Momento Saúde

Risco de covid-19 grave é até 6 vezes maior em pacientes com Alzheimer

Publicados

em


Pesquisadores brasileiros identificaram que o Alzheimer é um fator de risco para quem contrai a covid-19, independentemente da idade. O estudo foi publicado na revista Alzheimer’s & Dementia, periódico da associação que pesquisa a doença e que tem sede em Chicago (EUA). Foram usados dados do sistema de saúde britânico, reunindo informações de 12.863 pessoas maiores de 65 anos.

O trabalho mostrou que quando um paciente era internado e já tinha Alzheimer, o risco de desenvolver um quadro mais grave por conta do vírus da covid-19, o Sars-CoV-2, foi três vezes maior na comparação com quem não tinha a doença. No caso de pacientes com mais de 80 anos, o risco é seis vezes maior. A doença não aumentou o risco de internações ao ser comparado com outras comorbidades.

“Os pacientes internados infectados por covid-19, se tiverem um quadro de Alzheimer, é um fator significativamente agravante de internação”, aponta Sérgio Verjovski, doutor em biofísica e liderança científica do Laboratório de Parasitologia do Instituto Butantan. O estudo também envolveu pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Os dados dos participantes foram divididos em três grupos: 66 a 74 anos (6.182 pessoas), 75 a 79 anos (4.867 pessoas) e acima de 80 anos (1.814 pessoas). Dessa amostragem inicial, 1.167 pessoas estavam com covid-19. Verjovski explica que o banco inglês foi usado por ter o histórico de mais de 10 anos dos pacientes, além disso possui o sequenciamento genômico da maior parte dos indivíduos.

Leia Também:  Crianças de 3 a 11 anos serão vacinadas contra covid-19 na China

Atenção rápida

O pesquisador destaca que essa descoberta revela a importância de uma atenção rápida a esses pacientes, considerando as chances de agravamento. “Tudo isso aponta para o fato de que esses pacientes necessitam de uma intervenção mais imediata. Pacientes com 65 a 70 anos tinham risco aumentado em quase quatro vezes de terem complicações e irem a óbito”, exemplificou.

Algumas hipóteses podem explicar essa relação e Verjovski destaca que estudos ainda estão sendo feitos. Contudo, um dos mecanismos possíveis é que quando o SARS-CoV-2 infecta o organismo, o corpo responde com um processo inflamatório para combater o vírus.

“Sabe-se que Alzheimer envolve inflamação de vasos do cérebro e é uma possibilidade que essa inflamação diminua a barreira hematoencefálica, que é uma barreira que permite que o cérebro receba nutrientes, receba a circulação, mas não deixa passar fatores de infecção. No caso da inflamação, que leva à degeneração pelo Alzheimer, pode estar diminuindo essa barreira hematoencefálica e aumentando a chance da infecção pelo vírus”, explica.

Fatores genéticos

Verjovski disse que o grupo busca agora relações entre os fatores genéticos de propensão da doença de Alzheimer e o agravamento da covid-19. “A gente agora está tentando associar os dados clínicos com os dados de variantes genéticas envolvidas com Alzheimer para ver se aponta, entre os genes causadores Alzheimer, algum que aumenta também nitidamente a gravidade da covid e que pode apontar para um mecanismo genético.”

Leia Também:  Brasil registra 160 mortes por covid-19 em 24h

Originalmente, o laboratório liderado por Verjovski pesquisa genes de câncer. Com a pandemia, no entanto, o trabalho foi reorientado. “Temos um financiamento para pesquisa que nos permitiu usar esses bancos. Temos pessoal capacitado em fazer as análises, equipamentos e, embora o nosso trabalho não seja voltado para Alzheimer, nem pra covid-19, a gente se associou ao Sérgio Ferreira [doutor em biofísica e professor da UFRJ] e usou nosso knowhow de análise de genética em larga escala”.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Propaganda

Momento Saúde

Caminhos da Reportagem vence 3º Prêmio NHR Brasil de Jornalismo

Publicados

em


O Caminhos da Reportagem, programa da TV Brasil, venceu a categoria especial – Doenças Tropicais Negligenciadas do 3º Prêmio NHR de Jornalismo com o episódio Leishmaniose, retrato do abandono, da repórter Ana Graziela Aguiar de Oliveira. A premiação reconhece reportagens produzidas na área de medicina tropical.

No ar há mais de 10 anos, o Caminhos da Reportagem é uma das produções jornalísticas mais premiadas não só da TV Brasil, como também da televisão brasileira. É com orgulho que a jornalista Ana Graziela recebe o prêmio, resultado de reportagem sobre uma doença acerca da qual não se fala muito.

“Nós cumprimos a nossa missão como uma televisão pública, como comunicação pública, e continuaremos trabalhando por mais conteúdos que levem às pessoas informação e serviço, para que elas possam aprender e se informar por meio da TV Brasil, e em especial, pelo Caminhos da Reportagem. Muito orgulho da nossa equipe, que é uma família. Muito orgulho por ganhar mais esse prêmio”, disse Ana Graziela.

Assista à íntegra do episódio

O programa

Contar grandes histórias, com uma visão diferente, instigante e completa. É essa a missão do Caminhos da Reportagem, um dos mais tradicionais programas jornalísticos da TV Brasil.

Leia Também:  Crianças de 3 a 11 anos serão vacinadas contra covid-19 na China

Saúde, economia, comportamento, educação, meio ambiente, segurança, prestação de serviços, cultura e outros tantos temas são abordados de maneira única, levando conteúdo de interesse para a sociedade. Tudo isso com a diversidade regional em pauta e equipes em Brasília, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

O trabalho minucioso e bem executado é reconhecido no meio jornalístico. Nos últimos dez anos, o programa acumulou mais de 55 prêmios e 25 indicações em importantes premiações de excelência nacional e internacional tais como o Prêmio CICV de Cobertura Humanitária Internacional (Comitê Internacional da Cruz Vermelha), o Prêmio de Comunicação da CNBB, Prêmio Longevidade Bradesco Seguros, Prêmio Synapsis de Jornalismo e Prêmio TAL – Televisión America Latina, entre outros.

O prêmio

O prêmio recebeu 21 inscrições, em cinco categorias. Dentre elas, a nova categoria especial de Doenças Tropicais Negligenciadas, contemplando reportagens que abordaram a realidade de outras enfermidades, como doença de Chagas e a leishmaniose.

Desde 2018, o Prêmio NHR Brasil de Jornalismo busca reconhecer e estimular um olhar atento dos profissionais de comunicação para o tema da hanseníase em seus diversos aspectos, do desafio no controle da transmissão às dinâmicas sociais envolvidas.

Leia Também:  Como o uso de pílula para tratamento da Covid-19 pode ajudar os hospitais?

Linguagem jornalística, aspectos éticos e inovadores e a qualidade das informações de saúde foram analisadas pela comissão julgadora. Integraram a comissão o jornalista Miguel Macedo, professor do curso de Jornalismo do Centro Universitário 7 de Setembro, e a jornalista Yanna Guimarães, mestre em Comunicação de Ciência pela Universidade de Nova Lisboa.

Também integraram a comissão julgadora o infectologista Alberto Novaes Ramos Jr, coordenador do doutorado em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Ceará (UFC), a professora Sacha Nogueira, orientadora da Liga Acadêmica em Doenças Estigmatizantes (Lades/UFC), e Luiz Antônio Botelho Andrade, coordenador do Laboratório de Audiovisual Científico da Universidade Federal Fluminense (UFF).

A NHR Brasil é o escritório de representação da NLR (Netherlands Leprosy Relief), uma organização não-governamental (ONG) holandesa fundada em 1967 para combater a hanseníase em 14 países ao redor do mundo. A NLR trabalha por um mundo livre do sofrimento causado pela hanseníase e pela deficiência física através da promoção e apoio para a detecção precoce e tratamento integral, a prevenção das incapacidades e a reabilitação física.

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA