Momento Saúde

SP avalia relação entre síndrome em crianças e o novo coronavírus

Publicados

em


A Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P), que pode atingir diversos órgãos do corpo e provocar a morte de pacientes, é, atualmente, um dos focos de preocupação da prefeitura de São Paulo, no contexto da pandemia de covid-19. 

Conforme destacou a secretária-adjunta municipal da Saúde, Edjane Torreão, em entrevista à imprensa nesta terça-feira (13), diversos estudos têm apontado para a associação entre a doença e a infecção por Sars-Cov-2.

Um deles foi elaborado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP). Os resultados, divulgados na revista The Lancet Child & Adolescent Health, tinham por base o caso de uma menina de 11 anos de idade e morreu depois de ter covid-19.

Na entrevista, Edjane destacou que, em boletim epidemiológico da semana do dia 26 de setembro, o governo estadual de São Paulo informava que haviam sido contabilizados 197 casos de SIM-P no Brasil e 55 casos e quatro óbitos no estado. Naquele período, somente na capital, haviam sido registrados dois óbitos, e 20 casos ainda estavam sob investigação. 

Leia Também:  Mundo registra mais de meio milhão de casos da Covid-19 em 24h

“Embora seja uma síndrome rara, há uma razão para que a secretaria tenha o cuidado de avaliar como se comportou a SIM-P na cidade, no estado e no mundo”, disse. 

Entre os vários exemplos de pesquisas que mencionou, Edjane salientou as conclusões atingidas por uma equipe do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, feito com 570 crianças. O que se identificou foi que um terço apresentou sintomas leves de SIM-P, um terço quadro respiratório grave e um terço, simultaneamente, sintomas de covid e da Síndrome de Kawasaki, como febre, inflamação dos vasos sanguíneos e que podem se agravar, causando aneurisma das artérias coronárias.

“Até 26, 27 de abril, a covid era sempre associada a casos leves ou não notificada, não só em São Paulo, como no Brasil e no mundo. Após alerta, o Reino Unido, seu serviço de saúde, alerta a comunidade de pediatria de uma nova apresentação clínica. Essa síndrome vinha se apresentando e trazia uma nova apresentação clínica, associada temporalmente, em semanas, dias anteriores a pacientes, crianças que tiveram covid ou seus familiares”, explica a secretária, acrescentando que, desde 4 de julho, os profissionais de saúde do Brasil são obrigados a notificar casos da doença. 

Leia Também:  Lembrado hoje, Dia Mundial do AVC serve de alerta à população

Segundo Edjane, uma das questões centrais é a taxa de crianças que foram infectadas por covid-19 e permanecem assintomáticas, que, na capital paulista, é estimada entre 64,4 e 69,5%. De acordo com inquérito escolar apresentado também ontem, pela prefeitura, calculava-se, em sua última e mais recente etapa, que a prevalência de covid-19 entre estudantes da rede municipal de ensino é de 17,6%. As instituições da rede estadual e da rede privada de ensino também foram analisadas, apresentando, respectivamente, índices de 15,4% e 12,6%. Repetindo um padrão observado na população adulta, a maior prevalência de covid-19 é verificada entre crianças pardas e pretas e pertencentes às faixas de classe D e E.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Propaganda

Momento Saúde

Brasil se aproxima das 160 mil mortes por Covid-19; média móvel é de 438 óbitos

Publicados

em


source
País tem 158.969 óbitos registrados e 5.494.376 diagnósticos com a Covid-19
Foto: Agência Brasil

País tem 158.969 óbitos registrados e 5.494.376 diagnósticos com a Covid-19

Nas últimas 24 horas, o Brasil registrou mais 513 mortes causadas pelo novo coronavírus  (Sars-CoV-2), fazendo o total subir para 158.969. Já o número de contaminações chegou aos 5.494.376 milhões. Desse total, 26.106 infectados só de ontem para hoje.

O País tem média móvel de 438 mortes diárias por Covid-19 e os casos do novo coronavírus apontam tendência de alta, com média móvel de 24.392. Os dados são do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

A contagem de casos realizada pelas Secretarias Estaduais de Saúde inclui pessoas sintomáticas ou assintomáticas; ou seja, neste último caso são pessoas que foram ou estão infectadas, mas não apresentaram sintomas da doença.

Leia Também:  Saúde lança plano de ampliação da vigilância epidemiológica

O ranking de número de mortes segue liderado pelo estado de São Paulo, que tem 39.119 óbitos causados pela Covid-19. O Rio de Janeiro continua em segundo lugar, com 20.462 mortes, seguido por Ceará (9.326), Minas Gerais (8.916), Pernambuco (8.599). 

Os estados que registram maior número de casos são: São Paulo (1.108.860), Minas Gerais (355.226), Bahia (351.277), Rio de Janeiro (308.017) e o Ceará (272.778).

Desde o início de junho, o Conass divulga os números da pandemia da Covid-19 por conta de uma confusão com os dados do Ministério da Saúde. As informações dos secretários de saúde servem como base para a tabela oficial do governo, mas são publicadas cerca de uma hora antes.

Mais de 41 milhões pessoas foram infectadas em todo o mundo. Do total de doentes, mais de 1,1 milhão morreram, segundo a Universidade Johns Hopkins. O Brasil segue como o terceiro país do mundo em número de casos de Covid-19 e o segundo em mortes, atrás apenas dos Estados Unidos.

Fonte: IG SAÚDE
Leia Também:  Ao vivo: Saúde lança plano de ampliação da vigilância epidemiológica

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA