Momento Saúde

Vacinação contra o Influenza na capital paulista será feita em escolas

Publicados

em


Para evitar aglomerações e possíveis confusões com a vacinação contra a covid-19, a prefeitura de São Paulo decidiu aplicar a vacina contra a gripe do vírus Influenza somente em escolas este ano. A vacinação contra o Influenza tem início no dia 12 de abril.

“A vacinação da influenza no município de São Paulo será aplicada exclusivamente em escolas e estabelecimentos de educação. Estamos separando exatamente por conta da vacinação de covid-19, que tem ocorrido nos nossos mega drive-thrus e nas 468 unidades básicas de saúde. A ideia é que a gente não faça qualquer aglomeração ou cruzamento dessas populações que vão estar recebendo dois tipos de vacinas diferentes”, disse hoje (8) Edson Aparecido, secretário municipal da Saúde de São Paulo.

Além de concentrar a vacinação contra a gripe somente em escolas, a prefeitura decidiu também separar os grupos prioritários. A primeira fase da vacinação na capital paulista vai ocorrer entre os dias 12 de abril e 10 de maio. Nessa fase, serão vacinados crianças de seis meses a seis anos de idade, gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da área da saúde.

Leia Também:  São Paulo vacinará profissionais de transporte público a partir de 11 de maio

Já os idosos moradores da capital e que costumavam ser os primeiros a serem vacinados contra a gripe, estarão este ano na segunda etapa de vacinação, que ocorre entre os dias 11 de maio e 8 de junho. Nessa etapa também serão vacinados os profissionais da área da educação. Isso porque a prioridade é para que os idosos sejam vacinados contra a covid-19. Além disso, deve ocorrer um intervalo mínimo de 14 dias entre as duas vacinas. “É uma mudança de público, sempre os idosos entram também nessa primeira fase de vacinação, mas desta vez, em função da covid-19, priorizamos a vacinação de covid para os idosos e fizemos essa inversão para que a gente não cruze os públicos e locais”, disse o secretário.

Na terceira etapa de vacinação na cidade, que vai ocorrer entre os dias 9 de junho e 09 de julho, serão vacinados agentes de segurança pública, pessoas portadoras de doenças crônicas, caminhoneiros, integrantes das forças armadas, trabalhadores de transporte coletivo e portuários, funcionários do sistema prisional e adolescentes e jovens de até 21 anos que estão sob medida socioeducativa, além da população privada de liberdade.

Leia Também:  Covid-19: Rio mantém calendário de vacinação nos feriados

A prefeitura destacou que quem tomou a vacina contra a covid-19 há menos de 14 dias deve adiar a vacinação contra a gripe. “Pessoas que estiverem com covid-19 ou que tiveram covid há menos de 28 dias devem adiar a vacinação do influenza. Também deve-se dar um intervalo de 14 dias entre a vacina contra a covid, seja em primeira ou segunda dose, e a vacina de Influenza”, explicou o secretário.

A prefeitura informou que vai aproveitar a campanha de vacinação contra o Influenza para atualizar a caderneta de vacinação para outras doenças, como sarampo e febre amarela.

Segundo o secretário, a vacinação contra a gripe tem o objetivo de reduzir complicações e mortalidade pela doença, além de facilitar o diagnóstico de covid-19.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Propaganda

Momento Saúde

Pfizer: 1 milhão de doses da vacina serão distribuídas em maio

Publicados

em


O Ministério da Saúde anunciou hoje (22) que enviará a estados e municípios 1 milhão de doses da vacina da Pfizer/BioNTech contra a covid-19 no mês de maio. Serão distribuídas inicialmente 500 mil doses no início do mês para a primeira dose. Uma semana depois, será encaminhada nova remessa com mais 500 mil doses.

Semana passada, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, divulgou que a Pfizer vai adiantar a entrega de 2 milhões de doses do imunizante para o Brasil no primeiro semestre. O governo brasileiro tem um contrato com a farmacêutica para a entrega de 100 milhões de doses até o final de 2021. Segundo Queiroga, estão garantidas 15,5 milhões de doses da vacina da Pfizer para os meses de abril, maio e junho.

A orientação do Ministério da Saúde é que as secretarias estaduais de saúde priorizem cidades com câmaras refrigeradas. Isso porque a vacina da Pfizer/BioNTech demanda temperaturas especiais de armazenamento.

Em condições normais, ela deve ser guardada em um ambiente de -90º à -60º. A Anvisa permitiu uma flexibilização desse patamar, autorizando de – 25º à -15º. Contudo, essa condição só pode ocorrer por até 14 dias.

Leia Também:  Pesquisa mostra taxa maior de infecção de animais pela covid-19

Uma vez retiradas dos refrigeradores e colocadas na rede de frio nacional, cuja conservação é de temperaturas de 2 graus Celsius a 8 graus Celsius, as equipes de saúde têm até cinco dias para fazer a aplicação sem risco de prejudicar a eficácia do imunizante.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA