Momento Saúde

Losartana recolhido: o que fazer se estiver utilizando o medicamento

Publicados

em

source
Anvisa determinou o recolhimento do medicamento Losartana utilizado para tratar pressão alta
Divulgação – 23/06/2022

Anvisa determinou o recolhimento do medicamento Losartana utilizado para tratar pressão alta

Nesta quinta-feira, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou a interdição e recolhimento de lotes de alguns medicamentos com princípio ativo da Losartana . Segundo a Anvisa, “a medida foi tomada devido à presença da impureza “azido” em concentração acima do limite de segurança aceitável”.

A decisão provocou dúvidas em pacientes que usam o remédio, indicado para tratar pressão alta ou insuficiência cardíaca. A Anvisa afirma que pessoas que utilizam o medicamento não devem interromper o tratamento, “ainda que estejam usando um dos lotes afetados”. A agência ressalta que não há risco imediato em relação ao uso dessa medicação e que a medida preventiva foi adotada após a evolução do conhecimento sobre as impurezas.

Veja abaixo o tira-dúvidas sobre o recolhimento de losartana:

Quais são os lotes de losartana recolhidos? O recolhimento é referente a lotes específicos de medicamentos de losartana das empresas Ache, Biolab, Brainfarma, Cimed, Eurofarma, Geolab, Teuto, Prati, nos quais o controle de qualidade identificou a presença da impureza azido acima do nível recomendado. O número dos lotes recolhidos estão especificados no site da Anvisa. Alguns lotes da empresa Geolab também foram interditados cautelarmente. Em seu site, a Anvisa disponibilizou o número de cada um deles. Para quem toma o medicamento, o número do lote pode ser encontrado na embalagem.

Esses lotes ainda estão no mercado? A resolução da publicação que determina o recolhimento e a interdição cautelar dos medicamentos foi publicada nesta quinta-feira. Os fabricantes têm até 120 dias, contados desta quinta (23) para conclusão da retirada do mercado.

Leia Também:  Varíola dos Macacos chega a vários municipios de Mato Grosso e situação já preocupa autoridades de Saúde

O que o paciente deve fazer? Os pacientes não devem interromper o tratamento, ainda que estejam usando um dos lotes afetados, orienta a Anvisa. “Não há risco imediato em relação ao uso dessa medicação, porque não existem dados que indiquem um aumento dos eventos adversos”, diz a agência, em comunicado.

Qualquer suspeita de eventos adversos associados ao medicamento deve ser notificada à Anvisa e informada ao médico responsável. A notificação pode ser enviada diretamente à agência. Os pacientes que tiverem alguma dúvida sobre o tratamento atual devem conversar com seu médico ou farmacêutico. 

Há no mercado outras losartanas que podem substituir os medicamentos recolhidos ou interditados, mas a troca só deve ser feita com orientação médica. A Anvisa alerta que a interrupção do tratamento da hipertensão arterial e da insuficiência cardíaca pode produzir malefícios instantâneos, inclusive risco de morte por derrame, ataques cardíacos e piora da insuficiência cardíaca.

A agência orienta também aos pacientes entrarem em contato com o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) do laboratório para se informar sobre a troca do seu medicamento por um lote que não tenha sido afetado pelo recolhimento ou interdição. Os meios para contato com as empresas estão disponíveis na embalagem e bula dos produtos. “É dever da empresa fazer a substituição ou troca de medicamentos nestas condições”, afirma a agência.

De onde vêm essas impurezas? A presença da impureza azido pode ser resultado do próprio processo de fabricação do insumo farmacêutico ativo, ou seja, um subproduto de interações químicas que acontecem durante a produção da substância, esclarece a Anvisa.

Leia Também:  Covid-19: São Paulo libera quarta dose para toda população adulta

As primeiras informações, recebidas no segundo semestre de 2021, indicavam a possível presença de impurezas do grupo azido, potencialmente mutagênicas (capazes de causar mutações, ou seja, de alterar o código genético de um indivíduo) em certas substâncias ativas da classe das sartanas.

As substâncias foram identificadas em análises realizadas pelos fabricantes do medicamento no Brasil, após um pedido da Anvisa.

Qual o risco para pacientes que fazem uso contínuo desses medicamentos? O recolhimento é uma medida de precaução para evitar que os lotes com a presença de azido fiquem em circulação. A Anvisa reforça que não há risco imediato em relação ao uso dessa medicação, porque não existem dados que indiquem um aumento dos eventos adversos.

Em comunicado anterior sobre o assunto, a agência havia dito que não existem dados para sugerir que o produto que contém a impureza causou uma mudança na frequência ou natureza dos eventos adversos relacionados a cânceres, anomalias congênitas ou distúrbios de fertilidade. 

A Anvisa ressalta que a Losartana é considerado um medicamento seguro e eficaz no controle do tratamento de hipertensão e insuficiência cardíaca, reduzindo significativamente o risco de derrame e infarto. 

Fonte: IG SAÚDE

Propaganda

Momento Saúde

Covid-19: Brasil registra 220 mortes e 27,6 mil casos em 24 horas

Publicados

em

As secretarias estaduais e municipais de Saúde registraram 27.644 novos casos de covid-19 na últimas 24 horas em todo o país. De acordo com os órgãos, foram confirmadas também 220 mortes por complicações associadas à doença no mesmo período. 

Os dados estão na atualização do Ministério da Saúde divulgada nesta quinta-feira (11), com exceção do dado de óbitos do estado do Mato Grosso do Sul, que não foi informado, de acordo com a pasta federal. 

Com as novas informações, o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus durante a pandemia já soma 34.124.579.

O número de casos em acompanhamento de covid-19 está em 515.811. O termo é dado para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não tiveram alta nem resultaram em óbito.

Com os números de hoje, o total de óbitos alcançou 681.006, desde o início da pandemia. Ainda há 3.232 mortes em investigação. As ocorrências envolvem casos em que o paciente faleceu, mas a investigação se a causa foi covid-19 ainda demanda exames e procedimentos complementares.

Leia Também:  Covid-19: Brasil registra 255 mortes e 30,9 mil casos em 24 horas

Até agora, 32.927.762 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a pouco mais de 96% dos infectados desde o início da pandemia.

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (173.523), Rio de Janeiro (75.130), Minas Gerais (63.239), Paraná (44.776) e Rio Grande do Sul (40.616).

Já os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (2.023), Amapá (2.153), Roraima (2.165), Tocantins (4.189) e Sergipe (6.421).

Vacinação

Até esta quinta, o vacinômetro do Ministério da Saúde apontava um total de 470.954.665 doses de vacinas contra covid-19 aplicadas no país, desde o início da campanha de imunização. Destas, 178,6 milhões como primeira dose, 159,7 milhões como segunda e 4,9 milhões como dose única. A dose de reforço já foi aplicada em mais de 104,1 milhões de pessoas e a segunda dose extra ou quarta dose, em pouco mais de 18,5 milhões. O painel registra ainda 4,7 milhões de doses como “adicionais”, que são aquelas aplicadas em quem tinha recebido o imunizante da Janssen, de dose única.

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia de covid-19 no Brasil. Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia de covid-19 no Brasil.

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia de covid-19 no Brasil. – Ministério da Saúde

Leia Também:  'O perigo da pólio está em Nova York', diz órgão de saúde dos EUA

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI