Momento Tecnologia

Black Shark 4S é lançado com tela de 144 Hz sensível à pressão

Publicados

em


source
Black Shark 4S
Divulgação/Xiaomi

Black Shark 4S

A espera acabou. O Black Shark 4S e a variante Black Shark 4S Pro enfim foram oficializados nesta quarta-feira (13) na China. Os novos smartphones gamers chegam ao mercado com visual que remete ao ASUS ROG Phone e nas especificações podemos destacar a tela AMOLED de 6,67 polegadas com taxa de atualização de 144 Hz com zonas sensíveis à pressão, processadores Snapdragon 870 e 888 Plus, e suporte ao Wi-Fi 6.

Com luzes RGB, o Black Shark 4S, equipado com o processador Snapdragon 870, é o modelo mais parecido com o ROG Phone, quando analisamos o design. Já o Black Shark 4S Pro, versão que aposta num design mais invocado, é lançado com o Qualcomm Snapdragon 888+. Os consumidores poderão encontrar os aparelhos em três configurações: com 8 GB, 12 GB ou 16 GB de RAM e armazenamento interno de 128 GB, 256 GB e 512 GB.  

Black Shark 4S e 4S Pro têm tela de 144 Hz que é sensível à pressão

Leia Também

Na frente, tanto o Black Shark 4S como o Black Shark 4S Pro apostam num painel E4 AMOLED de 6,67 polegadas com resolução Full HD+ (2400 x 1080 pixels). Os aparelhos ainda entregam ao consumidor taxa de atualização de 144 Hz, para deixar a navegação e jogatina mais fluidas, e taxa de amostragem de toque de 710 Hz. Vale lembrar que o ROG Phone 5, ROG Phone 5S e o ROG Phone 5S Pro, já lançados no Brasil, também entregam taxa de 144 Hz. Outro destaque dos novos celulares da Xiaomi é a sensibilidade à pressão que favorece a jogatina.

Leia Também:  Fakes que aplicam golpes de Pix somam 500 mil seguidores em redes sociais

Nas câmeras, eles contam com três lentes agrupadas horizontalmente. O conjunto é formado por uma câmera principal de 48 megapixels (Black Shark 4S) e de 64 megapixels (Black Shark 4S Pro), uma ultrawide de 8 megapixels com ângulo de visão de 120 graus e um sensor macro de 5 megapixels. A frontal, por sua vez, é de 20 megapixels de resolução.

Alto-falante estéreo, sensor de impressão digital, Wi-Fi 6, Bluetooth 5.2, NFC, suporte ao 5G e entrada para fones de ouvido de 3,5 mm completam as especificações. Eles têm bateria de 4.500 mAh e suporte a carregamento rápido de 120 W.

Não há informações sobre o lançamento de ambos no Brasil. Os preços na China são os seguintes:

Black Shark 4S

  • 8 GB + 128 GB – ¥2,699 (R$ 2.327) 
  • 12 GB + 128 GB – ¥2,999 (R$ 2.586) 
  • 12 GB + 256 GB – ¥3,299 (R$ 2.845) 
  • Gundam Limited Edition (12 GB + 256 GB) – ¥3,499 (R$ 3.017) 
Leia Também:  Facebook divulga alta nos lucros em meio a vazamento de documentos internos

Black Shark 4S Pro

  • 12 GB + 256 GB – ¥4,799 (R$ 4.138) 
  • 16 GB + 512 GB – ¥5,499 (R$ 4.742) 

Propaganda

Momento Tecnologia

Mesmo suspenso, Bolsonaro volta a publicar vídeo no YouTube

Publicados

em


source
Mesmo suspendo, presidente Jair Bolsonaro publicou um vídeo em seu canal do YouTube
Reprodução: iG Minas Gerais

Mesmo suspendo, presidente Jair Bolsonaro publicou um vídeo em seu canal do YouTube

Um dia após ser suspenso do YouTube e ser impedido de publicar conteúdos na plataforma durante uma semana, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a publicar um vídeo em seu canal.

Ontem, o  YouTube removeu da plataforma uma live em que Bolsonaro associava de forma mentirosa a vacina contra a Covid-19 a casos de Aids . Como punição, o canal do presidente ficaria suspenso, e ele não poderia postar novos vídeos ou transmissões ao vivo por sete dias.

Bolsonaro, no entanto, desrespeitou a decisão na manhã desta terça-feira (26) e divulgou um vídeo institulado “Ceará: anúncio do início das obras do Ramal do Salgado. + de 4,7 milhões de pessoas em 54 municípios”. O conteúdo mostra ações do Ministério do Desenvolvimento Regional no Nordeste.

Regras

Esta não foi a primeira vez que Jair Bolsonaro viola as diretrizes do YouTube com informações falsas sobre a Covid-19. Em julho, o presidente já havia recebido um alerta da plataforma por descumprir as regras. 

Por conta disso, com a mentira sobre a vacina contra a Covid-19 e a Aids, ele recebeu o primeiro aviso, que leva à suspensão do canal por uma semana. Caso volte a violar as diretrizes dentro de 90 dias, receberá um novo aviso, e a punição será em dobro: duas semanas sem poder publicar.

Leia Também

Se receber três avisos em um prazo de 90 dias, o canal será removido permanentemente do YouTube.

YouTube não foi o único

O Facebook também derrubou a última live de Bolsonaro . O conteúdo não está mais disponível nas contas do presidente na rede social e no Instagram, que pertece ao mesmo grupo.

“Nossas políticas não permitem alegações de que as vacinas de Covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas”, informou um porta-voz da empresa.

Leia Também:  Fakes que aplicam golpes de Pix somam 500 mil seguidores em redes sociais

Relatório da CPI pede afastamento de ‘todas as redes sociais’

O relatório final da CPI da Covid cita essa live do presidente Jair Bolsonaro, em que ele associa vacinas contra Covid-19 ao desenvolvimento da Aids, para pedir o seu afastamento de “todas as redes sociais” . No texto, o relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), diz que a medida é necessária “para a proteção da população brasileira”.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA