Momento Saúde

Rio de Janeiro: Estado tem aumento de 40% na média móvel de óbitos por Covid-19

Publicados

em


source
Rio de Janeiro: Estado tem aumento de 40% na média móvel de óbitos por Covid-19
SILVIO AVILA

Rio de Janeiro: Estado tem aumento de 40% na média móvel de óbitos por Covid-19

Pelo segundo dia seguido, o Estado do Rio apresenta um crescimento da média móvel de mortes, que neste domingo chegou a 209 óbitos por Covid-19 diários. Dados da secretaria estadual de Saúde mostram que o Rio registrou 71 novas mortes por Covid-19 e quase 600 casos da doença. Desde o início da pandemia foram 52.998 vítimas do coronavírus e ao menos 906 mil pessoas infectadas

A média móvel passa a ser de 3.039  casos e 209 mortes por dia. Em relação a duas semanas atrás, houve um aumento de 40% no número de óbitos, o que indica uma tendência de aumento na intensidade do contágio, pelo 2 º dia seguido. Foram 51 dias seguidos de alternância entre estabilidade ou queda do indicador até este sábado, quando voltou a apresentar crescimento, com aumento de de 34%.

A média móvel de 7 dias faz uma média entre o número de mortes do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o “ruído” causado pelos fins de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão. 

Como na última semana houve o feriado de Corpus Christi é possível que o aumento do indicador nos últimos dois dias seja fruto do represamento de dados durante o feriado. No início da última semana, a cidade do Rio chegou a ficar dois dias sem novos óbitos divulgados. Na ocasião a prefeitura afirmou que os dados seriam inseridos durante a semana.

Leia Também:  É seguro misturar vacinas Sputnik V e AstraZeneca, diz Fundo Russo

De acordo com a secretaria estadual de Saúde, na última semana “houve um aumento de notificações de casos represados por parte de alguns municípios”. A pasta afirma que “isso não significa dizer que os casos ocorreram nesta semana, apenas  foram inseridos no sistema nestas datas, gerando o aumento observado.”

Segundo a secretaria municipal de Saúde do Rio, a data de divulgação do óbito é influenciada pelo fluxo de notificação e registro dos óbitos nos sistemas, portanto não se aplica à data em que o óbito ocorreu e por isso utiliza para a avaliação epidemiológica utiliza “a média móvel de óbitos por data de início de sintomas, na qual, no momento, não há o incremento informado”.

Você viu?

A análise dos dados foi feita a partir do levantamento do consórcio de veículos de imprensa formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo, que reúne informações das secretarias estaduais de Saúde.

Rio pode vacinar todos até setembro, caso ritmo de imunização se mantenha

Em agenda neste domingo, o prefeito Eduardo Paes se mostrou otimista com uma possível antecipação do calendário de vacinação contra a Covid-19 na cidade do Rio. O prefeito afirmou que caso o ritmo de vacinação se mantenha como o atual pode ser possível antecipar as datas em até um mês, o que permitiria toda a população carioca acima de 18 anos ser vacinada até meados de setembro.

“Do jeito que está indo, se continuar esse fluxo, estamos muito otimistas com a possibilidade até de acelerar. Quem sabe não conseguimos ganhar até um mês. Ainda é uma especulação. Avançamos quase uma década em duas semanas. Se continuar nesse ritmo as noticias podem ser boas. É um achismo meu, nada ainda oficial”, afirmou.

Leia Também:  Rio de Janeiro retoma aplicação da primeira dose contra a Covid-19

O primeiro calendário divulgado pela prefeitura em maio que contempla todos os adultos prevê que o último grupo a ser vacinado seria o de jovens com 18 anos entre os dias 21 e 23 de outubro. Entretanto, nas últimas duas semanas a prefeitura conseguiu antecipar o calendário para imunizar todas as pessoas acima de 50 anos até o dia 19 de junho — enquanto a previsão original era apenas concluir essa faixa etária no início de julho.

Essa antecipação depende principalmente da chegada de novas doses de vacinas contra a Covid-19. A cidade do Rio possui uma capacidade de aplicar cerca de 73 mil doses diárias, mas hoje aplica cerca da metade.

Paralelamente ao calendário municipal do Rio, o governo do estado vacina pessoas com síndrome de Down, autismo, paralisia cerebral, nanismo e mielomeningocele (espinha bífida) com 18 anos ou mais, que residam na capital. A imunização é realizada no estacionamento do Estádio Célio de Barros, de segunda a sexta, das 9h às 16h, e requer o agendamento prévio, que pode ser feito no portal do governo do Estado.

Fonte: IG SAÚDE

Propaganda

Momento Saúde

Rio: 24 cidades estão sem mortes por covid-19 há duas semanas    

Publicados

em


Dos 92 municípios do estado do Rio, 24 estão há duas semanas sem registrar mortes por covid-19. O levantamento é de técnicos da Secretaria de Estado de Saúde (SES), divulgado nesta sexta-feira (30). A análise levou em consideração dados das semanas epidemiológicas 27 e 28, período de 4 a 17 de julho.

As cidades sem óbitos provocados pela doença são: Aperibé, Armação dos Búzios, Arraial do Cabo, Cambuci, Cantagalo, Cardoso Moreira, Carmo, Comendador Levy Gasparian, Cordeiro, Duas Barras, Italva, Itaocara, Laje do Muriaé, Macuco, Miguel Pereira, Paracambi, Paty do Alferes, Rio das Flores, Santa Maria Madalena, São José de Ubá, São Sebastião do Alto, Sumidouro, Trajano de Moraes e Varre-Sai.

O secretário estadual de Saúde, Alexandre Chieppe disse que é importante destacar que essa análise não pode ser feita com semanas tão próximas. “É preciso respeitar 15 dias, ao menos, para que as informações estejam mais consolidadas. O resultado é consequência da vacinação no estado do Rio de Janeiro, que já atingiu mais de 50% de toda população fluminense adulta com ao menos uma dose da vacina”, avaliou.

Leia Também:  Rio de Janeiro retoma aplicação da primeira dose contra a Covid-19

A secretaria informou ainda que muitos casos são notificados após a data do óbito. Por essa razão, desde o início da pandemia, recomenda-se que a análise das informações seja feita pela data de ocorrência da morte; e não pela data de notificação ou confirmação.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA