Momento Tecnologia

Among Us: veja as dicas para descobrir o impostor no jogo do momento

Publicados

em


source

Olhar Digital

Among Us
Reprodução

Among Us tem feito muito sucesso no Brasil

Among Us , o jogo desenvolvido pela Innersloth para smartphones e PC, foi originalmente lançado em junho de 2018, mas apenas recentemente é que sua popularidade atingiu níveis virais pelas redes sociais – e isso se dá pela quantidade de memes que fazem referência à principal mecânica do jogo.

Durante uma partida, que pode ser disputada em modo multijogador online ou local, você é parte de um grupo de pessoas que deve conduzir tarefas de rotina para manter uma espaçonave funcionando. Entretanto, pelo menos um dos membros do seu grupo é um traidor que buscará ativamente matar a você e seus companheiros – seja pelo assassinato ou sabotando a nave até que ninguém sobreviva.

Além das tarefas comuns, então, será seu papel encontrar este traidor e assegurar sua sobrevivência. Pensando nisso, reunimos algumas dicas coletadas de fóruns online e sites de estratégia de jogos para ajudá-lo na busca pelo inimigo:

Quem está mais perto de um corpo, provavelmente é o assassino

Essa é uma dica geral e nem de longe é uma regra permanente, mas na maioria dos casos, se você encontrar alguém ao entrar em uma sala, apenas para em seguida ver um cadáver, é quase certo que a pessoa com quem você se encontrou é o assassino.

Isso porque Among Us conta com a possibilidade de relatar incidentes e, convenhamos, uma pessoa que vê um corpo e não é uma traidora, imediatamente denunciaria o cadáver. Se a pessoa por quem você passou não o fez, então é melhor você tomar cuidado.

Conheça as tarefas até do avesso

As tarefas de rotina impostas pela partida existem para manter a nave funcionando. Assim sendo, impostores tentarão ativamente sabotar o bom andamento das máquinas, geralmente evitando completar as suas próprias obrigações. Por isso, saber o tempo necessário para completar cada missão, se ela tem mais de um passo ou uma localização específica para ser conduzida é extremamente importante.

Marque quem e onde você encontra na nave

Em Among Us , o espaço da partida é consideravelmente grande. Por isso, marcar posições e salas onde você encontra outros jogadores é um conhecimento interessante.

Leia Também:  Pré-venda: iPhone 12 vende mais que o dobro do iPhone 11, diz analista

Na verdade, esta dica se relaciona com a anterior: ao conhecer as tarefas e os locais de suas execuções, você consegue levantar mais informações sobre o porquê daquela pessoa estar demorando mais do que o normal, mesmo estando próximo do local indicado para a missão. E com isso, você já tem um ou mais suspeitos em mente.

Impostores odeiam grupos (e vão tentar te isolar deles…)

Via de regra, Among Us permite que até 10 pessoas se conectem a uma partida, cada qual com sua atribuição. O impostor (ou impostores) geralmente tentará ficar sozinho com algum outro membro, buscando uma oportunidade de eliminá-lo “na surdina”. Uma boa ideia para contrapor isso é manter-se em duplas ou trios, executando as suas tarefas normalmente.

Assim, um sempre cobre o outro e, mais além, qualquer pessoa que entre, observe você e seus companheiros para sair do local em seguida, pode ser um impostor que percebeu a dificuldade de matar alguém ali. Mas não conte sempre com isso, pois…

Bons impostores fingem trabalhar

Inimigos mais sagazes tendem a se mesclar no ambiente rotineiro, então não será raro você ver um impostor em uma sala com mais membros, parado em algum painel e fingindo estar executando uma tarefa. Assim que você vacilar, ele pode ir atrás ou, pior ainda, alguém junto dele pode pensar que você é o sabotador.

Uma boa forma de contra-atacar isso é observar as notificações de tarefa: objetivos em verde são obrigações completadas. Se você sabe onde e qual painel executa determinada tarefa – e este painel está ocupado porém o objetivo pertinente não aparece no vídeo, se prepare: você encontrou um inimigo camuflado entre seus amigos.

O jogo dá benefícios a impostores, mas também os entrega

Todos os jogadores de uma partida se movem no mesmo ritmo, sem exceção. Então se você está seguindo alguém que está um pouquinho à sua frente apenas para ele sumir na próxima curva, você encontrou um inimigo. Isso porque eles são os únicos que conseguem mover-se pelos dutos de ventilação da nave.

Outro benefício: membros legítimos têm um limite de visão e percorrem corredores com certo cuidado. Impostores não. Então se você ver alguém caminhando como se soubesse de tudo o que tem em seu caminho, provavelmente é porque ele sabe tudo o que tem em seu caminho. Tenha em mente que essa pessoa pode apenas ser um jogador desavisado – ou um assassino.

Leia Também:  iPhone 12 mini é tendência? Xiaomi já planeja produzir celular pequeno

Impostores vão usar sua suspeita contra você

Among Us preza pela observação e atenção aos detalhes: se você suspeita que alguém próximo seja um inimigo, é natural que sua atenção fique mais concentrada nele e menos em outras coisas, como as tarefas de rotina. Um bom impostor vai perceber que você está desfocando das suas obrigações e pode identificar você como uma ameaça.

Os jogadores de Among Us constantemente se encontram em um jogo de “gato-e-rato” contra impostores, apenas para que estes os notem e sumam. Isso foi um ardil para enganar: ao tentar persegui-los, os jogadores podem ser levados a cantos isolados e acabarem sendo eliminados.

Táticas dos impostores podem ser usadas contra eles

As tarefas em Among Us são específicas, o que basicamente significa que você não verá qualquer pessoa interagindo com qualquer painel. Se um jogador entra em uma sala cheia de outros membros, olha em volta e sai, adivinhe: ele estava procurando alvos.

Ao sair, você pode muito bem segui-lo para um ponto onde você sabe ser mais isolado (e, consequentemente, uma preferência dele) ou até mesmo antecipá-lo, escondendo-se em algum lugar e esperando para ver suas ações. Claro, isso pode implicar em ele matar alguém, mas a partir do momento em que você tem a certeza de quem é o inimigo, a vitória já é sua.

Impostores podem ser bondosos (mas não sem motivo)

Todas as dicas acima servem para que você tenha uma vaga ideia do comportamento de todos em Among Us , mas nenhuma dá 100% de confirmação em suas suspeitas. Qualquer um – impostor ou não – pode, por exemplo, denunciar um corpo encontrado ou desfazer uma sabotagem. Impostores bons inclusive o fazem com frequência a fim de criar confiabilidade em suas ações.

A observância contínua é sem dúvida a melhor estratégia para que você se dê bem no jogo : apenas porque um membro da partida fez algo benéfico à nave, não significa que ele esteja livre de suspeitas. A única certeza possível neste jogo é a de que alguém está aprontando. Então fique sempre com os olhos abertos!

Among Us está disponível para download gratuito em celulares Android e iPhone , além de PCs (Windows).

Propaganda

Momento Tecnologia

Hacker tenta vender dados de 186 milhões de eleitores nos EUA

Publicados

em


source

Olhar Digital

hacker dados eleições
Unsplash

Hacker queria vender dados eleitorais nos EUA

Uma firma de cibersegurança chamada Trustwave descobriu, na dark web , um hacker que obteve, com intenção de vender, dados sigilosos de mais de cerca de 186 milhões de eleitores norte-americanos, em um momento no qual o país se prepara para a realização de eleições presidenciais, previstas para o dia 3 de novembro.

Os dados incluíam nome e sobrenome, data de nascimento, local de residência e histórico de votos contabilizados, além de outras informações. Segundo a Trustwave, o material, caso adquirido por pessoas mal intencionadas, poderia ser usado na veiculação geolocalizada de campanhas de desinformação e fake news.

“Uma enorme quantidade de dados sobre cidadãos estadunidenses está disponível para cibercriminosos”, disse Ziv Mador, vice-presidente da Trustwave, à NBC. “Nas mãos erradas, esses dados de eleitores e consumidores podem ser usados para ataques por meio das redes sociais, esquemas de phishing via e-mail e também golpes via mensagens de texto ou telefonemas antes, durante e depois das eleições – sobretudo se os resultados do pleito tiverem contestação”.

Essa última parte é importante, pois faz referência a uma declaração do presidente Donald Trump , do Partido Republicano, feita em julho deste ano e repetida há cerca de um mês. Ele, que concorre à reeleição ao cargo máximo dos EUA no próximo dia 3 de novembro, disse por duas vezes que não reconhecerá a derrota caso venha a perder o pleito para o seu opositor, Joe Biden , do Partido Democrata.

Leia Também:  Você pagaria R$ 500 mil em uma TV? LG lança dispositivo 'enrolável'; veja

Segundo Mador, os dados foram obtidos de várias fontes – em sua maioria, roubados das bases de dados de empresas de segurança em invasões recentes, mas também recolhidos de esferas públicas. Ele ressalta que, em alguns estados dos Estados Unidos, informações de eleitores estão publicamente disponíveis.

A Trustwave é uma empresa especializada em monitorar a dark web em busca de atividades ilícitas. Neste caso, o próprio Ziv Mador disse ter encontrado um hacker apelidado “Greenmoon2019”, que lhe ofereceu as informações por um preço. A partir daí, a equipe da empresa entrou em ação, usando nomes fictícios para induzir o hacker a fornecer maiores informações sobre si próprio, incluindo uma carteira da criptomoeda bitcoin, a qual ele usaria para receber o pagamento.

Carteiras de bitcoin costumam ser o método favorito de pagamento por atividades ilícitas, uma vez que elas reconhecem publicamente uma transação realizada, mas não divulgam as identidades das partes envolvidas. No caso em mãos, a Trustwave conseguiu relacionar esta carteira com uma outra, ainda maior, que já teria coletado o equivalente a US$ 100 milhões (R$ 558,28 milhões na conversão direta) de outras vendas – nem todas relacionadas à oferta de dados privados.

Isso é um indício de que “Greenmoon2019” faça parte de um grupo de pessoas envolvidas em diversas atividades fora da lei. Além dos registros de 186 milhões de eleitores, o hacker estava oferecendo 245 milhões de registros de outros tipos de dados de pessoas.

Leia Também:  Trump tem Twitter invadido; veja qual era a senha considerada fácil demais

O lado secreto das eleições

A disponibilidade de dados de eleitores não é nova, mas a Trustwave reconhece que uma oferta deste tamanho traz preocupações à segurança das eleições do dia 3 de novembro. E pior: este não é o único caso recente.

Segundo o diretor de inteligência nacional a serviço do governo dos Estados Unidos, Daniel Ratcliffe, hackers iranianos obtiveram, na última quarta-feira (21), informações de eleitores que foram usadas na veiculação de uma campanha de intimidação contra Democratas, enviando e-mails ameaçadores se fazendo passar por membros dos Proud Boys, um conhecido grupo racista que prega a supremacia branca, superioridade masculina e ideias fascistas nos EUA e Canadá.

Ratcliffe também ressaltou que dados similares foram obtidos por hackers russos , mas até o momento, nenhuma campanha foi identificada como tendo sua origem no país presidido por Vladimir Putin. Em 2016, porém, os russos conseguiram interferir com a corrida presidencial disputada por Donald Trump e Hillary Clinton.

Uma ampla investigação descobriu que hackers a serviço do governo de Putin beneficiaram Trump ao atacar a campanha de Clinton, vazando diversas informações do Partido Democrata. Uma agência de inteligência russa criou milhares de perfis falsos no Facebook e outras redes sociais , afiliando-se a grupos conservadores e de extrema-direita, no intuito de ampliar os perfis do atual presidente americano na internet.

Trump e sua administração negaram qualquer envolvimento no caso.Sobre o hacker descoberto pela Trustwave, a NBC não informou se ele foi preso ou se é o alvo de alguma investigação em curso.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA