Momento Saúde

Sem comprovante de vacinação, vereador bolsonarista de BH é barrado no Cristo

Publicados

em


source
O vereador bolsonarista Nikolas Ferreira, de Belo Horizonte, nas manifestações de 7 de setembro
Reprodução/Facebook

O vereador bolsonarista Nikolas Ferreira, de Belo Horizonte, nas manifestações de 7 de setembro

O vereador Nikolas Ferreira (PRTB) foi barrado no Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, por não apresentar o comprovante de vacinação contra covid-19 . Em uma sequência de stories postados no Instagram, o parlamentar narrou, contrariado, a situação.

“Cheguei aqui pra ir no Cristo e tem um comunicado aqui falando que precisa de comprovação de carteira de vacinação pra poder ir ver o Cristo”, disse o bolsonarista. “Perguntei ali pra mulher: ‘se eu for ali fazer um teste PCR, mostra que não to com corona, posso entrar?’, ela: ‘não’. Ou seja, eu comprovo que não to com o vírus e nada, mas não posso entrar. Aí você acha que isso diz respeito à proteção? Não, isso diz respeito a controle”, prosseguiu.

Ele comparou a exigência às políticas de Adolph Hitler. “Vai vendo onde isso vai acabar. Vai vendo onde essa m… vai acabar. ‘Ah, mas o funcionário não tem problema, só está cumprindo ordens’. Eu já ouvi isso em algum lugar. Onde ouvi isso? Ah, o cara que tinha o bigodinho… Eu estou bolado”.

Leia Também:  O que Brasil deve fazer para impedir a chegada da variante Ômicron

Nikolas filmou o momento em que conversava com uma das funcionárias do ponto turístico. Ao perguntar o que acontece com pessoas que não apresentam o documento, ele ouviu: “volta para casa”.

O chamado ‘passaporte da vacina’, comprovante que atesta as duas doses ou a dose única da imunização contra covid-19, foi adotado pelo Rio de Janeiro por meio de decreto municipal em 27 de agosto. O documento é obrigatório para acessar locais e serviços públicos ou de uso coletivo, como academias, estádios, ginásios, cinemas, teatros, museus, entre outros.

O vereador se coloca contra as políticas de mitigação do efeito da doença, como o uso de máscaras e o distanciamento social. Ele já discutiu com o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), por causa das medidas implantadas na cidade.

Leia Também:  Publicada lei que cria o Dia Nacional da Criança Traqueostomizada

Nos stories, apesar de dizer que não estava fazendo “discurso antivacina”, Nikolas afirmou que não se vacinou por uma “opção pessoal”, chamando as vacinas de “experimentais”. Vale lembrar que todas as vacinas utilizadas contra covid-19 no Brasil receberam a autorização da Anvisa e de outras agências reguladora no mundo.

Fonte: IG SAÚDE

Propaganda

Momento Saúde

Vacinas atuais podem não dar a mesma proteção contra ômicron, dizem cientistas

Publicados

em


source

BBC News Brasil

Vacinas atuais podem não dar a mesma proteção contra ômicron, dizem especialistas
Michelle Roberts – Editora de saúde da BBC News

Vacinas atuais podem não dar a mesma proteção contra ômicron, dizem especialistas

Michelle Roberts – Editora de saúde da BBC News

Uma  nova versão do coronavírus foi encontrada e os cientistas a consideram de “grande preocupação”.

Diante do elevado número de mutações dessa nova variante, surge uma questão urgente: as vacinas ainda serão eficazes contra ela?

Entenda o que se sabe até agora sobre isso. Mas um spoiler: a vacinação continua sendo fundamental.

O que é a nova variante ômicron?

Existem milhares de diferentes tipos — ou variantes — de covid circulando em todo o mundo. Isso é esperado porque os vírus sofrem mutações o tempo todo.

Mas esta nova variante, chamada B.1.1.529 ou ômicron, tem deixado os especialistas particularmente preocupados porque é muito diferente da covid original, que foi usada como base para o desenvolvimento das atuais vacinas disponíveis.

A nova variante tem uma longa lista de alterações genéticas — 50 no total. Destas, 32 estão na proteína spike (ou espícula) do vírus — a parte que conecta o microorganismo à célula humana para iniciar a infecção e é o alvo de vacinas como as da Pfizer, AstraZeneca e Janssen

No entanto, ainda é cedo para saber se isso representa uma ameaça.

Representação gráfica do coronavírus

Getty Images
Variante B.1.1.529 ou ômicron tem 32 mutações na proteína spike, que conecta o vírus à célula humana para iniciar a infecção e é o alvo de vacinas como as da Pfizer, AstraZeneca e Janssen

As vacinas ainda funcionam?

Vacinas como as da Pfizer, AstraZeneca e Janssen, que injetam a proteína spike no organismo humano para ensiná-lo a combater o coronavírus, podem não ser ideais para a defesa contra a nova variante ômicron, que tem mutações justamente nessa proteína, dizem especialistas.

Mas isso não significa que essas vacinas oferecerão proteção zero.

Já a CoronaVac, que é uma vacina de tipo tradicional, feita a partir do vírus inteiro inativado da Sars-CoV-2, pode apresentar vantagem com relação às demais, já que ela ensina o sistema imune a combater o vírus inteiro, e não apenas a proteína spike.

No entanto, isso são apenas especulações, pois ainda faltam pesquisas conclusivas sobre a eficácia das vacinas atuais no combate à nova variante. Mas fabricantes já anunciaram que podem readaptar seus imunizantes para o combate à ômicron em até 100 dias, se necessário.

Enquanto isso, as vacinas atuais continuam sendo de vital importância na proteção de vidas, reduzindo o risco de manifestações mais graves da doença e protegendo contra outras variantes importantes da covid, incluindo a delta, alpha, beta e gama.

Leia Também:  Covid: o que se sabe sobre nova variante detectada na África do Sul
Gráfico de como é feita a vacina de RNAm, que tem como alvo a proteína spike

BBC

Os médicos afirmam que é fundamental que as pessoas recebam o número recomendado de doses para obter proteção máxima contra variantes existentes e emergentes.

No Brasil, a terceira dose da vacina era originalmente recomendada a pessoas com idade acima dos 60 anos, imunossuprimidos (pessoas com algum tipo de deficiência imunológica) e profissionais de saúde que tivessem tomado a segunda dose há mais de seis meses.

No entanto, há algumas semanas, o Ministério da Saúde anunciou que todos os brasileiros com mais de 18 anos poderão tomar a dose de reforço cinco meses depois de terem tomado a segunda dose.

Até o momento, cerca de 74% da população brasileira recebeu pelo menos uma dose da vacina.

Mais de 62% tomaram as duas doses ou a vacina da Janssen. E pouco mais de 7% receberam a terceira dose, segundo dados da plataforma coronavirusbra1 , que compila registros das secretarias estaduais de Saúde.

Leia Também

A média móvel de mortes pela covid-19 recuou consideravelmente nos últimos meses e está de volta aos níveis de abril de 2020. Segundo especialistas, isso é resultado do sucesso da vacinação.

Com que rapidez podemos obter novas vacinas contra variantes?

Versões atualizadas de vacinas contra variantes da covid já estão sendo projetadas e testadas, caso sejam necessárias em algum momento.

Se esse momento chegar, uma nova vacina pode estar pronta em semanas, para ser testada.

Os fabricantes também podem aumentar a produção rapidamente e os reguladores já discutem como acelerar o processo de aprovação.

Nenhuma etapa seria pulada, mas todo o processo — do projeto à aprovação — pode ser muito mais rápido do que quando as vacinas contra a covid foram lançadas pela primeira vez.

E as outras variantes?

As autoridades observam de perto algumas delas.

As potencialmente mais perigosos são chamadas de “variantes de preocupação” ( variant of concern , na expressão em inglês) e incluem:

  • Delta (B.1.617.2), primeiro identificada na Índia e agora o tipo mais comum em circulação no mundo, inclusive no Brasil
  • Alpha (B.1.1.7), primeiro identificada no Reino Unido, se espalhou por mais de 50 países
  • Beta (B.1.351), primeiro identificada na África do Sul, foi detectada em pelo menos 20 outros países
  • Gama (P.1), primeiro identificada no Brasil, se espalhou para mais de dez outros países
Leia Também:  Fiocruz pede inclusão de BioManguinhos como produtor de IFA nacional

As autoridades internacionais de saúde também estão de olho em uma descendente recente da variante Delta, chamado AY.4.2 ou ” delta plus “.

Quão perigosas são as variantes?

Não há evidências de que nenhuma delas cause doença mais grave para a grande maioria das pessoas.

Tal como acontece com a covid original, o risco continua mais alto para pessoas idosas ou com comorbidades.

Mesmo assim, se uma variante for mais infecciosa, por se espalhar mais rapidamente, ela causará mais mortes na população não vacinada.

As vacinas oferecem alta proteção contra manifestações graves da covid-19, incluindo infecções causadas por variantes de preocupação. Os imunizantes também reduzem o risco de contrair o vírus.

Mas eles não eliminam completamente todos os riscos.

A orientação para evitar infecções continua a mesma para todas as variantes: lavar as mãos, manter distanciamento, usar máscara em locais fechados e aglomerados e ventilar os ambientes.

Gráfico sobre variantes do coronavírus

BBC

Por que as variantes estão surgindo?

Os vírus fazem cópias de si mesmos para se reproduzir, mas não são perfeitos nisso. Erros podem acontecer nesse processo, resultando em uma nova versão ou variante.

Se isso der ao vírus uma vantagem de sobrevivência, a nova versão prospera.

Quanto mais chances o coronavírus tem de fazer cópias de si mesmo em nós — o hospedeiro — mais oportunidades existem para que as mutações ocorram.

É por isso que é importante controlar as infecções. As vacinas ajudam a reduzir a transmissão e também protegem contra formas graves da covid.

Especialistas dizem que é possível que a nova variante B.1.1.529 ou ômicron possa ter se originado em um paciente cujo sistema imunológico não foi capaz de se livrar de uma infecção por covid rapidamente, dando ao vírus mais tempo para se transformar.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG SAÚDE

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA