Momento Saúde

Pandemia: 82% dos dentistas continuaram atendimento, diz pesquisa

Publicados

em


.

Pesquisa feita pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO) com 40 mil cirurgiões-dentistas entre os dias 25 de junho e 3 de julho revelou que 82% desses profissionais continuam exercendo a odontologia durante a pandemia do novo coronavírus, mas seguindo os cuidados de biossegurança recomendados pela entidade.

Desse total, 72% disseram que continuaram trabalhando com as restrições exigidas, entre as quais alteração do horário de atendimento, menor número de auxiliares, prioridade para urgências e emergências; 10% afirmaram continuar trabalhando sem qualquer tipo de restrição; e 18% interromperam os trabalhos nesse período. O Presidente do CFO, Juliano do Vale, afirmou que essa é a primeira vez na história do Sistema Conselhos que o trabalho foi feito nessa escala. 

O Brasil tem quase 340 mil cirurgiões-dentistas com inscrição ativa. Todos foram ouvidos e, desses, 40 mil participaram da consulta. “A partir daí, tivemos a oportunidade de analisar o cenário atual e propor melhorias de acordo com as necessidades e particularidades de cada região do país”, disse Vale.

O presidente do CFO considera que os cirurgiões-dentistas e suas equipes de auxiliares e técnicos “são os profissionais mais aptos à retomada do trabalho, frente à crise sanitária enfrentada atualmente no país, considerando o conhecimento em biossegurança adquirido em ambiente acadêmico e fortalecido neste momento”.

Rede pública

Outra pesquisa, feita pelo Programa de Pós-Graduação em Odontologia da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) entre os dias 15 e 24 de maio deste ano, revela que as consultas odontológicas na rede pública de saúde caíram, em média, 83,5%, nesse período em que o Brasil era declarado o novo epicentro da pandemia do novo coronavírus e a curva epidêmica de contágio subia. Foram entrevistados três mil dentistas de todo o país que atendiam pacientes nos sistemas público e privado de saúde.

Falando hoje (28) à Agência Brasil, o professor Rafael Moraes, da Faculdade de Odontologia da UFPEL, coordenador da pesquisa, informou que as regiões que apresentaram os maiores índices de queda dos atendimentos odontológicos na rede pública foram o Nordeste, com 88,5% e o Norte, com 86,5%, seguidos do Centro-Oeste e Sudeste, com 82,5% e 82,4%, respectivamente. A região que apresentou a menor taxa de redução das consultas na rede pública de saúde foi o Sul, com 77,4%.

Leia Também:  AM: restrição na circulação de pessoas será de 24h a partir de amanhã

Na rede privada, o Nordeste também liderou a queda dos atendimentos odontológicos, com 83,1%, enquanto Centro-Oeste e Sul mostraram os menores índices (61,1% e 50,7%, cada). Nos consultórios particulares, as consultas caíram, no período, 68,2%, de acordo com a sondagem nacional. Considerando os atendimentos nas redes pública e privada, o estado que teve a menor redução de consultas foi o Rio Grande do Sul (64%), enquanto o Ceará registrou a maior queda (93%). Rafael Moraes destacou que, “em maio, o Nordeste estava com mais casos e óbitos, o que reflete bem o cenário”.

Os profissionais odontólogos que responderam à pesquisa afirmaram ter muito medo de contrair a covid-19, sendo 58,3% no Nordeste, 57,3% no Norte, 43,6% no Sudeste, 40,9% no Centro-Oeste e 33,4% no Sul.

Oitenta e quatro por cento dos consultados consideraram alto ou muito alto o impacto da pandemia na sua rotina de trabalho, gerando gastos financeiros. Segundo relatou Rafael Moraes, esse impacto levou a mudanças na infraestrutura física da clínica, como reformas, restrição a acompanhantes, afastamento de cadeiras; compra de equipamentos de proteção individuais (EPIs) diferentes dos habituais, mais caros e mais desconfortáveis, como máscaras N95, escudos faciais, jalecos descartáveis; adoção de novos procedimentos na triagem de pacientes, entre os quais medir a temperatura, aplicar questionário específico para covid-19, bochechos antimicrobianos. A odontologia é considerada uma das profissões com maior risco de contágio por covid-19 devido à proximidade de contato com pacientes, saliva e sangue, indica a pesquisa da UFPEL.

Contágio

O presidente do CFO, Juliano do Vale, salientou, por sua vez, que o risco de contágio da covid-19 nos consultórios odontológicos é semelhante ao de qualquer outro ambiente que presta serviços de saúde. Segundo expôs, o risco de contaminação dos consultórios odontológicos “pode ser minimizado ou até mesmo eliminado, se forem adotadas todas as recomendações que envolvem métodos de desinfecção e esterilização de equipamentos, instrumentais e materiais odontológicos e o uso adequado de equipamentos de proteção individual”. Destacou também que o cirurgião-dentista e a equipe técnica possuem preparo profissional para lidar “com ambientes de alto risco biológico”.

Leia Também:  Butantan inicia distribuição de 2º lote de vacinas após aval da Anvisa

Campanha

Visando encontrar alternativas para manter os cuidados com a saúde bucal da população durante a pandemia, foi lançada recentemente pela Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (Abimo) a campanha Todos Pela Odontologia. O projeto está sendo conduzido com apoio de sindicatos, profissionais e empresas do setor. O presidente do CFO, Juliano do Vale, afirmou que a adesão à campanha ratifica a importância da união para enfrentamento da doença provocada pelo novo coronavírus.

“Como a primeira etapa da campanha tem como foco a biossegurança, o CFO contribui com a disponibilidade do conteúdo técnico produzido desde o início da pandemia. O material é composto por recomendações, medidas protocolares específicas e cuidados a serem adotados no ambiente clínico, consultórios ambulatoriais, Unidades de Terapia Intensiva, pelo cirurgião-dentista, pela equipe auxiliar e pelos pacientes”, reiterou Vale.

O CFO publicou dois manuais, sendo um voltado para boas práticas em biossegurança para ambientes odontológicos e outro direcionado para boas práticas em biossegurança e desinfecção de materiais de moldagem e moldes para profissionais de prótese dentária, elaborados em parceira com o Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico (ILAPEO) e o International Team for Implantology (ITI).

A campanha da Abimo apresenta lives (eventos ao vivo pela internet) e materiais que reforçam a importância da saúde bucal durante a pandemia. Um dos materiais distribuídos foi o Manual de Biossegurança, produzido pela empresa Neodent, de implantes dentários, durante o movimento #ContaComigo, que envolveu diversos profissionais ao longo dos últimos meses. 

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Propaganda

Momento Saúde

Rio começará na quarta-feira a vacinar profissionais de saúde idosos

Publicados

em


Os profissionais de saúde da cidade do Rio de Janeiro com ao menos 60 anos que atuam nas redes pública ou privada poderão procurar 236 clínicas da família e centros municipais de saúde, a partir das 12h da próxima quarta-feira (27), para serem imunizados contra a covid-19. A vacinação desse grupo deve ocorrer até o dia 3 de fevereiro

Estão incluídos nessa lista enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, biólogos, biomédicos, farmacêuticos, odontólogos, fonoaudiólogos, psicólogos, assistentes sociais, profissionais de educação física, médicos veterinários e seus respectivos técnicos e auxiliares, bem como funcionários do sistema funerário que tenham contato com cadáveres potencialmente contaminados.

Para receber a vacina, esses profissionais deverão levar documentação e comprovante de seus conselhos de classe. A vacinação também continuará para os funcionários de urgência e emergência das unidades hospitalares envolvidos no atendimento à covid-19 e para os que realizam exames da doença.

A Secretaria Municipal de Saúde orienta o restante da população a não procurar postos de vacinação neste momento, já que a imunização permanece restrita a uma parte dos grupos prioritários, definida pelo Ministério da Saúde.

Leia Também:  AM: restrição na circulação de pessoas será de 24h a partir de amanhã

Na semana passada, a imunização começou pelos idosos e maiores de idade com deficiência que moram em abrigos de longa permanência, além dos profissionais que atuam nestes locais. Também começaram a ser vacinados com a primeira remessa de imunizantes os trabalhadores da saúde que atuam na linha de frente contra a covid-19 e a população indígena que vive em aldeias.

A primeira semana de vacinação contou apenas com as primeiras 6 milhões de doses da CoronaVac produzidas no Instituto Butantan em parceria com o laboratório Sinovac. Nesta semana, começarão a ser aplicadas 2 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford, importadas prontas da Índia, onde foram produzidas pelo Instituto Serum. Os dois imunizantes possuem autorização de uso emergencial na Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que atestou sua segurança e eficácia na prevenção da covid-19.

A cidade do Rio de Janeiro já aplicou cerca de 60 mil doses da CoronaVac, das 115 mil disponibilizadas inicialmente para uso. Como a vacina requer uma segunda dose a ser recebida em menos de um mês, foram reservadas outras 115 mil unidades para a aplicação dos que receberam a primeira dose.

Leia Também:  Butantan inicia distribuição de 2º lote de vacinas após aval da Anvisa

No caso da vacina AstraZeneca/Oxford importada da Índia, as 76 mil doses já recebidas pela prefeitura serão aplicadas imediatamente, seguindo orientação do Programa Nacional de Imunizações e da Fundação Oswaldo Cruz. No caso dessa vacina, a dose de reforço só deve ser aplicada três meses após a primeira dose.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA