outras evidências publicadas nas últimas semanas, nos periódicos Nature e New England Journal of Medicine, que também constataram a baixa eficiência dos anticorpos em neutralizar as sublinhagens atuais. Em todos os estudos, os dados foram obtidos por meio da análises de amostras em laboratório.

Segundo a última análise do Instituto Todos pela Saúde (ITpS), feita com dados dos laboratórios Dasa e DB Molecular, a proporção de casos prováveis da BA.4 e BA.5 no Brasil passou de 44% para 79,3% durante o mês de junho. As demais amostras são da sublinhagem BA.2. No mesmo período, a positividade da Covid-19 – percentual dos testes com resultado positivo – subiu de 38,9% para 49,1%.

Leia Também:  Covid-19: Brasil registra 7.198 casos e 57 mortes em 24 horas

Novo estudo

Os responsáveis pelo estudo da Lancet avaliaram a ação dos anticorpos após infecção pela BA.1 e BA.2 – subvariantes que circulavam no início do ano –, após a aplicação de três doses da vacina da Pfizer/BioNTech e também após uma combinação dos imunizantes com a contaminação. A última, chamada de imunidade híbrida, demonstrou a maior atividade de neutralização do vírus entre as três, embora seja menor em comparação à observada para versões anteriores do patógeno.

“A robusta evasão da neutralização pela BA.4 e BA.5 indica que estas são variantes de evasão da resposta imune e que são mais aptas que a BA.1 ou a BA.2 para se espalhar em populações vacinadas, em (pessoas durante) recuperação da (infecção pela) Ômicron, ou ambos”, escreveram os pesquisadores.

Ainda assim, eles ressaltam que os imunizantes conferem proteção contra hospitalização e óbito pela Covid-19 – eficácia que pode ser observada com o crescimento da curva de internações e mortes em ritmo consideravelmente menor que o número de casos da doença.

“A vacinação ainda protegerá contra doenças graves induzidas por essas variantes, mas a proteção pode ser um pouco menos eficiente do que a medida para variantes circulantes anteriormente”, afirma Markus Hoffmann, um dos autores do estudo, em comunicado.

Vacinas para a Ômicron e anticorpos monoclonais Essa menor proteção leva diversas farmacêuticas a desenvolverem novas versões dos imunizantes, principal estratégia de combate ao vírus. Recentemente, a Pfizer/BioNTech e a Moderna divulgaram dados de eficácia de uma nova dose de reforço feita especificamente para a variante Ômicron.

Leia Também:  Anvisa recebe pedido de registro de teste para varíola dos macacos

As aplicações aumentaram de 8 a 19 vezes o número de anticorpos neutralizantes para a subvariante BA.1, mas em ambas as formulações o crescimento foi cerca de três vezes menor para as sublinhagens BA.4 e BA.5.

Ainda assim, os laboratórios defendem que se trata de uma opção eficiente para as versões atuais da Ômicron, e buscam um aval da FDA para darem início à distribuição a partir de setembro.

Além das vacinas, os cientistas do estudo publicado na Lancet testaram ainda a eficiência de terapias com anticorpos monoclonais utilizados hoje em neutralizar as novas subvariantes. Entre dez tratamentos analisados, apenas um, o Bebtelovimab, da farmacêutica Eli Lilly, conseguiu bloquear a infecção pela BA.4 e BA.5. A terapia foi aprovada pela Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos EUA, em fevereiro para uso emergencial, mas ainda não recebeu o aval no Brasil.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Propaganda

Momento Saúde

Saiba qual frequência o lençol deve trocado e lavado

Publicados

em

Prefira lençóis de algodão e linho aos sintéticos, porque esquentam menos
Thinkstock/Getty Images

Prefira lençóis de algodão e linho aos sintéticos, porque esquentam menos

Você já se perguntou com que frequência deveria trocar e lavar o lençol da sua cama? É uma indagação simples, mas pesquisas recentes mostram que muitas pessoas tem hábitos errados quanto o assunto e prolongam por muito tempo a ida da roupa de cama a máquina de lavar. Muito mais do que o período recomendado por especialistas e acabam ajudando na proliferação de germes e bactérias naquilo que deveria ser um dos lugares mais limpos da casa, a cama.

Uma pesquisa feita no Reino Unido, pela YouGov, por exemplo, mostra que a idade e o gênero têm grande relação com o descuido na hora de levar lençóis para a lavagem. Qualquer pessoa que considere passar a noite na casa de um jovem adulto deve tomar cuidado. O estudo, de 2016, ouviu cerca de 1000 pessoas, desses, 37% dos menores de 30 anos, esperam até quase dois meses para lavar seus lençóis.

O número é surpreendente quando descobrimos que quase 50% das pessoas com mais de 45 anos lava seus lençóis toda semana. Os jovens adultos acreditam que “higienizar regularmente” a roupa de cama é a cada duas semanas, e 58% desse público faz isso. 1 em cada 10 troca a roupa de cama semanalmente.

A pesquisa também apontou que o gênero também importa. Os homens em geral são mais descuidados nas atitudes em relação aos lençóis limpos do que as mulheres. 44% das mulheres limpam seus lençóis pelo menos uma vez por semana, em comparação com 32% dos homens.

Leia Também:  Navio é barrado no Porto de Santos por trazer varíola dos macacos

6% de homens e mulheres, no entanto, formam o “grupo central imundo” que higieniza os lençóis no mínimo a cada sete semanas.

Mas qual é o período certo para a retirada e higienização das roupas de cama? a companhia de saúde, Sleep Foundation, recomenda que a maioria das pessoas lave seus lençóis uma vez por semana. Entretanto, para aqueles que tem bichos de estimação dentro de casa e que dormem em cima da cama, o ideal seria lavar a cada 3 a 4 dias – pelo menos duas vezes durante a semana.

Isso porque, por mais que os bichanos estejam dentro de casa, eles ainda carregam bactérias e sujeiras que podem ser prejudiciais a nossa saúde. Sem contar que os nossos lençóis absorvem toda a nossa sujeira como suor, fluídos e óleos corporais e os temidos ácaros, criaturas microscópicas que se alimentam das células da pele. Um colchão usado típico pode ter de 100.000 a 10 milhões dessas bactérias.

Ainda segundo o estudo, nós perdemos cerca de 3,9 quilos de células de pele ao longo de 365 dias e grande parte disso inevitavelmente acaba nas camas, lugar onde passamos um terço de nossas vidas.

Outro estudo

Uma pesquisa um pouco mais antiga da mesma empresa, YouGov, de 2014, separou os britânicos em grupos dos mais limpos ao sem limpeza nenhuma. Apenas 3% do público inglês lava seus lençóis mais de uma vez por semana e são considerados os “maníacos por limpeza”, um terço deles, ou seja 33%, se enquadra na categoria “limpadores semanais” e o maior grupo é o “limpadores a cada duas semanas”, com 35%.

Leia Também:  Alimentos ultraprocessados podem contribuir para perda cognitiva

Há um outro grupo, mais abaixo, considerado sem limpeza nenhuma que são pessoas que esperam até sete semanas para limpar o lençol da cama e cerca de 37% desse grupo, ou seja, mais de um terço, são jovens de 18 a 24 anos. Como medida de comparação, a porcentagem desse grupo cai para 14% entre pessoas com mais de 60 anos.

Os homens e as mulheres também têm uma pequena diferença no tempo em que sentem que os lençóis se tornam “nojentos”. Para o sexo masculino, a roupa de cama fica insustentável depois de seis semanas sem uma higienização. Já para as mulheres, o ideal é não deixar de levar para a máquina de lavar passar de 5 semanas.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI