Momento Tecnologia

Google Meet permitirá criar enquetes e sessões de perguntas

Publicados

em


source

Tecnoblog

Google Meet
Divulgação/Google

Googe Meet ganha enquetes e perguntas

O Google Meet anunciou dois novos recursos para aumentar o engajamento em videochamadas: enquetes e sessões de perguntas e respostas. As duas funções já estavam disponíveis no Zoom Meetings , o que significa que a gigante da internet não pretende dar brechas para a concorrência.

Participar de aulas online ou mesmo apresentar um treinamento via chamada de vídeo nem sempre é algo confortável – especialmente quando há muitas pessoas tímidas no grupo. Não é difícil participar de sessões nas quais o professor ou apresentador dá uma explicação sobre um tema, e tudo o que obtém de resposta é um grande vazio.

Com os novos recursos, o Google pretende oferecer outras formas de interação dentro do seu serviço de videoconferências , o que pode ser de grande valia para melhorar a comunicação à distância em empresas ou instituições educacionais.

Leia Também:  Casa inteligente: dispositivos tecnológicos que facilitam a vida

Perguntas e respostas

Com o “Q&A” (perguntas e respostas), alunos podem fazer perguntas durante as aulas, mesmo quando eles não têm microfone, estão em um ambiente barulhento ou simplesmente tenham dificuldades para falar na frente de todos, tudo isso sem interromper o fluxo de uma apresentação.

Também será possível interagir com as perguntas de outras pessoas, votando positivamente para torná-las mais relevantes.

Enquetes do Google Meet

As enquetes pretendem facilitar a discussão sobre um determinado assunto ou permitir que a sua audiência faça uma rápida avaliação sobre o conteúdo da sua apresentação, por exemplo.

A função permite que o moderador configure perguntas previamente sem exibi-las ao público. Assim, é possível revelar as questões gradativamente durante uma reunião ou aula. No fim da chamada de vídeo , os anfitriões recebem um relatório com os votos de cada enquete, incluindo uma visualização em gráficos de barras que pode ser compartilhada.

Disponibilidade

As enquetes e perguntas e respostas do Google Meet chegam primeiro aos usuários do G Suite Essentials, G Suite Business, G Suite Enterprise e G Suite Enterprise for Education, o que é compreensível já que tratam-se de recursos bastante úteis para votações em empresas e debates em aulas online. O Google começará a liberar as funções em 08 de outubro.

Leia Também:  TikTok bane QAnon: movimento conspiratório é expulso do aplicativo

Propaganda

Momento Tecnologia

TikTok bane QAnon: movimento conspiratório é expulso do aplicativo

Publicados

em


source

Olhar Digital

tiktok
Unsplash/Solen Feyissa

TikTok bane movimento QAnon

Desde junho de 2020, o TikTok , app da gigante chinesa ByteDance para compartilhamento de vídeos, vinha impedindo a veiculação de hashtags relacionadas ao movimento conspiratório conhecido como ” QAnon “. Agora, a empresa está adotando uma medida mais severa, banindo completamente contas que compartilhem conteúdo da rede de desinformação.

“O conteúdo e as contas que promovem o QAnon estão em violação de nossa política contra desinformação e nós os estamos removendo de nossa plataforma”, disse um porta-voz do TikTok ao site NPR. “Nós também tomamos medidas significativas para tornar esse conteúdo mais difícil de ser encontrado em nossas buscas e hashtags por meio do redirecionamento de termos relacionados [a eles] às regras de conduta de nossa comunidade”.

O TikTok não está sozinho nisso. Em um passado recente, YouTube , Reddit , Twitter , Facebook e outras plataformas tomaram providências para impedir ou diminuir a veiculação de conteúdo da rede conspiratória. As regras de conduta citadas pelo porta-voz do app da ByteDance é bem específico ao proibir “a veiculação de desinformação que cause dano aos indivíduos, à nossa comunidade ou ao público em geral”.

Leia Também:  Casa inteligente: dispositivos tecnológicos que facilitam a vida

Uma investigação da organização não governamental (ONG) Media Matters for America havia revelado que entusiastas do QAnon usavam o app chinês para veicular conteúdos sem veracidade, comprovação ou negacionista.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA