Momento Saúde

OMS diz que remdesivir não diminui tempo de internação de pacientes da Covid-19

Publicados

em


source
Remdesivir
Getty Images

OMS avalia eficácia do remdesivir

Um estudo conduzido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) com o objetivo de avaliar a eficácia de medicamentos antivirais contra a Covid-19 afirmou que o remdesivir, apresenta pouco ou nenhum efeito para redução de mortalidade pela doença. Além disso, o medicamento também não interfere no tempo de internação dos pacientes graves, segundo a OMS.

O remdesivir, desenvolvido inicialmente para tratar o ebola, foi um dos primeiros medicamentos utilizados para tratar a Covid-19. O estudo também avaliou os efeitos de outros medicamentos e terapias que se tornaram famosos pela aplicação em pacientes da doença, como hidroxicloroquina, lopinavir e interferon. A análise foi feita em mais de 30 países, com 11 mil pacientes. 

Apesar do estudo da OMS, outras pesquisas anteriores já apontaram resultados positivos do remdesivir. Agora, a pesquisa será avaliada por outros profissionais até a versão finalizada, que será publicada na plataforma MedRxiv.

Fonte: IG SAÚDE

Leia Também:  Covid-19: vacina de Oxford gera "resposta imune robusta" em idosos, diz jornal
Propaganda

Momento Saúde

Cirurgia bariátrica é procedimento pouco acessível, diz associação

Publicados

em


No ano passado, foram feitas no Brasil 68.530 cirurgias bariátricas, 7% a mais do que no ano anterior, que registrou 63.969 procedimentos desse tipo. Os dados foram divulgados hoje (27) pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), que destacou a importância de ampliar o acesso a tais operações pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e à cirurgia metabólica pelos planos de saúde.

Na saúde pública, houve 12.568 cirurgias bariátricas em 2019 – um crescimento de 10,2%, se comparado a 2018. Na saúde suplementar, por meio de planos de saúde, foram realizadas 52.699 cirurgias bariátricas, com aumento de 6,4% em relação a 2018. Já entre as cirurgias particulares, pagas integralmente pelos pacientes, foram feitos 3.263 procedimentos no país.

Até agora, os dados de 2020 foram divulgados apenas pela saúde pública. Entre janeiro e junho deste ano, foram realizadas 2.859 cirurgias. Em 2019, no mesmo período, já tinham sido feitas 5.382 operações desse tipo pelo SUS. Segundo a SBCBM, a queda se deve à suspensão das cirurgias eletivas com o início da pandemia de covid-19.

Leia Também:  Chefe da OMS diz que "nacionalismo da vacina vai prolongar pandemia"

O total de cirurgias feitas em 2019 atendeu a 0,5% da população de portadores de obesidade grave, que atinge cerca de 13,6 milhões de pessoas no país, informou a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica. “O único tratamento comprovadamente eficaz a longo prazo para a obesidade e doenças associadas a ela como, por exemplo, o diabetes e a hipertensão, é praticamente inacessível para pessoas que dependem do sistema público e dos planos de saúde”, avaliou o presidente da Sociedade, Marcos Leão Vilas Boas.

Segundo a entidade, os estados do Amazonas, de Roraima, do Amapá, de Rondônia e do Piauí não contam com serviços de cirurgia bariátrica habilitados no SUS. Atualmente, o SUS oferece 85 serviços de assistência de alta complexidade à atenção ao indivíduo com obesidade em 22 das 27 unidades federativas.

Cirurgia metabólica

A entidade defende a inclusão da cirurgia metabólica – indicada para portadores de diabetes que não conseguem o controle da doença com medicamentos – no rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). O procedimento, que já foi regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), atualmente está em consulta pública na ANS para obter a cobertura pelos planos de saúde.

Leia Também:  Rússia tem recorde de mortes diárias e passa a obrigar uso de máscara

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica informou que, nos últimos anos, conduziu estudos de custo e efetividade e também estudos clínicos randomizados que comprovam a remissão do diabetes em pacientes que passam pela cirurgia metabólica. A entidade propõe que, a cirurgia, hoje oferecida aos pacientes com obesidade, seja coberta também para pacientes com diabetes tipo 2.

“Nós temos a cirurgia para o diabetes plenamente regulamentada por uma série de resoluções, mas essa tecnologia não está plenamente acessível no SUS e aos usuários dos planos de saúde. A cirurgia demonstra, tanto no Brasil quanto fora, que é extremamente custo-eficaz. O impacto orçamentário é adequado e capaz de ser absorvido pelo sistema de saúde. O setor seria impacto por apenas dez centavos por mês e por usuário”, afirmou Vilas Boas.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA