Momento Saúde

Fake news da Covid-19 vão de pacientes zumbis a contágio por canibalismo

Publicados

em


source
Morcego
Pixabay/Creative Commons

Não existem provas científicas da relação entre os morcegos e o coronavírus

Desde o início da pandemia da Covid-19 , doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), muita desinformação circulou na internet, redes sociais e grupos de WhatsApp. Entre as histórias mais bizarras estão pacientes que se tornam zumbis depois de contaminados, contágio por meio de canibalismo e rumores de que o primeiro caso registrado seria de um ser humano que tee relações sexuais com um morcego.

Levando em conta o período de 1º de janeiro a 31 de agosto, a agência Lupa, especializada em checagens, analisou 8.704 dessas histórias. A seguir, confira as mais bizarras já vistas até agora.

Zumbi?

Essa história é de 28 de janeiro e viralizou no Brasil. A narrativa diz que um paciente infectado pelo novo coronavírus havia mordido a jugular de um médico nos Estados Unidos, cena bastante comum em cenas de filme de ficção científica. Ela foi criada por meio de uma captura de tela feita de uma suposta reportagem sobre o caso publicada pelo jornal O Globo . A montagem usava um link encurtado falso e o caso relatado nunca ocorreu.

Canibalismo

Ainda no início da pandemia, quando ainda não havia muita informação sobre a Covid-19, uma publicação tentava explicar a origem da doença. O post nas redes sociais mostrava a foto de um homem chinês que segurava o que parecia ser um feto em uma bancada de cozinha. Ele estaria passando por uma preparação para ser comido. Segundo a publicação, o canibalismo teria resultado no aparecimento do novo coronavírus. A imagem, no entanto, se trata de uma performance feita no ano 2000 pelo artista chinês Zhu Yu, que faz simulações de estar comendo pessoas.

Leia Também:  Brasil confirma 14.318 casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Coronavírus como arma

No dia 28 de fevereiro, uma história que bombou dizia que um assaltante havia sido preso na Flórida (EUA) depois de usar a tosse como arma. Isso porque ele teria testado positivo para a Covid-19. O conteúdo foi compartilhada por meio de uma montagem que exibia uma suposta reportagem feita por uma rede de TV. “Se chamar a polícia, vou tossir”, dizia a imagem, que na verdade era um meme produzido por um site humorístico.

Ninguém sai

Outra história, que acabou viralizando em 3 de março, na Espanha, narrava o terror que 86 clientes de um prostíbulo passaram ao descobrir que uma das profissionais do estabelecimento estava com a Covid-19. A casa, de acordo com a narrativa, teria sido colocada em quarentena com todo mundo dentro. A história original foi criada por um jornal online satírico e foi compartilhada sem mençionar a fonte.

Sexo com morcegos

Ainda não se sabe como o novo coronavírus surgiu, mas pesquisas científicas sugerem que ele teria migrado de animais para seres humanos. Com base nisso, um post desmentido em 28 de março na Índia dizia que o primeiro caso de Covid-19 ocorreu por meio de uma relação sexual entre um humano e um morcego. O artigo, porém, teve origem em um site humorístico que não deixa isso muito claro para o leitor.

Leia Também:  Brasil adere a aliança para aceleração da vacina contra a covid-19

Conspiração

A teoria da conspiração de que as mortes seriam inventadas foi muito compartilhada no Brasil. A história diz que houve uma “farsa da pandemia” com o enterro de caixões vazios. Ela foi desmentida em 6 de abril e uma variação dela é que os Estados Unidos estariam usando manequins como se fossem pessoas mortas pela Covid-19 para assustar a população. Na verdade, as imagens foram capturadas de um vídeo que explica como funciona a ventilação mecânica e não usou pacientes reais.

Sangue de cobra

Os americanos também foram acusados em posts falsos de terem iniciado a pandemia. Um vídeo que viralizou afirmava que fuzileiros navais dos Estados Unidos foram treinados na Tailândia e teriam sido obrigados a beber sangue de cobra, que é predadora de morcegos. Assim, ficaram infectados pelo novo coronavírus. Depois disso, o grupo viajou à cidade de Wuhan, na China, para participar dos Jogos Mundiais Militares de 2019 e contaminou outras pessoas.

Sono profundo

Depois de um dia exaustivo, o funcionário de um crematório em Nova York resolveu tirar uma soneca. Um colega de trabalho, porém, não percebeu que ele estava dormindo e acabou o queimando vivo. O post teve origem em um site humorístico, mas acabou circulando sem esse contexto na Malásia e foi desmentido em 28 de abril.

Fonte: IG SAÚDE

Propaganda

Momento Saúde

Brasil confirma 14.318 casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Publicados

em


.

Nas últimas 24 horas, o Brasil confirmou mais 14.318 casos de pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Na mais recente atualização dos números da doença no país, divulgada no fim da tarde de hoje (27), o Ministério da Saúde também acrescentou 335 mortes ao total de óbitos em decorrência da covid-19.

Só no Brasil, a doença já tirou a vida de 141.741 pessoas. Entre o fim de fevereiro, quando o primeiro caso foi confirmado no país, e as 17h30 de hoje, 4.732.309 pessoas foram diagnosticadas com o novo coronavírus.

O número de pacientes que se recuperaram chega a 4.060.088, o que corresponde a quase 86% do total de pessoas infectadas – 530.480 pacientes continuam em acompanhamento médico.

Autoridades de saúde estaduais ainda investigam se 2.511 mortes suspeitas ocorreram em função da covid-19. Até ontem (26), havia 2.430 em apuração.

Segundo o ministério, a taxa de letalidade da doença em relação à população geral é de 3%. Ou seja, em cada 100 pessoas que adoecerem, três têm chances de morrer devido às complicações da covid-19.

Uma série de fatores pode contribuir para que o quadro de saúde de um paciente evolua para um caso grave ou resultar em morte. Idosos e quem tem pressão alta, doenças cardíacas, pulmonares, câncer ou diabetes costumam estar mais suscetíveis, devendo redobrar os cuidados.

Leia Também:  Vacinação contra febre aftosa já imunizou 166 milhões de animais

As informações são fornecidas ao Ministério da Saúde pelas secretarias dos estados. Em geral, o número de notificações aos sábados e domingos tende a ser menor que ao longo da semana devido à demora no repasse dos dados.

São Paulo

O estado mais populoso do país, São Paulo, registrou 231 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 35.108 óbitos e 972.237 casos confirmados desde o início da pandemia do novo coronavírus. Entre os diagnosticados, 831.468 pessoas se recuperaram, sendo que 106.621 passaram por internação até receber a alta hospitalar.

As taxas de ocupação dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) são de 44,4% na Grande São Paulo e 45,6% no estado. O número de pacientes internados atualmente é de 9.062, sendo 5.089 em enfermaria e 3.973 em UTI. Todos os 645 municípios têm pelo menos uma pessoa infectada, sendo que 567 cidades registram um ou mais óbitos.

Rio de Janeiro

O estado do Rio de Janeiro registra, até hoje, 261.860 casos de covid-19 e 18.278 mortes pela doença. Há ainda 514 óbitos em investigação. Entre os casos confirmados, 238.609 pacientes já se recuperaram da doença.

Leia Também:  Brasil adere a aliança para aceleração da vacina contra a covid-19

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA