Momento Saúde

Geração de lixo hospitalar no Brasil aumenta 20% em junho

Publicados

em


.

A geração de lixo hospitalar no Brasil aumentou 20% no mês de junho em comparação a igual período do ano passado. Os dados, da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), mostram, segundo a entidade, a retomada de atividades hospitalares afetadas pela quarentena da pandemia de covid-19 e o aumento no número de pacientes acometidos pela doença.

A geração de lixo hospitalar no Brasil havia caído nos meses anteriores, em meio à quarentena imposta pela pandemia de covid-19. Boa parte dos hospitais do país passaram a adiar, por exemplo, cirurgias eletivas para dar mais atenção ao novo coronavírus. A entidade registrou queda, nos meses de abril e maio, de 17% e 4,6%, respectivamente, na geração dos resíduos hospitalares. A partir de junho, no entanto, a quantidade voltou a subir.

“O aumento no número de pacientes internados para tratamento de covid-19 e a retomada de alguns serviços de saúde e atendimentos hospitalares têm levado a um crescimento no volume de resíduos de saúde coletados nas diferentes regiões do país”, disse o diretor-presidente da Abrelpe, Carlos Silva Filho. 

Leia Também:  Covid-19: 9 erros que levaram às 100 mil mortes (e 1 lição que a pandemia deixa)

De acordo com a entidade, a geração média de lixo hospitalar por pessoa infectada e internada para tratamento de covid-19 tem sido de 7,5 quilos por dia.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Momento Saúde

Estado de SP planeja comprar 10 milhões de seringas para vacina da Covid-19

Publicados

em


source
Mão preparando seringa para aplicação
Governo do Estado de São Paulo

Vacina contra a Covid-19 deve ser aprovada entre o final de 2020 e início de 2021


O estado de São Paulo está preparando a compra de 10 milhões de unidades de seringas que serão utilizadas para a aplicação da vacina da Covid-19 , doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). O planejamento ocorre em meio à rumores da  suposta falta desse tipo de item e à corrida mundial para a aprovação de um imunizante.

De acoredo com o governo estadual, a expectativa é a de que as seringas sejam entregues entre outubro e novembro deste ano. O governador João Doria (PSDB) tem prometido para janeiro o início da vacinação, caso os testes em andamento com a Coronavac, produzida em parceria entre o Instituto Butantan a a Sinovac Biotech, sejam bem-sucedidos.

Leia Também:  Brasil chega a 3 milhões de casos confirmados de Covid-19

Nesta terça-feira (11), o governo do Paraná confirmou que fará um convênio com a Rússia para viabilizar a produção da vacina russa . Segundo o governo paranaense, a parceria vinha sendo costurada com os russos desde julho.

Em entrevista à colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo , o superintende da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (Abimo), Paulo Henrique Fraccaro, disse que há risco de falta de seringas e agulhas no mundo por causa de um aumento de demanda no caso de uma vacinação ao mesmo tempo.

Mesmo após esses anúncio, a aquisição das 10 milhões de seringas não será suficiente para a imunização da população de todo o estado. Por conta disso, uma segunda compra está sendo programada para até o fim do ano.

Em situações normais com as campanhas regulares de vacinação, o estado de São Paulo consome cerca de 11 milhões de seringas por ano.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA